Boletim Letras 360º #18


Duas dos 14 desenhos de Salvador Dalí leiloados esta semana em Londres.

Semana de poucas novidades pelo universo da literatura ou não? Não acompanhamos direito? Bom, há semanas que são, de fato, agitadas. Aqui no Brasil a concentração é para os eventos literários que pipocam por todos os estados até o fim do ano, a começar pela Festa Literária Internacional de Paraty. Então, talvez esteja aí a justificativa para esse pequeno trânsito de novidades. Mudando de assunto, devemos lembrar aos leitores do blog, que já estamos preparados para a realização de mais um sorteio na nossa página no Facebook. Desde o dia 13 de junho que colocamos on-line chamada para “Ler as pessoas de Pessoa”. São duas edições da Companhia de Bolso do Fernando Pessoa e heterônimos a ser sorteadas. Por isso, quem ainda não se inscreveu, tem uma semana ainda para fazer. É que o sorteio será já na sexta-feira, 28 de junho. Vamos ao que foi notícia na nossa linha do tempo do Facebook, e depois voltamos a falar sobre essa promoção.

Segunda-feira, 17/06

>>> Brasil: O ano de Leminski

Pelo menos mais uma novidade além de todas as que já temos noticiado por aqui devem aparecer para o público leitor do poeta Paulo Leminski. Cerca de 30 mil documentos, entre originais – alguns inéditos – matérias, entrevistas, cartas, documentos pessoais, crônicas para jornais, vídeos, fotografias, peças publicitárias passam a ser disponibilizados em DVD nas escolas públicas, universidades e bibliotecas de todo o Brasil, a partir de agosto.

>>> Brasil: Reedição da obra do cronista Stanislaw Ponte Preta a partir do próximo semestre

Ao lado de Rubem Braga é o um dos maiores cronistas da literatura brasileira. Os 90 anos de nascimento inteirados no último dia 11 de janeiro passaram despercebidos para muitos. Em parte por esquecimento, em parte porque o brilho do centenário de Braga ter ofuscado a outra estrela. Mas agora os olhares deverão se voltar para sua obra. A Companhia das Letras adquiriu os direitos da obra de Stanislaw e deverá soltar as primeiras reedições a partir do semestre seguinte num volume com as melhores crônicas do escritor. Para o ano que vem, está prevista edição dos Febeapás (Festival de Besteira que Assola o País), além de um volume sobre futebol — Porto cobriu as Copas do Mundo de 1962, no Chile, e de 1966, na Inglaterra. No total estão previstos pelo menos dez títulos.

>>> Brasil: Gonçalo M. Tavares confirmado para o Festival Litercultura

O evento acontecerá em Curitiba em agosto, entre os dias 16 e 18, o Festival Litercultura. O evento pretende colocar Curitiba na rota dos grandes festivais literários do país. Em abril, a organização do festival trouxe à capital paranaense o escritor o sul-africano J. M. Coetzee. Além de Tavares que dará cursos e palestras, estão confirmados os nomes de Ana Maria Machado, o jornalista e escritor Silio Boccanera e o escritor argentino Alberto Manguel que fará a abertura do evento.

>>> Estados Unidos: Sai o primeiro trailer para Salinger – o filme

Dia desses comentamos por aqui acerca da preparação de um documentário sobre o escritor J. D. Salinger. Voltamos à matéria para dizer que já saiu o primeiro trailer do filme. Shane Salerno, o diretor da ideia, está em fase de término do filme, depois de injetar do próprio bolso cerca de 2 milhões de dólares para que o filme fique pronto. A ver pelas primeiras cenas do trailer será um grande filme. Com entrevistas de amigos do escritor, além de admiradores como Tom Wolfe, John Cusack, Edward Norton, Martin Sheen, e Danny Devito, entre outros. Também parece revelar algum tipo de intriga ou mistério por trás da famosa reclusão de Salinger. Aqui

>>> França: Morre o editor, crítico e escritor francês Maurice Nadeau

Ele contribuiu para a descoberta de escritores do porte de Samuel Beckett, Henry Miller, Witold Gombrowicz, Alexander Solzhenitsin e Michel Houellebeck; foi fundador, em 1966, da revista La Quinzaine Littéraire. Nadeau faleceu no domingo aos 102 anos, conforme anúncio do filho Gilles Nadeau. O editor ainda criou a editora Les Lettres Nouvelles, que publicou, entre outros, Roland Barthes, Raymond Queneau, Nathalie Sarraute... Deixou obras como a reconhecida História do Surrealismo (1948) e o livro de memórias, Uma Vida na Literatura (2002).


