10 livros para ler a partir do dia 31 de outubro


1 – O castelo de Otranto, de Horace Walpole: simples novela datada de 1764 tem relevância aqui porque é apresentada como a que inaugurou na literatura os gêneros de terror e de sobrenatural, tendo sido basilar para escritores como Bram Stoker e Edgar Allan Poe. Seu enredo se fixa em torno de uma maldição que percorre as gerações da família do príncipe Manfredo de Otranto. O misterioso assassinato de Conrado, seu único herdeiro homem, leva Manfredo à loucura, não sem antes ir à procura dos verdadeiros culpados pela morte do filho e as bases que levaram o surgimento da maldição sobre a família.

2 – Os mistérios de Udolfo, de Ann Radcliffe: este é o quarto romance de Radcliffe, escritora que terá inspirado autores como Jane Austen. O romance se constrói em torno da personagem Emilie. Filha única, criada com todos os préstimos e mimos, ela de perde os pais – primeiro, a mãe, vítima de uma doença súbita e misteriosa, depois o pai durante uma viagem pelo sul da França e pela Itália. É nessa viagem que conhece Valancourt, um jovem com o qual tem um romance, mas logo desfeito, uma vez que, órfã, Emilie é designada à irmã mais velha Chéron que se casa com Montoni, um italiano que se revelará ao longo da trama como um grande vilão ao prender Emilie num círculo de medos e horrores no Castelo de Udolfo, sua propriedade.

Cena de O monge, recente adaptação pelo cineasta francês Dominik Moll


3 – O monge, de Matthew Gregory Lewis: apesar de pouco comentado entre os brasileiros (terá ganhado certo interesse a um público restrito pela recente adaptação conduzida por Dominik Moll e sobre a qual comentamos por aqui), este romance é um clássico da literatura gótica de matriz inglesa. Incentivado pelo romance de Ann Radcliffe, Matthew escreveu O monge, quando ainda tinha 19 anos. Quando publicado o romance, pela severa subversão ao catolicismo e a violência explícita, com uma pesada cena de incesto, causou verdadeira celeuma entre os críticos que levaram o autor ao tribunal e obrigado a reescrever o seu trabalho com várias passagens censuradas. O romance se divide em duas histórias que, à medida que vão sendo contadas, vão ganhando proximidade até sua intersecção no desfecho. Ambrosio é um monge, símbolo de virtude e moral entre os da sua ordem, até se ver envolvido com um misterioso noviço que é entregue pelo pai a fim de ser feito monge. O noviço, na verdade, uma misteriosa mulher, que levará Ambrosio a perder o limite entre a conduta e os desejos do corpo. Não satisfeito sexualmente com Matilda, a misteriosa mulher em questão, o monge usará de todos os artifícios para seduzir e saciar seu desejo sexual por Antonia. É aqui que acompanhamos a outra história que segue paralela à primeira: o amor entre Raymond e Agnes, uma jovem condenada a um convento. Insatisfeito, Raymond se infiltra na ordem e passa a viver o caso sexual com Agnes, até que ela engravida e é descoberta pela abadessa. O irmão de Agnes, revoltado, ao saber dos castigos elaborados pela abadessa a fim de coibir o pecado, elabora um plano para o seu sequestro e sua morte. É no confronto que o irmão de Agnes, descobre o assassinato de Antonia, sua amada, por Ambrosio.

4 – O corvo, de Edgar Allan Poe: poema narrativo dos mais cobiçados entre vários escritores, como Dostoiévski, Paul Valéry, Fernando Pessoa, Mallarmé e Machado de Assis – alguns desses chegaram a compor suas próprias versões – O corvo narra a visita do pássaro a um homem melancólico pela perda da esposa. A capacidade de Poe com este texto é a de engendrar um universo de horror sem necessariamente apelar para a explicitação de elementos do tipo, como é caso, por exemplo, nos três primeiros textos citados anteriormente.

Cena de Nosferatu, de F. W. Murnau. O filme toma como base o livro de Bram Stoker, embora muitas das situações e dos nomes no original foram refeitos.

5 – Drácula, de Bram Stoker: Drácula terá ficado conhecido pelo Nosferatu, filme de Friedrich W Murnau; evidente que no cinema, sua imagem foi integralmente ressignificada, mas preservou-se a atmosfera horripilante desenhada por Bram Stoker. Baseado no folclore da Transilvânia e num personagem real, o rei Vlad, o Empalador, o relato redigido pelo escritor deverá ter atormentado muitas noites de sono. O ‘efeito de realidade’ é dado pelo formato do livro todo narrado por pontos de vista diferente como se cada capítulo fosse uma espécie de diário que vai remontando a imagem de Conde Drácula.

6 – Frankenstein, de Mary Shelley: sobre a criação dessa personagem já falamos outro dia por aqui. Dr Henry Frankenstein é um obstinado cientista pela recriação de humanos. Decidido a por em prática toda sua teoria sobre o caso, constrói um corpo com várias partes diferentes de vários cadáveres. Criado pelo raio primordial a criatura monstruosa tem fortes impulsos assassinos e é quando Frankenstein vai se dá conta da natureza aterradora de seu trabalho.

7 – O caso de Charles Dexter Wart, de H P Lovecroft: é um livro que mescla sua narrativa com uma série de outros gêneros, como cartas, depoimentos, formulações teóricas a fim de sondar a loucura de Charles Dexter, internado num hospício com uma aparência mais velha que a real e uma série de sintomas que fazem do seu caso único na patologia da loucura.

8 – Contos de fantasmas, de Daniel Defoe: célebre pelo clássico Robinson Crusoé, Defoe escreveu esses contos porque tinha profundo interesse pela reencarnação. E antes de ser um livro meramente de terror, é claro, um divertimento do escritor diante de um assunto tão complexo que tem várias motivações que é a vida pós-morte.

9 – Noite na taverna, de Álvares de Azevedo: Álvares de Azevedo é o que de melhor a literatura brasileira produziu para o gênero gótico. Signo da originalidade no romantismo e discípulo de sujeitos como Lord Byron, Hoffmann e Mary Shelley, toda a produção sua vai pelo ideia da morbidez. Noite na taverna compõe-se de sete contos que tem uma ligação entre si, como a história de Johann e de outras personagens, e varia o tom entre violentação, corrupção, incesto, adultério, necrofilia, traição, antropofagia, assassinatos de várias espécies.

Muito antes Murnau filmar Nosferatu, o cineasta John S Roberttson fez uma adaptação do livro de R L Stevenson, em 1920, e obra entraria para a lista dos clássicos no gênero.

10 – O médico e o monstro, de R L Stevenson: romance da Era Vitoriana, O médico e o monstro conta, por meio de diferentes narradores, a história do médico Dr. Jekyll e sua tentativa em querer separar o que seria o lado bom e o mau da natureza. É quando desenvolve uma fórmula química no seu laboratório que consegue dar vazão às suas tendências maléficas e perversas. Conseguirá manter-se entre o seu personagem real e o que se forma a partir da fórmula, mas aos poucos, o lado negro vai-lhe tomando conta, até o seu suicídio.

Boa parte desses livros estão disponíveis em sua versão integral na internet e outros como Drácula, Frankenstein, Contos de fantasmas, Noite na taverna, O médico e o monstro estão traduzidos e publicados pela L&PM.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói