Moacyr Scliar cronista





Em vida, Moacyr Scliar publicou pelo menos seis títulos reunindo crônicas, a maioria deles pela editora L&PM. Agora em 2013, chega às livrarias uma reunião de inéditos pela Companhia das Letras. São textos escritos para o jornal Zero Hora e que tratam em sua grande parte de leituras muito originais do próprio escritor por outras personalidades, sejam históricas, como Rosa Luxemburgo, Olga Benário e Noel Nutels, sejam pares escritores como Erico Verissimo, Monteiro Lobato, Jorge Amado, Stefan Zweig, entre outros.

Scliar começou a publicar no Zero Hora em 1974, quando foi convidado a cobrir as férias de Luis Fernando Verissimo que então cronista titular do diário. E seguiu publicando até janeiro de 2011 – o último texto seu data de doze dias antes de sua morte.

Os textos que agora são publicados cobrem a partir de 1977 até 2011; segundo Regina Zilberman, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, organizadora do volume e que trabalhava na recolha e escolha de textos desde o final de 2011, não foi possível localizar materiais anteriores a 1977. O recorte feito por ela privilegia as análises que Scliar fez sobre literatura e personalidades da escrita e que, de algum modo, têm sua importância histórica; nesse itinerário também há textos que denotam a própria relação do escritor com a leitura, por exemplo, sua constante aproximação com a Bíblica, livro do qual Scliar se via como assíduo estudioso e de onde recortou temas recorrentes em muitos de seus livros.

Ao todo são 82 textos que chegam enfeixados pelo título A poesia das coisas simples. Regina, que teve seu primeiro contato com Scliar em fins dos anos 1960, não deixou de lado ainda, neste rol, textos que dão contas da sua relação com a família. Desde que iniciou sua amizade com o escritor, a professora já organizou outras três edições sobre ele ou com textos seus: Os melhores contos de Moacyr Scliar, O viajante transcultural e Contos e crônicas para ler na escola. Além do título que sai agora, outra edição, também sob a curadoria de Regina Zilberman deverá chegar às livrarias até o fim do semestre: são textos publicados no caderno saúde também do jornal Zero Hora. Sabe-se que Scliar associou a escrita a sua paixão pela medicina.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói