Boletim Letras 360º #19


Câmeras com chapeuzinho na Holanda. Não, não se trata de nenhuma manifestação; é somente a ideia de grupo para lembrar os 110 anos de George Orwell, o escritor que previu o modelo de sociedade vigiada que temos hoje.

Ontem realizamos na nossa página no Facebook mais um sorteio. Por ocasião do 125º aniversário do poeta Fernando Pessoa. Depois desses dois exemplares chegamos à marca de catorze livros entregues, só neste ano. Já colocamos em circulação títulos de Pedro Fernandes, Vernaide Wanderley, Fred Spada, Jane Austen, Paulo Leminski, Marcos Bagno, F. Scott Fitzgerald, Inês Pedrosa, Mia Couto, Carlos Drummond de Andrade, entre outros. No próximo mês, aguardem, que teremos mais novidades. Antes que as novidades cheguem, vamos conferir o que se passou nesta semana no Facebook nosso:


Segunda-feira, 24/06

>>> Brasil: A morte do pai, de Karl Ove Knausgård nas livrarias

O autor vem para a mesa “Ficção e confissão”, na Festa Literária Internacional de Paraty que será na primeira semana do próximo mês. E o livro chegou antes. A morte do pai são as primeiras 512 páginas das 3 500 e é o primeiro dos seis volumes de uma saga autobiográfica intitulada Minha Luta. O romance tem recebido críticas positivas por onde tem passado e comparações do nível a Marcel Proust e seu Em busca do tempo perdido. O escritor já vendeu mais de 500 mil exemplares só no seu país natal – a Noruega. A obra lhe rendeu desafetos entre a família e com os leitores. Enfim, os que lerem a obra entenderão os motivos.

>>> Brasil: Ithaca Road, de Paulo Scott

É o novo romance do escritor brasileiro depois do elogiado Habitante irreal. O título integra o projeto Amores expressos que levou, entre 2007 e 2008, 17 escritores para 17 capitais ao redor do mundo para lá passar uma temporada e na volta escrever um romance. Desde então, já deu origem a títulos como Cordilheira, de Daniel Galera, ambientado na Argentina, O filho da mãe, de Bernardo Carvalho, passado em São Petersburgo, O livro de praga, de Sérgio Santana, passado em Praga, Do fundo do poço se vê a lua, de Joca Terron, situado no Cairo, todos publicados pela Companhia das Letras. Como desaparecer completamente, de André Leones também pertenceu ao projeto, mas foi rejeitado pela editora. A Editora Record aproveitou e publicou o material. Em Ithaca Road, o contexto é a crise econômica de 2008. O romance se passa em Sidney e por personagem principal Narelle, que ao retornar à Austrália para se encarregar do restaurante pelo que, ela imagina, será uma brevíssima temporada, descobre que seu irmão parece ter sumido deixando-a em seu lugar como responsável pela massa falida do estabelecimento. Uma falência que, por suspeita de fraude, será alvo da investigação minuciosa de um desagradável e autoritário funcionário do governo, o que a impede de sair do país. A Ítaca de Narelle se torna uma ilha em que os caminhos são desconhecidos não para a chegada e sim para a partida. Até o fim de 2013 deve sair Digam a Satã que o recado foi entendido, escrito por Daniel Pellizari, de sua estadia em Dublin.

>>> Brasil: Murilo Mendes na Itália

Entre os anos de 2001 e 2009, Maria Betânia Amoroso esteve em Roma para uma pesquisa que sai agora em livro sobre as impressões deixadas pelo poeta brasileiro Murilo Mendes entre os italianos no período em que morou naquela cidade, entre 1957 e 1975. Murilo Mendes - o poeta brasileiro de Roma (EDUNESP) se debruça sobre os vestígios deixados por Mendes em arquivos e bibliotecas, centrando seu estudo na figura do poeta e na leitura que críticos, jornalistas e leitores fizeram de sua obra a fim de pensar ainda o modo como o Brasil era "imaginado" naquele país.


Terça-feira, 25/06

>>> Canadá: Alice Munro deixará de escrever

Ainda é um 'provavelmente' dado numa entrevista recente. A aposentadoria da escritora que tem 81 anos anos e é uma das mais respeitadas contistas da atualidade foi justificada com o tom melancólico de quem não mais suporta a solidão. Recentemente ela recebeu Trillium Book Award por seu livro Dear Life, ainda inédito no Brasil. E o anúncio foi feito para o jornal National Post depois de ter ganhado o prêmio. No Brasil, Alice Munro tem quatro livros publicados: Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento, de 2004, pela Editora Globo, A Fugitiva (2006), Felicidade Demais (2010) e O Amor de uma Boa Mulher (2013), pela Companhia das Letras.

