7 animações a partir de clássicos da literatura

Kafka por Piotr Dumala

Falamos por aqui, e até estivemos dispondo por este dia, na fan page do Letras no Facebook, alguns clássicos que foram 'animados' para as telas: Shakespeare, Poe, Hemingway, Kafka, Bokowski, Ginsberg, entre outros. Abaixo, preparamos um recorte com novas descobertas on-line de animações feitas a partir de clássicos da literatura e acrescentamos aquilo que já havíamos disposto na fan page, para deleite. Há algumas animações que não conseguimos versões em português, seja legendado ou dublado, e aí temos de afiar o inglês para acompanhá-las. Mas, garantimos: são clássicas.

1. Crime e castigo, de Dostoiévski, por Piotr Dumala (aqui)

Nesta animação sombriamente poética, o cineasta polonês oferece-nos uma interpretação muito pessoal do clássico do romancista russo. "Meu filme é como um sonho", disse Dumala em 2007. "E como alguém que leu Crime e castigo e depois teve um sonho sobre isso." Na versão, predomina a noite, desenhada de forma expressionista, sem diálogo e com um fluxo de tempo alterado. O filme de 30min foi finalizado em 2000, após três anos de trabalho.

2. Romeu e Julieta, de Shakespeare, pela HBO (aqui)

Entre 1992 e 1994, a HBO exibiu um seriado chamado "Shakespeare animado", que conduziu 12 trabalhos do dramaturgo inglês, sob a roteirização de Leo Garfield, para a Tv. Além de Romeu e Julieta é possível encontrar on-line animações para Hamlet, Macbeth, entre outros. Indo aqui, encontrará um canal no Youtube com mais de 40 episódios com essas adaptações.

3. John Turturro lê (em inglês) Ítalo Calvino (aqui)

Em 1954, o editor italiano Einaudi decidiu publicar uma antologia de fábulas italianas que pudesse ser comparada às coletâneas francesas e alemã, já clássicas, de Perrault e dos Irmãos Grimm. Designado para a tarefa, Ítalo Calvino. O livro chegou a ser eleito pelo The New York Times como um dos dez melhores livros do ano e, agora, quase meio século depois, as histórias compiladas de Calvino continuam fazer sucesso; em 2007, John Tuturro começou a trabalhar em Fabie italiane, uma peça adaptada da coleção do escritor italiano. O vídeo é uma dessas fábulas com ilustrações de Kevin Ruelle. Há uma outra adaptação de Calvino para animação que pode ser vista aqui.

4. "I started early", de Emily Dickinson (aqui)

A poesia de Emily Dickinson tem, à medida da passagem do tempo, com bom vinho, proporcionado bons gostos aos olhos de leitores astutos. O filme "I started early - took my dog" é integrante de uma série editada pela PBS e pela Fundação Poesia. O poema é animado pela ilustradora Maria Vasilkovsky e com leitura da atriz Blair Brown.

5. The family that Dwelt Apart, de E B White, por Yvon Malette (aqui)

Pouco antes da sua morte, em 1985, E B White concordou narrar uma adaptação de The family that Dwelt Apart, um texto que escreveu para o The New Yorker. Era 1983, e o diretor canadense Yvon Malatte fez a adaptação que à na época ainda chegou a receber indicação ao Oscar de melhor animação.

6. The giving tree, de Shel Silverstein (aqui)

Em 1964, Shel Silverstein escreveu The giving tree, um livro infantil que até o presente já se somam mais de 30 traduções para idiomas diferentes, inclusive no Brasil pelo título A árvore generosa, editado pela Cosac & Naify e traduzido por Fernando Sabino. A história se utiliza de elementos da formação humana e foi transformada em filme em 1973, com voz do próprio Silverstein.

7. Um médico rural, de Franz Kafka, por Koji Yamamura (aqui)

Esta animação foi um das que publicamos por nossa linha do tempo na fan page nossa no Facebook. E repetimos nesta lista pela natureza do acabamento e porque também encontramos agora uma versão com legendas em espanhol, mais acessível aos leitores comuns. Realizada em 2007 por Koji Yamamura, a animação se baseia num conto de Kafka.

***

No canal do Letras no Youtube é possível ver duas animações sobre as quais já comentamos por aqui: O velho e o mar, de Hemingway, feita em 1999 por Aleksandr Petrov (aqui); e uma animação a partir de Alice, de Lewis Carroll, feita por Walt Disney e Salvador Dalí (aqui); e ainda outro curta de Piotr Dumala, Franz Kafka, de 1992, que aborda alguns anos da vida do escritor theco, tomando por base seus diários (aqui).




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói