Um inédito de João Cabral de Melo Neto e outras novidades em torno do poeta


O poeta João Cabral de Melo Neto em cena do filme Liames, o mundo espanhol de João Cabral de Melo Neto, em 1979. Foto: Instituto Moreira Salles.


Já desde 2007 que a obra de João Cabral de Melo Neto começou a ser integralmente reeditada. De lá para cá, já se somam 12 títulos publicados. O destaque nesta reedição, até o presente é a publicação póstuma Ilustrações para fotografias de Dandara, livro que dá contas de um álbum criado pelo poeta para matar as saudades da neta, quando era embaixador do Brasil no Senegal. É o João Cabral despido do rigor estético, mas ainda da escrita breve, mas agora, coloquial.

Na época, sempre eram remetidas correspondências com fotos de Dandara, as quais motivavam o avô a logo compor versos para a neta. Em 1975, já com um material reunido num caderno e considerável, João Cabral despacha para o Brasil com o título de “Ilustrações para fotografias de Dandara”. Guardado como relíquia de família pela mãe, Inez, foi a própria Dandara quem decidiu tornar o material público.

Agora, para o próximo ano, a Alfaguara prepara uma edição inédita. Trata-se de um manuscrito assinado por João Cabral, mas incompleto, escrito em forma de auto e que foi guardado por Inez, que já está trabalhando na organização do texto. Intitulado Notas para uma possível casa de farinha o inédito, diz Inez, tem seu mote no medo da modernização das antigas casas de farinha e as incertezas dos sertanejos no período de implantação da Sudene, na década de 1960.
O manuscrito foi dado à filha já pelo pai já no final da vida, quando João Cabral enfrentava sérias dificuldades com a cegueira.

Capa da antologia O rio, organizada pela filha do poeta e editada pela Alfaguara e
Livraria Saraiva com poemas que tratam da relação de João Cabral com o rio Capibaribe


Até lá, chega às livrarias uma edição que presentifica o rio Capibaribe na obra do poeta. Presença constante desde O cão sem plumas até Morte e vida severina, a antologia intitulada O rio é organizada também por Inez Cabral, prefaciada pelo escritor português António Lobo Antunes e publicada conjuntamente pela Alfaguara e pela Livraria Saraiva, único local onde o livro será comercializado.

Segundo Inez, a seleção se pautou pelos poemas ricos em elementos que mostram a formação sertaneja do pai, da infância à adolescência, entre as décadas de 1920 e 1940.

Abaixo, deixamos um recorte de Ilustrações para fotografias de Dandara, poema antes publicado no caderno de cultura do Estadão.

POEMA 7

D., nesta fotografia
reviajo vinte e cinco anos:
regresso a tua...
...mãe menina
em Barcelona, aos dois anos
Reviajo à mesma pessoa
que nasceu pra dizer não,
que embora tenha
vivido
pra ser desafirmação,
reencontrou na filha um sim
a que condicionou a vida
(não o Sim convencional:
o possível Sim da vida):
que ela não é o sistema
mas coisa de sim e não vestida,
e vejo em como te veste,no limpo em que estás
vestida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Onze livros sobre escravidão e racismo na literatura estadunidense

Boletim Letras 360º #241

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter

Ivan Búnin