>>> Estados Unidos: Inédito de Hemingway

Há 90 anos a revista Vanity Fair se recusou publicar um conto de E. Hemingway. Tanto tempo depois, o periódico voltou atrás e quis por esses dias publicar o texto. No entanto, os responsáveis pelo acervo do escritor recusaram a proposta e "My Life in the Bull Ring with Donald Ogden Stewart" deverá sair em As Cartas de Ernest Hemingway: Volume 2, 1923-1925 a ser publicado no segundo semestre deste ano nos Estados Unidos. Esta semana no blog falamos sobre essa novidade.

>>> Portugal: Eduardo Lourenço: um tempo e as suas cinzas

2013 assinala a passagem dos 90 anos de Eduardo Lourenço, um dos mais importantes pensadores em língua portuguesa. Por ocasião da data, a Biblioteca Nacional de Portugal realiza até o dia 13 de julho a mostra "Eduardo Lourenço: um tempo e as cinzas". A abertura da exposição se deu no último dia 5 de junho com conferências de Gonçalo M. Tavares e Mário Soares. Em cena estão materiais do acervo do autor e também da Coleção de João Nuno Alçada, designadamente bibliografia de e sobre Eduardo Lourenço, manuscritos, fotografias, cartazes, recortes de jornal, entre outros. A mostra apresenta desde boletins de matrícula e cadernetas escolares de Eduardo Lourenço até aos manuscritos das suas principais obras, alguns corrigidos a lápis pela mulher Annie Salomon, às obras impressas, respectivas traduções, correspondências com as editoras, entre outros materiais.

>>> Estados Unidos: Exposição revela inéditos de E. E. Cummings

Aberta até o dia 30 de agosto a mostra "Estlin Cummings Wild West Show" apresenta uma seleção de escritos e desenhos de infância de E. E. Cummings, apresentando primeiros experimentos do jovem poeta com palavras e ilustrações.  A exposição inclui pinturas, borrões de tinta, aquarelas e esboços em caneta e lápis de cowboys e índios, barcos, os índios do oeste estadunidense, expedições de caça, locomotivas, jardins zoológicos, circos, elefantes e plantas da casa.  A mostra é produto de uma revisão na catalogação dos papéis da família Cummings-Clarke. Aqui, no blog fizemos um post com dois dos desenhos patentes na exposição e editamos um catálogo com uma amostra de 22 trabalhos do pintor.

>>> Brasil: Pilar del Río fará a abertura da IX Festa Literária Internacional de Pernambuco 

Pilar del Río passará os 91 anos de José Saramago em Pernambuco. A Fliporto será realizada entre 14 e 17 de novembro e o escritor português faria 91 anos no dia 16. O convite foi aceito pela presidenta da Fundação José Saramago que falará sobre a convivência com o escritor e a sua obra.


Quarta-feira, 26/06

>>> França: Livros da biblioteca de Cortázar em Paris on-line

Julio Cortázar disse de O Jogo da amarelinha: "De alguma maneira é a experiência de toda uma vida e uma tentativa de levá-la a escritura". No mês em que assinala a passagem de 50 anos desde que o escritor converteu em palavras a história que começou a sonhar em 1958 e a partir de então mudou uma parte da história da literatura e agitou a vida de milhares de jovens em todo seu país. A Alfaguara publica uma nova edição acompanhada de um mapa da Paris do romance e um apêndice onde Cortázar conta a história do livro que buscou ir além de todas as fronteiras. Os textos que escreveu e os exemplares que foi comprando durante sua estadia em Paris se encontram na Fundação Juan March. A biblioteca foi doada por sua viúva, Aurora Bernárdez, em 1993, com 3894 títulos (entre livros, revistas e recortes de imprensa), que a citada fundação depois juntou a outros mais 1000 títulos. Foram livros que em muitas ocasiões o escritor comprou em livrarias que se encontram às margens do Rio Sena. O Instituto Cervantes e o jornal El País colocaram on-line uma mostra com esses livros, aqui.

