RECONHECIMENTO

Por Pedro Fernandes




Ontem, 15 de outubro, foi dia dos professores. Alguém já terá dito que uma coisa que tem dia para ser lembrada é porque esta coisa não é tão bem quista quanto deveria. Prefiro ir nesta direção, mas prefiro também dilatar essa visão. Quando se há um dia para lembrar de alguém ou alguma coisa e estes não são bem quistos, este dia, serve-nos não apenas para exaltações afetivas, que será uma forma de imprimir destaque ao não-quisto, mas aponta para a necessidade de se repensar o sentido do alguém ou do alguma coisa lembrados.

Então, ainda no território das preferências, eu prefiro ir pela ideia de repensar. E foi isto o que propus quando redigi uma mensagem resposta aos vários comentários e às várias fotomensagens que companheiros de profissão e alunos decidiram, cada qual do seu jeito carinhoso de ser, homenagear. A mensagem foi publicada na minha página no Facebook e é o teor dela que quero repetir por aqui, porque como reza as diretrizes deste espaço, ele me é também de utilidade para mensagens do tipo. A efemeridade das times lines não fará a mensagem ficar visível por tanto tempo e, no blog, ainda se tem certa solidez com o fluxo das postagens. Por isso, a repetição. 

A permanente lembrança do papel professoral é um exercício que nos faz ver o quanto representamos na formação e o quanto essa representação é necessária; isso todos estamos de acordo. Falta apenas aos do escalão estatal a vergonha de saber que um país rico se faz, sim, com valorização profissional de uma categoria que, como todos também acordam, é a base de todas as bases. Esse reconhecimento que parece custar tão caro porque sustaria um estado bruto e alheio ao poder dominante está ainda perdido na fantasia de que somos espécies maternas capazes de abrigar na bolsa marsupial da boa vontade tudo e todos e fazer, como fadas, de giz em punho, o milagre da transubstanciação da ignorância em pilares de avanço em todos os setores sociais. Não. Essa beleza, é uma pena, só existe no brilho das palavras de afeto dos colegas e companheiros que cientes da canoa furada em que estamos sabe bem utilizá-las para confortarmo-nos uns aos outros. Quando na verdade o que nos resta é um grito incontido pedindo uma simples coisa: RECONHECIMENTO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236