Um inédito de João Cabral de Melo Neto e outras novidades em torno do poeta


O poeta João Cabral de Melo Neto em cena do filme Liames, o mundo espanhol de João Cabral de Melo Neto, em 1979. Foto: Instituto Moreira Salles.


Já desde 2007 que a obra de João Cabral de Melo Neto começou a ser integralmente reeditada. De lá para cá, já se somam 12 títulos publicados. O destaque nesta reedição, até o presente é a publicação póstuma Ilustrações para fotografias de Dandara, livro que dá contas de um álbum criado pelo poeta para matar as saudades da neta, quando era embaixador do Brasil no Senegal. É o João Cabral despido do rigor estético, mas ainda da escrita breve, mas agora, coloquial.

Na época, sempre eram remetidas correspondências com fotos de Dandara, as quais motivavam o avô a logo compor versos para a neta. Em 1975, já com um material reunido num caderno e considerável, João Cabral despacha para o Brasil com o título de “Ilustrações para fotografias de Dandara”. Guardado como relíquia de família pela mãe, Inez, foi a própria Dandara quem decidiu tornar o material público.

Agora, para o próximo ano, a Alfaguara prepara uma edição inédita. Trata-se de um manuscrito assinado por João Cabral, mas incompleto, escrito em forma de auto e que foi guardado por Inez, que já está trabalhando na organização do texto. Intitulado Notas para uma possível casa de farinha o inédito, diz Inez, tem seu mote no medo da modernização das antigas casas de farinha e as incertezas dos sertanejos no período de implantação da Sudene, na década de 1960.
O manuscrito foi dado à filha já pelo pai já no final da vida, quando João Cabral enfrentava sérias dificuldades com a cegueira.

Capa da antologia O rio, organizada pela filha do poeta e editada pela Alfaguara e
Livraria Saraiva com poemas que tratam da relação de João Cabral com o rio Capibaribe


Até lá, chega às livrarias uma edição que presentifica o rio Capibaribe na obra do poeta. Presença constante desde O cão sem plumas até Morte e vida severina, a antologia intitulada O rio é organizada também por Inez Cabral, prefaciada pelo escritor português António Lobo Antunes e publicada conjuntamente pela Alfaguara e pela Livraria Saraiva, único local onde o livro será comercializado.

Segundo Inez, a seleção se pautou pelos poemas ricos em elementos que mostram a formação sertaneja do pai, da infância à adolescência, entre as décadas de 1920 e 1940.

Abaixo, deixamos um recorte de Ilustrações para fotografias de Dandara, poema antes publicado no caderno de cultura do Estadão.

POEMA 7

D., nesta fotografia
reviajo vinte e cinco anos:
regresso a tua...
...mãe menina
em Barcelona, aos dois anos
Reviajo à mesma pessoa
que nasceu pra dizer não,
que embora tenha
vivido
pra ser desafirmação,
reencontrou na filha um sim
a que condicionou a vida
(não o Sim convencional:
o possível Sim da vida):
que ela não é o sistema
mas coisa de sim e não vestida,
e vejo em como te veste,no limpo em que estás
vestida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

O romance perdido de Sylvia Plath

A ignorância, de Milan Kundera