Cecília Meireles, Manuel Bandeira e Mário Quintana: reencontros


Já tem mais de um mês que dei com algumas novidades muito boas que as editoras estão trazendo para a literatura nacional. A surpresa de entrar numa livraria e encontrar livros que, já tem algum tempo que só resistia nas estantes dos sebos e alguns nem mesmo aí encontrávamos se confunde com a preocupação que tenho enquanto professor de literatura que assiste ao desencantamento ou distanciamento do público para com a leitura de obras de qualidade.

Há, evidente, muitos fatores negativos que estão entre o leitor e o livro, mas acho que o mais grave deles é quando falta o segundo elemento, afinal, não há leitor se não há livro. E tem algum tempo que a ideia de lucro tem falado mais alto e as editoras têm se preocupado e tanto com a fabricação de Best-Sellers, relegando o trabalho árduo da boa literatura às editoras de fundo de quintal, sem expressividade quantitativa frente à ordem tresloucada do capital.

Da surpresa que tive nas livrarias, esta se refere ao trabalho de reedição de Mario Quintana, Manuel Bandeira e Cecília Meireles. É fato que antes desses autores já Carlos Drummond de Andrade mal saído das prateleiras também já vinha sendo reeditado e Jorge Amado que continua ampliando seu universo de leitores graças, e aqui está a vantagem de um grande conglomerado editorial se interessar por uma obra literária, a série de empreitadas postas ao longo desse ano de 2012, ano do seu primeiro centenário.  Também João Cabral de Melo Neto e agora Graciliano Ramos deverá está mais presente nas estantes das livrarias, seja porque se inicia um ano de comemorações em torno dos seus 120 anos, feitos no último dia 27 de outubro.



Cecília Meireles e Manuel Bandeira saem pela Global. Da autora, é destaque Romanceiro da inconfidência, publicado pela primeira vez em 1953 e já algum tempo fora dos catálogos.  Este é um dos pontos altos da obra de Cecília que recria poeticamente os dias de angústia e esperança do final da década de 1780, em que um grupo de intelectuais de Minas Gerais sonhou com a libertação do Brasil do domínio colonial português. Conforme resenha publicada no site da editora, Cecília se utiliza da técnica de escrita dos romanceiros populares, buscando nos autos dos processos, nas correspondências, nos testamentos, na pintura, na literatura oral e nas esculturas de Aleijadinho motes para recriar a atmosfera do tempo retratado, recuperando no seu itinerário figuras como as de Tomás Antonio Gonzaga, o eterno amante de Marília, Cláudio Manuel da Costa, Bárbara Eliodora, Tiradentes, aí retratado como um Cristo revolucionário, imagem que se constrói a partir do século XIX.

Destaque nas reedições de Cecília Meireles são ainda Viagem, um livro intimista publicado ainda em 1939 e Ou isto ou aquilo, publicação que ganhou destaque no cenário da literatura infantil brasileira. A obra vem ilustrada por Odilon Moraes, que no alto da honradez pelo trabalho de ilustrar um clássico confessa que a obra, uma das prediletas da sua mulher, é também um livro que prima pelo maior dos desafios no tempo da infância: a questão da escolha, que é decerto também um modo particular da própria escritora de ver a vida.



Já de Manuel Bandeira, os destaques são Estrela da manhã, Estrela da tarde e a autobiografia em prosa Itinerário de Pasárgada. O primeiro, por exemplo, é já um clássico e é a obra que terá servido de impulso poético para muitos outros poetas da geração de Bandeira e posteriores a ele. Publicado em 1936, com tiragem mínima de apenas cinquenta exemplares que o autor fez questão de assiná-los um a um e Portinari lhe compôs o desenho de capa, é marco na cena literária brasileira porque aí se firma o poeta de Libertinagem, livro que alcança o limite de ruptura com a tradição.



Agora, Mario Quintana sempre esteve na moda entre as editoras. A L&PM e a Nova Aguilar já haviam publicado antologias consagradas e agora é a Alfaguara a que assume o papel de reeditar seus trabalhos, individualmente e já é possível de encontrar nas livrarias A vaca e o hipogrifo, Poemas para ler na escola, O aprendiz de feiticeiro seguido de Espelho Mágico A rua dos cataventos, Canções, Sapato florido, Apontamentos de história sobrenatural e A cor do invisível.

Motivos, vê-se, não faltam para ler produção de qualidade, brasileira, e necessária de se ter conhecimento, seja quem se mete a escrever, seja quem apenas quer (e deve querer) enriquecer sua bagagem cultural nesses tempos sombrios em que cultura se confunde com massificação.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20