Terça-feira, 18/06

>>> Argentina: Uma estátua para Jorge Luis Borges

A Biblioteca Nacional argentina, instituição da qual Jorge Luis Borges foi diretor durante 17 anos, lembrou a passagem dos 17 anos sem a presença física do escritor feitos no último dia 14 de junho, na inauguração de um momento em sua homenagem. Trata-se de uma estátua esculpida pelo artista Antonio Oriana. A escultura feita com ferro, cimento, areia y canos plásticos tem 1,6 metros. Ficará com vistas para rua Austria, numa das áreas verdes que rodeiam a biblioteca.

>>> Portugal: A viagem do elefante, de José Saramago, para o teatro

Foi um dos seus últimos romances. A obra, agora, é relida pelo Grupo de Teatro Trigo Limpo ACERT. O grupo tem sua tradição no teatro de rua desde a origem, em 1976. O espetáculo realça caráter epopeico da obra, estimulando incisivamente uma reflexão assente nas determinantes sociais das relações inter-humanas, num jogo entre o local onde se realiza o espetáculo teatral e o mundo que é narrado.

>>> Portugal: Está on-line a 13ª edição de Blimunda, revista da Fundação José Saramago 

Neste mês a revista comemora o seu primeiro aniversário. Neste número, destaque para o humor com uma entrevista de Sara Figueiredo Costa a Ricardo Araújo Pereira, humorista, cronista, recentemente distinguido com o Grande Prêmio de Crônica, da Associação Portuguesa de Escritores. Também no mesmo dossiê um retrato do coletivo Mongolia, responsável por uma edição regular de um jornal de humor em que as notícias ditas sérias não deixam de ter o seu espaço. Na seção infantil e juvenil, uma viagem de Andreia Brites pelo trabalho que Miguel Horta, mediador de leitura, escritor, pintor, contador de histórias, realiza nas prisões portuguesas desde há vários anos, com uma paragem obrigatória no Estabelecimento Prisional de Guimarães, palco das Novas Memórias do Cárcere. Ainda nesta seção, destaque para o livro Irmão Lobo", de Carla Maia de Almeida, para a coleção Pássaro Livre (Livros Horizonte) e para uma seleção de novidades que viram a luz do dia na última edição da Feira do Livro de Lisboa. A fechar o número, a voz a José Saramago e de Eduardo Lourenço em dois textos sobre este nome que a revista da Fundação José Saramago escolheu como seu. Para baixar aqui.

>>> Brasil: Revisitar Haroldo de Campos

Nos dez anos da morte de Haroldo de Campos, a Editora Perspectiva reedita dois livros que revelam nuances da teoria textual e tradutória do poeta: A ReOperação do texto, uma edição ampliada da coletânea A operação do texto, de 1976, e Transcrição, antologia de escritos esparsos sobre poética da tradução organizada por Marcelo Tápia e Thelma Médici Nóbrega. Outro título que chega às livrarias é A educação dos cinco sentidos, pela Editora Iluminuras – obra que foi uma das primeiras tentativas de experimentar o conceito de pós-vanguarda. A nova edição vem com textos de Arnaldo Antunes e João Ubaldo Ribeiro. Acompanha ainda um CD com uma gravação perdida do poeta traduzindo poemas de Christopher Middleton e Goethe.


Quarta-feira, 19/06

>>> Brasil: O primeiro romance do Prêmio Nobel Mo Yan já nas livrarias

Conforme anunciamos por aqui dia desses, vem pela Cosac Naify com tradução de Amilton Reis. Mudança tem como tema as memórias do escritor desde sua época de escola. Alternando ahistória de dois colegas desse período, Yan conta, com senso de humor, e não autopiedade, sua luta para se livrar da pobreza e seguir uma carreira. Sem ser panfletário, o escritor também constrói a imagem de uma China sob um regime a sufocar os indivíduos.

