A obra definitiva - Cesário Verde por Ricardo Daunt



Para os leitores de poesia portuguesa ou os amantes da poesia de Cesário Verde e para a produção literária esta é, sim, uma grande notícia. O trabalho extenso de Ricardo Daunt sai agora em livro e revela o poeta português por inteiro. Na certeza de que talvez não haja mais o que se descobrir em termos de materiais alguma coisa que seja capaz de por em xeque o que já se foi pesquisado sobre Cesário, o livro traz com subtítulo “Texto definitivo”; aí estão reunidos toda poesia verdiana, cartas – que não são tantas – e detalhes biográficos agrupados numa minuciosa tábua cronológica.

A primeira antologia de Cesário Verde que reúne a poesia escrita entre 1873 e 1886 foi organizada por Silva Pinto e publicada em 1887 num tiragem íntima, apenas para amigos do escritor; a edição pública só veio sair cinco anos depois. Os 22 poemas que se apresentam em O livro de Cesário Verde foram agrupados em duas seções, “Crise romanesca” e “Naturais” – divisão que obedeceu indicações do próprio autor e critério muito particulares do amigo antologista. Apesar do trabalho digno de nota de Silva Pinto, muitos poemas chegaram a ficar da então antologia.

Depois outras edições surgiram, mas sempre tomando como base a publicação de 1901. As edições que não adotam como procedimento de organização a de Silva Pinto guiam-se ou pela mescla de poemas que ficaram de fora da antologia ou pela compilação à parte, como apêndice. Esses processos de organização fez que até o número de poemas deixados Cesário sofresse com problemas de contagem.

Ricardo Daunt, entretanto, movido pelo faro de pesquisador, esteve atento a esses detalhes e buscou superar lacunas. No extenso tempo da pesquisa analisou centenas de documentos originais bem como a vasta bibliografia até chegar a uma edição que fixa a produção do poeta precursor do Modernismo de acordo com a semelhança formal e temática dos poemas acompanhados, todos, de notas elucidativas.

Um detalhe no trabalho de Daunt é considerar, por exemplo, o poema “Provicianas”, que as demais antologias sempre o incluíram com o mesmo destaque concedido aos poemas “conclusos”, é readmitido como inacabado. Daunt considera que além de toda e qualquer suposição, o trabalho não quer “forçar” uma ampliação do conjunto de poemas do poeta e, por esta razão prima considerar sensato não designar como poema todo e qualquer texto que próprio Cesário não autorizou que o fosse.   

O trabalho ora publicado é resultado da tese de doutorado de Ricardo Daunt, que depois disso já realizou dois pós-doutoramentos na área de Literatura Comparada: o primeiro sobre o Modernismo português e o segundo sobre as poéticas de Fernando Pessoa e T. S. Eliot. É autor de uma vasta obra, incluindo romances, novelas, contos e ensaios, dedicando-se ao estudo das poéticas da modernidade luso-brasileira.

Obra poética e integral de Cesário Verde (1855-56) – Texto definitivo percorre um para-além dos estudos desenvolvidos pelo seu autor no doutorado, porque reelabora um contexto histórico e permite rever a poesia de Cesário Verde à luz do seu tempo, seja pelo processo adotado na organização dos textos, seja nas notas esclarecedoras, seja ainda nas cartas aí compiladas.

Abaixo editamos alguns poemas e cartas do poeta presentes na edição de Daunt.


Ligações a este post:
Leia sobre Cesário Verde aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236