Tatiana Salem Levy




Tatiana Salem Levy nasceu em Portugal em 1979 por pura obra do destino e não do acaso, entendendo que entre uma coisa e outra haja alguma linha que os delimite. É que pela época, seus pais estavam exilados em Lisboa, por razões da Ditadura Militar. Nove meses depois do seu nascimento, a família beneficiada pela Lei de Anistia, permitiu o retorno dos Salem para o Brasil, onde vivem até hoje.

Tatiana integra o grupo de escritores acadêmicos, designação que utilizamos aqui para dizer dos nomes – e são muitos hoje – que fazem uma carreira na Academia e paralelamente se dão a aventura maior de escrever ficção ou poesia. Fez sua graduação em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro seguido de mestrado e de doutorado cursados na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Neste último estágio fez estudos na França e nos Estados Unidos.

Academicamente, Levy define-se pela reflexão sobre o não lugar, o não pertencimento, a busca pela identidade. Apesar de considerar-se brasileira, há um triângulo de lugares que lhe circunda: o da família, o do exílio e o da pátria adotada. Marcas que se alargariam na experiência que foi estar fora do Brasil quando cursava seu doutorado. A tentativa de encontrar-se terá sido o mote, para o seu romance de estreia, A chave de casa, livro em que a narradora brasileira, descendente de judeus turcos que foram expulsos de Portugal pela Inquisição busca entender a separação da sua identidade individual, do grupo familiar e da própria nação. Foi este romance, aliás, que ela entregou como tese de doutorado. A obra ganhou o Prêmio São Paulo de Literatura na categoria Estreante e chegou a ser finalista do Jabuti de 2008.

Antes, sua dissertação de mestrado foi publicada em 2003 sob o título de A experiência do fora e foi seu primeiro trabalho em livro, mas texto acadêmico costurado no diálogo entre o pensamento dos franceses Maurice Blanchot, Foucault e Gilles Deleuze.

No gênero romance, depois de A chave de casa publica Em silêncio e Dois rios. Na narrativa breve, eleita um dos vinte melhores jovens escritores pela Granta, Levy  tem predileção pelos contos e já publicou nas coletâneas Paralelos, organizado pela Editora Agir, 25 mulheres que estão fazendo a nova Literatura Brasileira, este com produção inédita de 25 autoras que começaram a publicar prosa de ficção a partir de 1990 e organizado pelo escritor Luiz Rufatto, Recontando Machado, antologia organizada por Luiz Antonio Aguiar e que tem nomes como os de Cristovão Tezza, Cintia Moscovich e Miguel Sanches Neto, e Dicionário amoroso da língua portuguesa, edição coordenada por Marcelo Moutinho e Jorge Reis-Sá. No gênero ainda é organizadora de Primos, livro que reúne trabalhos de autores brasileiros que como Tatiana são descendentes de árabes e de judeus. 

Assim, Tatiana vai compondo um perfil, do que se pode ter como referência para uma geração já batizada por novíssimos - autores que, conforme assinala Beatriz Resende, trazem em seus textos a marca de uma literatura exigente, que se apoia em uma leitura atenta, além de pressupor uma bagagem cultural, necessária à apreensão de suas referências.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236