>>> Londres: 14 pinturas de Salvador Dalí foram arrematadas por R$ 2,4 milhões (foto)

A série de trabalhos do gênio do Surrealismo foi o centro de todas as atenções na casa de leilões Bonhams, que concentrou as joias impressionistas e modernas, incluindo obras de Auguste Rodin, Pablo Picasso e Henri Matisse, entre outros. Definidas como "sinistras e eróticas" pela casa de leilões, as aquarelas de Dalí, feitas por encomenda em 1969, foram oferecidas pela primeira vez ao público. Elas mostram diferentes frutas humanizadas pelas mãos do pintor, que lhes imprime movimento humano e joga com suas formas para insinuar a presença de órgãos sexuais.

>>> Argentina: Acervo de Eloy Martínez disponível para consulta

O lugar escolhido para hospedar o acervo de Tomás Eloy Martínez, criado por um dos sete filhos do escritor é um típico casarão antigo de Buenos Aires. O escritor argentino morreu em 2010 e o arquivo pessoal de Eloy Martínez reúne uma herança de valor incalculável, que sua família, seguindo à risca a vontade do escritor, colocou à disposição de estudantes de jornalismo, professores de literatura, acadêmicos em geral e todos que estiverem interessados na obra desse grande nome da literatura latino-americana. A lista de documentos é riquíssima e abrangente: manuscritos (digitais e em papel) de novelas e contos inéditos e de seus maiores sucessos, entre eles Santa Evita e O romance de Perón, entre outras maravilhas. Tudo foi cuidadosamente guardado pelo escritor ao longo de décadas (nos diferentes países em que viveu, como Venezuela e Estados Unidos) e organizado, durante mais de um ano, por uma equipe comandada pela comunicadora social Ana Prieto.

>>> Estados Unidos: A moda de O grande Gatsby

Comentamos antes do lançamento do filme em terras brasileiras da grife que desenhou uma coleção de moda anos 1920 para os homens, pois tem gente, também mulheres, que tem ajudado a despertar uma onda de nostalgia da Era do Jazz. De 15 a 18 de junho, por exemplo, a cidade de Governor’s Island, no estado de Nova York, foi invadida por muitas melindrosas durante a The Jazz Age Lawn Festival. Grupos de dança, shows de jazz e muita gente vestida como se estivesse indo a uma festa de Jay Gatsby fizeram parte do evento. Uma verdadeira viagem no tempo com direito à trilha sonora de época. E uma ótima ideia para a sua próxima festa à fantasia.


Quinta-feira, 20/06

>>> Brasil: Maupassant e o Brasil

O grande escritor francês Guy de Maupassant, morto em 1893, nunca esteve no Brasil e o país não parece ter suscitado nele qualquer interesse especial: não há menção ao Brasil em suas obras ou em sua abundante correspondência e nosso país estaria totalmente ausente de suas preocupações, não fosse pela carta reproduzida nesta página, que evoca uma fugaz interação, senão com o Brasil, ao menos com alguns de seus filhos ilustres. Dirigida conjuntamente a Paulo da Silva Prado, Domício da Gama e Olavo Bilac, a carta foi escrita em Paris em 20 de novembro de 1890 e refere-se ao monumento em homenagem ao grande romancista francês Gustave Flaubert, erguido por iniciativa de Maupassant. A contratação da estátua só fora possível graças a uma subscrição entre admiradores de Flaubert, que contribuíram com dinheiro para sua ereção. Os intelectuais brasileiros haviam participado do esforço. A carta é escrita num papel do “Comitê do monumento a Gustave Flaubert” que Maupassant secretariava por ter sido grande amigo e filho espiritual do romancista, trinta anos mais velho, e que havia morrido em 1880. A carta diz: “Senhores, peço -lhes, em nome do comitê que cuidou da execução do monumento erigido em homenagem a Gustave Flaubert, que assistam, no próximo domingo, 21 de novembro, à inauguração da obra do escultor Chapu, que ocorrerá em Rouen às duas horas em ponto, na praça Solferino. À uma e meia haverá uma reunião prévia na sala da biblioteca”.  Maupassant assina como secretário do comitê. Não se sabe qual dos três intelectuais brasileiros conservou essa carta em seu arquivo. É provável que tenha sido Domício da Gama, diplomata, pois a correspondência de Olavo Bilac foi muito dispersada e a de Paulo da Silva Prado foi conservada na sua totalidade sob a guarda de José Mindlin. A carta fez parte de uma destacada coleção do Rio de Janeiro, formada nos anos 1950, e foi adquirida há vinte anos por seu atual detentor. É um raro testemunho das ralas relações “culturais” entre a França e o Brasil no século XIX. (Pedro Corrêa do Lago)

