Vem aí a Hora de Clarice 2012



Ainda uma novidade do ano: Clarice jornalista, novas incursões 


Já é de conhecimento público que Clarice Lispector chegou a concluir seu curso de Direito na Faculdade Nacional de Direito, onde foi aprovada em 4º lugar em 1939; pela época, chegou a trabalhar como secretária num escritório de advocacia, mas exercer a profissão, de fato, isso Clarice nunca fez. Além de trabalhos de assessoria em traduções, os tempos de faculdade foram sustentados à base do jornalismo. Em 1940, por exemplo, ela ingressou no Departamento de Imprensa e Propaganda para exercer, em princípio, a função de tradutora, mas findou sendo redatora da Agência Nacional. Foi neste mesmo ano, que ela aparece pela primeira vez como entrevistadora: uma conversa com o escritor Tasso da Silveira publicada na Vamos Lêr! de 19 de dezembro.

No ano seguinte, no número de estreia da revista A Época, uma edição mantida pela faculdade onde estudava, Clarice tem publicado um artigo de opinião “Observações sobre o direito de punir”, texto em que a crítica já assinalou com forte influência do Dostoievski, autor que a escritor lia pela época e que terá sido um dos que mais a impressionara. Neste ano, já estava trabalhando para o jornal A noite, com dupla função, a de tradutora e a de repórter. Foi neste jornal que são publicados alguns contos seus e anos depois, 1943, sairia da tipografia do jornal o seu primeiro romance, Perto do coração selvagem.



Ainda em 1941, é publicada sua primeira reportagem, “Onde se ensinará a ser feliz”, no Diário do Povo, de Campinas, São Paulo, em que relata a visita da primeira-dama da República, Darcy Vargas, a um orfanato feminino. Mas é mesmo no A noite que Clarice Lispector obtém o seu registro profissional como jornalista; profissão que ela exerceria até dois meses antes de falecer, com o hiato forçado pelo período em que viveu no exterior como esposa do diplomata Maury Gurgel Valente. Por longa data, Clarice integrou o grupo de jornalistas que tinham na capacidade de escrita o gesto maior para ser da profissão; isso porque o primeiro curso de jornalismo no Brasil só seria criado em 1947, com a fundação da Faculdade Cásper Líbero.

Entre os anos 1950 e 1960, Clarice escreveu, sob os pseudônimos de Teresa Quadros, Helen Palmer e como ghost-writer da atriz e modelo Ilka Soares, respectivamente, para os jornais ComícioCorreio da manhã e Diário da noite. A Helen Palmer, por exemplo, era uma colunista que passa a assinar, a partir de agosto de 1959, um espaço no Correio da manhã chamado de “Correio feminino – feira de utilidades”; era uma colaboração patrocinada pela indústria de cosmésticos Pond’s, que queria passar às leitoras do jornal mensagens publicitárias subliminares. A missão de Clarice era sem mencionar a marca, fazer com que o público associasse conselhos de beleza ali apresentados aos produtos que a empresa anunciaria. Estes textos já são conhecidos dos leitores pelas publicações organizadas por Aparecida Maria Nunes em Correio Feminino e Só para mulheres.

Além disso, Clarice atuou, na mesma época que Carlos Drummond de Andrade, como colaboradora no Jornal do Brasil, assinando uma crônica semanal aos sábados entre agosto de 1967 e dezembro de 1973. Estes textos seriam reunidos em 1984, numa coletânea, A descoberta do mundo, sob organização de seu filho, Paulo Gurgel Valente.

E, em paralelo a essas atividades, a partir de 1968, ela se apresenta como entrevistadora na revista Manchete, numa coluna “Diálogos possíveis com Clarice”. Aí foram entrevistados, a cada semana, vários nomes que eram de admiração da escritora ou que vinham de seu círculo de amizades e grande parte deles ela recebia na sua própria casa. É desse período que sai entrevistas com Tom Jobim, Chico Buarque, Jacques Klein, Djanira, Grauben, Bibi Ferreira, Tônia Carrero, Jorge Amado, Pablo Neruda, Erico Verissimo, Fernando Sabino e outros. Várias dessas entrevistas além de serem publicadas na Manchete também eram publicados na sua coluna no Jornal do Brasil. Foi também como entrevistadora que, depois da Manchete, ela foi para a revista Fatos & Fotos, onde se publicou sua última contribuição em outubro de 1977, menos de três meses antes de sua morte, ocorrida em dezembro do mesmo ano. Ainda nesse último ano colaborou com o jornal Última Hora, onde publicou crônicas. Dois livros editados pela Rocco trouxeram as entrevistas feitas por Clarice, De corpo inteiro e Entrevistas.

Ao todo foram mais de cinco mil textos publicados nos jornais e revistas por onde passou. Agora, em 2012, integrando a série “Clarice na cabeceira” a pesquisadora Aparecida Maria Nunes reúne numa coletânea textos essenciais da extensa correspondência que a escritora manteve com a imprensa, entre eles algumas inéditas, que visa fazer um panorama da sua participação no jornalismo brasileiro. É esta uma das novidades que se prepara para o próximo dia 10 de dezembro, data de aniversário da escritora.



A "Hora de Clarice" 2012

E é por esta data que vem a segunda edição de uma ideia posta na prática no ano passado com a realização de várias atividades Brasil afora: a Hora de Clarice. Ao modo do que já foi oficializado com o 31 de outubro, o Dia D, o Dia de Drummond, Hora de Clarice reúne uma série de atividades em torno da obra da escritora, como palestras, debates, oficinas, leituras de textos. Este ano, a programação ainda não foi oficialmente divulgada, mas já foi posto on-line no Facebook uma fan page (aqui) que dará contas de todos os preparativos e do que acontecerá pela ocasião.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

O romance perdido de Sylvia Plath

A ignorância, de Milan Kundera