James Joyce e a música


Se James Joyce não tivesse se tornado um escritor, há uma boa chance de que ele ainda teria feito um nome para si mesmo por seguir uma carreira como intérprete vocal. Em 1904, o escritor chegou a dividir o palco com o grande cantor de ópera e John McCormack, e mais tarde na vida, depois que já havia se estabelecido como um autor, promoveu incansavelmente a carreira de cantor de seu amigo e tenor irlandês, John Sullivan.

A estreita relação entre James Joyce e música tem sido reconhecida por seus leitores, críticos e biógrafos. Joyce, como seu pai, era ao mesmo tempo que um excelente escritor, também um excelente cantor – dizem; com uma doce voz de tenor. E ainda um pianista com um domínio enciclopédico de música de todo tipo e gênero, rivalizando com seu vasto conhecimento da literatura mundial. Como escritor, ele, no entanto, incorporou a música em todas as suas obras de formas cada vez mais complexas, especialmente em Música de CâmaraDublinersA Portrait of the ArtistUlyssesFinnegans Wake.

Talvez esteja nessa constatação um grande espaço para investigação da obra do escritor irlandês; se compreender essa relação talvez se desmistifique o status de escritor difícil e o torne num, digamos, maravilhosamente divertido, se não, ao menos, o torne mais acessível de maneira imediata. E há já estudos nessa direção com o registro de Otto Luening, num livro de 1980, The Odyssey of an American Composer, publicado em Nova York, no qual ele faz alusão a estreita relação entre a literatura joyceana e a melodia da música.


Se pode haver essa brecha aos estudos sobre sua obra, o que não haverá é James Joyce deixado de inspirar outros músicos. De John Cage a Kate Bush e  de Lou Reed a banda irlandesa Therapy?. No caso do último grupo musical, a história começou em Trieste, ainda em 1915. Ottacaro Weiss está de papo com Joyce, quando ele pega seu violão e começa a dedilhar. Weiss encantado pelo instrumento e a destreza do amigo, aproveita a ocasião e faz a famosa foto que abre este post. E pelo visto a foto terá encantado a posteridade porque sem dúvidas fez mais sucesso que outras, como a que ele aparece junto a um piano na imagem acima. Pois bem, inspirados por essa imagem de Joyce ao violão a banda de rock Therapy? cantou o poder punk do escritor. Ou seja, o escritor permaneceu, mesmo setenta anos depois, quando o banda produziu Potato Junkie, o mesmo poder de encanto que despertou em Weiss.

Agora, quem pensa ainda que Joyce terá apenas influenciado umas tantas letras ou mesmo apenas os quatro artista que até aqui citamos, não sabe mesmo o limite das influências desse estar musical do escritor. Barry Moore assumiu o sobrenome da personagem Leopold Bloom, do Ulisses, para fazer seu nome artístico, Luka Bloom; Jefferson Airplane foi ao Ulysses para sua música “Rejoyce” (ouça aqui); Louis Stewart compôs uma suíte de jazz com base nesse mesmo romance, isso no Festival de Jazz de Cork, em 1982; a cantora alemã, diva da dance music, Amber inspirou-se no monólogo de Moly Bloom para compor a música “Yes” de seu álbum de 2002 (ouça aqui); Van Morrison quando escreveu “Too long in exile” (ouça aqui); Jimmy Buffett em “If it alls falls down”; The Pougues que se inspirou na fotografia de Bereneice Abbott de 1929 para criar as imagens do seu álbum “If I should fron grace with God”.  

E um dos trabalhos com música relacionado com a música em James Joyve é o álbum “James Joyce Chamber Music Project” que envolveu artistas como Mercury Ver, Peter Bucj, Lee Ranaldo e Jeff Tweedy. A ideia de Syd Barrett foi dividir os 36 versos de Música de câmara e entre os músicos com o pedido de adaptá-los para a música.  

Outra novidade é que o violão da imagem de 1915 que esteve em exposição permanente no Joyce Tower Museum em Dublim, desde 1966, mas num estágio impossível de tocar qualquer coisa, foi integralmente restaurado pelas mãos do inglês Iuthier Gary Southwell a pedido do curador do museu, Robert Nicholson e Fran O’Rourke, professor do University College de Dubin. O’Rourke é músico e irá executar as canções irlandesas de Joyce durante o Bloomsday de 2013. Isso ao lado do guitarrista Joh Feeley.  

E abaixo, ouça a composição de Joyce, que ele cantou em 1904 com John McCormack. Só chegou até nós a melodia; "Bid Adieu To Girlish Days" é aqui cantada pelo tenor Kevin McDermott.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Onze livros sobre escravidão e racismo na literatura estadunidense

Boletim Letras 360º #241

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter

Ivan Búnin