10 filmes a partir da obra de Liev Tolstói


Os leitores brasileiros, sobretudo depois do nascimento do que poderíamos chamar de escola da tradução para o português direta do russo inaugurada muito recentemente por aqui, têm construído uma saudável aproximação com uma das obras mais importantes da literatura universal, a de Liev Tolstói. Mas, a obra do escritor russo não é apenas isso; é também um terreno fértil para outras criações artísticas. Entre elas, o cinema. E é sabendo disso, no ano em que aparece uma nova releitura de Anna Kariênina para a grande tela, que preparamos esta listinha com algumas peças muito raras, mas indispensáveis ao leitor interessado em ver através da imagem o que encontrará através das letras.



Anna Kariênina, 1967, de Aleksandr Zarkhi. Este talvez seja o romance de Tolstói mais adaptado. Antes da versão de agora por Joe Wright que traz Anna Kariênina vivida pela atriz Keira Nightly, teve o filme de 1935, quando saiu da primeira adaptação do romance com a personagem vivida por ninguém menos que a diva Greta Garbo; era um filme dirigido pelo estadunidense Clarence Brown. Depois, em 1948, Anna ressurge na pele de Vivien Leigh, a musa de E o vento levou. E, em 1997, o diretor britânico Bernard Rose deu o papel para a atriz francesa Sophie Marceau. Mas, de todas as adaptações, essa de 1967, apesar de ser a mais desconhecida desse lado de cá, é a mais bem quista pela crítica porque trata com fidelidade e sobriedade a obra do escritor russo. Aqui, Tatyana Samoylova é quem vive a personagem tema do romance.

Aien Kyo, 1937, de Kenji Mizoguchi. Apesar de raro, é possível encontrar esse filme entre os vídeos postados no Youtube. O romance já havia ganhado o gosto do cinema em 1915, quando o diretor russo Pyotr Chardynin fez uma adaptação; peça no cinema italiano e chinês, anos mais tarde, a versão japonesa, tal como o Anna Kariênina de Aleksandr Zarkhi, é a que trata o livro Ressurreição com melhor sensibilidade.

Voskreseniye, 1960, de Mikhail Shvejtser. Esta é outra adaptação de Ressurreição tida pela crítica como uma das melhores já feitas a partir desse romance de Tolstói.



Noites com sol, 1990, dos irmãos Paolo e Vittorio Taviani.  A obra que serviu de inspiração para o filme foi o conto Padre Sérgio. Descrita pela crítica como um filme belíssimo, raro e extraordinário, os Taviani traduzem com profundidade a densidade de temas como espiritualidade, fé, a busca por ser uma pessoa melhor examinadas pelo texto de Tolstói. A atenção do espectador deve se centrar no requinte da fotografia e dos figurinos, afinal este é descrito como uma das peças cujo capricho visual é acachapante.

Prisioneiro das montanhas, 1996, de Sergey Bodroy. O filme ganhou o prêmio a crítica em Cannes e concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro; é uma adaptação do conto O prisioneiro do Cáucaso. José Geraldo Couto chama esta obra de antiépica e destaca que o mais interessante nela é a construção das personagens, nem unidimensionais, nem estáticas, mas seres em transformação de acordo com as circunstâncias que experimentam durante o cativeiro.  

Scarabea – wieviel Erde Braucht der Mensch?, 1969, de Hans-Jürgen Syberberg. De quanta precisa o homem é a dramática história de um homem obcecado pelo desejo de obter mais terras; às escondidas, o Diabo ouve-lhe seus desejos e lhe dá o impulso para realização de suas vontades. Não satisfeito, resolve adquiri as terras no longínquo território dos bashquires, onde é desafiado pelo chefe da aldeia a percorrer a pé durante um dia, desde o nascer ao pôr do sol, num itinerário de ida e volta a fim de ganhar ou perder tudo. Esse desafio é lido pelas lentes de Hans-Jürgen no que é o seu primeiro filme; apesar de pouco conhecido, é possível encontrá-lo também no Youtube.



O dinheiro, 1983, de Robert Bresson. Descrito como uma das peças raras do cinema francês, O dinheiro existe a partir do conto Falso cupom. Vencedor do prêmio de Melhor Direção no Festival de Cannes e indicado à Palma de Ouro como Melhor Filme, o drama se desenvolve a partir de quando um jovem rico coloca para circular uma nota falsa, situação que resulta no desemprego do funcionário e numa série de outros acontecimentos de ordem dramática. O filme é uma profunda reflexão sobre a influência do capital no desmantelamento das relações humanas.

O cadáver vivo, 1929, de Fyodor Otsep. O título é o mesmo de uma peça escrita pelo pouco reconhecido Tolstói dramaturgo: a última, depois de O niilista, A família contaminada, O poder das trevas e Os frutos da civilização. O filme mudo que traz Vsevolod Pudovkin e Boris Barnet, dois importantes diretores soviéticos, como atores, acompanha a busca de Fiódor Protássov, um homem encantador, fraco e pecador, pelas relações humanas autênticas no mundo tomado pela aparência e pela mentira.

Cossacos!, 1928, de George W. Hill. Quando publicou Os cossacos, em 1863, Tolstói deu uma virada na sua produção literária. Basta saber que depois da obra, dedicou-se a projetos grandiosos como Guerra e paz (entre 1865 e 1869) e Anna Kariênina (1878). O romance conta a história de Olénin, um bem-nascido mas desencantado jovem russo que se junto ao exército no Cáucaso no final do século XIX.



Guerra e paz, 1966, de Sergey Bondarchuk. O que impressionará o espectador é, assim como a extensão do romance de Tolstói, são as sete horas de filme, facilmente superadas para quem tiver se aventurado em produções como O poderoso chefão. Valerá cada hora gasta porque não há, mesmo entre as séries para TV e o Guerra e paz de King Vidor, nenhuma adaptação melhor que essa para um romance da magnitude desse do escritor russo.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236