>>> Brasil: Reedição Fahrenheit 451, de Ray Bradbury 

A obra completa 60 anos em 2013. O livro descreve um governo totalitário, num futuro incerto, mas próximo, que proíbe qualquer livro ou tipo de leitura, prevendo que o povo possa ficar instruídoe se rebelar contra o 'status quo'. O título ganhou nova edição pela Biblioteca Azul – Globo Livros recentemente. A singularidade da obra de Bradbury, se comparada a outras distopias, como "Admirável Mundo Novo", de Aldous Huxley (também, publicado pela Globo Livros), ou 1984, de George Orwell, mostra uma forma muito mais sutil de totalitarismo. Graças a esta percepção, Fahrenheit 451 continua uma narrativa atual, alvo de estudos e reflexões constantes.

>>> Estados Unidos: Livro em homenagem a David Foster Wallace

Infinite Justice, de David Foster Wallace foi designado pelos mais importantes tabloides da crítica literária como o grande romance estadunidense. O livro está em tradução pela Companhia das Letras como já noticiamos por aqui. Hoje, vamos lembrar de outro título que apareceu recentemente nos Estados Unidos e que vem limpar a consciência de quem terá afirmado que a viúva foi figura desimportante na vida escritor, justo pelo seu, digamos, anonimato. Wallace suicidou-se em 12 de setembro de 2008 e agora, Karen Green, que foi a primeira a encontrá-lo quando da morte e que conviveu com ele os últimos dolorosos anos entre tratamentos e internações conta numa coletânea de poemas em prosa e colagens o luto vivido e de quando passou a ter sua vida exposta devido a morte do marido. Boug Down recebeu importantes críticas do lado da imprensa estadunidense, sobretudo porque traz a público, destituído de qualquer interesse senão de falar sobre a dor da perda e a forma como Karen Green arranjou espaço dentro do luto para declarar o seu amor e a sua luxúria, por David Foster Wallace.


Sexta-feira, 21/06

>>> Brasil: As relações perigosas, de Georges Laclos em reedição 

Considerada uma das obras mais controversas, discutidas e representativas da França pré-revolução, As relações perigosas ganha nova edição pela Biblioteca Azul – Globo Livros. A obra mantém a tradução de Carlos Drummond de Andrade, que apresentou a história de Laclos ao público brasileiro em 1947, e o posfácio também assinado pelo poeta, com textos revisados.

>>> Portugal: O diário da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia, entre 1497 e 1499, foi aceite pela UNESCO 

Passa a integrar agora a lista dos Registros da Memória do Mundo desta instituição. O reconhecimento resultou de uma análise, juntamente com mais de 80 outras inscrições,submetida ao Comitê Internacional do Programa Memória do Mundo. Entre as 54 candidaturas agora reconhecidas pelo comitê constam ainda os escritos de juventude de Che Guevara e os arquivos do arquiteto Oscar Niemeyer.

>>> Portugal: Site coleta as citações mais corriqueiras de Fernando Pessoa nas redes sociais

Um site lançado no 125º aniversário de nascimento de Fernando Pessoa, no último dia 13, pretende descobrir quais são os versos do poeta português mais citados nas redes sociais. O site dá não apenas as referências aos textos assinados com o nome, mas também com os vários pseudônimos que Pessoa usou durante sua carreira - que, curiosamente, são os mais lembrados na internet. Aqui.

>>> Brasil: Até o fim do ano chega o primeiro volume de O idiota da família, de Jean-Paul Sartre

A última obra que Jean-Paul Sartre produziu foi o grande ensaio O idiota da família, uma incrível biografia do escritor Gustave Flaubert, dividida em três generosos volumes. Como anunciamos por aqui, O idiota da família será publicado pela primeira vez em português pela L&PM Editores. A novidade é que o primeiro volume sai ainda este ano.

>>> Bem, para participar da promoção LER AS PESSOAS DE PESSOA é bastante simples; basta ir nesse link, ler o regulamento e se inscrever. Boa sorte a todos! E excelente fim de semana!


..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236