Eventos assinalam a passagem dos 150 anos de "Amor de perdição", de Camilo Castelo Branco - Programação no Real Gabinete Português




Está em gestação por parte da Universidade de São Paulo e do Real Gabinete Português de Leitura a realização de um congresso internacional em torno de Camilo Castelo Branco, assinalando a passagem dos 150 anos de Amor de perdição, obra clássica do Romantismo em Portugal.

A programação está dividida em duas datas do mês de setembro porque ocorrerá em dois lugares: parte em São Paulo e outra parte no Rio de Janeiro. A primeira parte será entre os dias 19 e 21 de setembro e a segundo nos dias 24 e 25. Apesar de ainda não ter sido divulgada a programação do que ocorrerá na USP, o Real Gabinete já disponibilizou como será feito o evento no Rio.

No primeiro dia, 24 de setembro, segunda-feira:

09h30 – Cerimônia de reabertura no Real Gabinete Português

10h-12h – Camilo em perspectiva comparada
Mesa coordenada por Gilda Santos (RGPL/UFRJ)
Ida Alves (UFF): "Castilho, leitor de Camilo"
Laura Padilha (UFF): "Assis Júnior em diálogo com Camilo"
Maria Lúcia Wiltshire de Oliveira (UFF): "Perdições do amor: leituras do amor na narrativa portuguesa contemporânea"

14h30-16h00 – Entre o amor (de perdição) e a crítica social
Mesa coordenada por Laura Padilha (UFF)
Gilda Santos (RGPL/UFRJ): "Amor de Perdição – a "jóia da coroa" do Real Gabinete"
Luis Maffei (UFF): "O dinheiro trai felicidade, Camilo?"
Monica Figueiredo (UFRJ): "Todas as novelas de amor são ridículas. Não seriam novelas camilianas se não fossem ridículas"

16h30-18h00 – Leituras camilianas nos séculos XX e XXI
Mesa coordenada por Luis Maffei (UFF)
Dalva Calvão (UFF): "Simão e Teresa, personagens de Mário Cláudio"
Maria Theresa Abelha Alves (UFRJ): "Camilo Castelo Branco em páginas de Mário Cláudio"
Paulo Motta de Oliveira - "Camilo Castelo Branco no Brasil"

No segundo dia, 25 de setembro, terça-feira

10h-11h30 – Camilo Castelo Branco e o Oitocentos
Mesa coordenada por Ida Alves (UFF) com conferência “Pelas mãos do narrador” proferida por Cleonice Berardinelli (ABL/UFRJ)

14h-15h30 – Ironia e paródia na ficção camiliana
Mesa coordenada por Maria Lúcia Wiltshire de Oliveira (UFF)
Madalena Vaz Pinto (UERJ/FFP): "Amor de perdição de Camilo Castelo Branco: a presença do narrador na construção de um pacto de leitura"
Luci Ruas (UFRJ/UGF): "Um certo modo de olhar, ou de como realidade e ficção se conjugam na realidade escritural do Amor de perdição"
  
16h – Encerramento no Cine Real, com a projeção de duas versões de “Amor de Perdição”

O Real Gabinete Português está localizado na Rua Luís de Camões, 30, Centro - Rio de Janeiro – RJ

Informações:
Telefone: (+ 55 21) 2221-3138 
Tel/Fax: (+ 55 21) 2221-2960



Comentários

Bárbara disse…
Ah, como eu gostaria de participar deste evento...Pena que está muito próximo e eu não teria como ir ao Rio ainda esse mês.

Uns consideram Amor de Perdição como ultrapassado, antiquado, exagerado. Quem disse que o que é antiquado (ou melhor, antigo) é ruim? E quanto ao tema...quem disse que paixões desmedidas e sacrifícios por amor, resignação, etc, são coisa do passado?

E se fossem? Não podemos admirar o que é do passado? Por analogia, se eu uso jeans e camiseta hoje, não quer dizer que não possa admirar os vestidos enormes usados na Belle Epoque, certo? ;)

Adoro Amor de Perdição. E por influência deste post, vou relê-lo.

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232