>>> França: Paris continua homenagens a Julio Cortázar

Apresenta-se na capital francesa Cortázar-Paris-Ruyela um dicionário sobre O jogo da amarelinha que inteira seu primeiro cinquentenário neste ano. Também é aberta até o dia 12 de julho uma exposição sobre Cortázar e sua obra. A mostra recolhe imagens, objetos, obras e depoimentos de amigos do escritor em Paris.  O objetivo da exposição é contar a relação do escritor com a cidade francesa, onde morou entre 1951 e 1984, o ano de sua morte e uma das duas cidades em que transcorre O jogo da amarelinha – a outra é Buenos Aires.  O Instituto Cervantes em Paris aproveitou a ocasião e lançou na web, dentro de seu projeto "Rotas Cervantes", a Rota Temática dedicada a "O jogo da amarelinha". A rota realizada por José María Conget permite conhecer melhor alguns cenários da novela. A rota consta de 27 lugares e pode ser vista aqui.

>>> Brasil: Hilda Hilst e o seu pendulear, de Maria Nilze de A. Reguera

A obra de Hilda Hilst tem ganhado cada vez mais espaço entre os estudiosos da literatura. Agora, Nilze Maria de Azeredo Reguera tenta decifrar criticamente uma das obras mais densas e radicais da escritora paulista: os cinco textos em prosa reunidos no livro Fluxo-floema, publicado pela primeira vez em 1970.  A autora parte do princípio de que o livro delineia um movimento de oscilação da artista, que tanto colocaria em cena quanto a problematizaria a tradição modernista de que ela foi herdeira, por meio de um questionamento implacável das utopias e do lugar que supostamente caberia ao artista ocupar no final do século 20, em um contexto de opressão. A leitura de cada um dos cinco textos de Fluxo-floema é feita a partir da observação atenta dos procedimentos técnicos empregados por Hilst, sobretudo o de alegorização, em uma abordagem que vai paulatinamente desmontando e reorganizando os textos, nos quais a linguagem é levada ao paroxismo da expressão inclusive a fim de celebrar ritualmente a multiplicidade espiritual e sensorial do ser humano. A pesquisadora também procura situar os cinco textos dentro do conjunto da produção hilstiana, já que Fluxo-floema é um livro que dialogaria com várias outras obras da escritora. Dessa forma, Reguera obtém significados inusitados e atuais tanto do livro em questão quanto de outros trabalhos de Hilst. A boa é que o livro pode ser baixado on-line gratuitamente no site da editora, a EDUNESP; aqui.

>>> Brasil: Mais três DVDs na coleção do Instituto Moreira Salles

São três filmes a partir da obra de Graciliano Ramos que serão lançados durante a FLIP 2013: Vidas Secas e Memórias do Cárcere, de Nelson Pereira dos Santos, um dos convidados do evento, e São Bernardo, de Leon Hirszman. Cada um deles virá com um livreto com textos e análises dos filmes e dos romances em que foram baseados – todos de Graciliano Ramos.

>>> Brasil: Chega ao país livro inédito de John Fante

Fante morreu em 1983, aos 74 anos. Foi roteirista de sucesso em Hollywood e autor de obras magníficas, como Espere a primavera, Bandini, Rumo a Los Angeles, Sonhos de Bunker Hill e um clássico da literatura estadunidense, Pergunte ao Pó, considerado um precursor do movimento beatnik. Agora, é publicado no Brasil o inédito A Irmandade da Uva; escrito em 1977, após um hiato de 25 anos. O escritor havia sido diagnosticado com diabetes, doença que o levaria a cegueira em 1978. No romance, Fante faz um recorte de um mês na vida do escritor Henry Molise, que recebe a notícia de que depois de 51 anos de casados, seus pais vão se divorciar. A Henry cabe a missão de contornar a crise e dialogar com seu pai, Nick Molise, de 75 anos, alcoólatra, jogador compulsivo, péssimo marido e um sujeito de mal com a vida. Henry acaba se vendo diante do desafio de atender à convocação de Nick para realizar seu último desejo: provar que ainda é o pedreiro da região e a apoiá-lo, juntamente com uma turma de veteranos unida pelo hábito de jogar cartas e beber um vinho famoso na cidade, o Ângelo Musso. A experiência do retorno e da viagem com o pai aproxima o narrador dos fantasmas do passado e, nessa convivência intensa, os dois finalmente começam a se entender.


Quinta-feira, 27/06

>>> Brasil: Michel Houellebecq cancela vinda à FLIP

Deve agora acompanhar o apelido de "furão". É a segunda vez que Houellebecq diz vir e não vem. De novo o escritor alegou problemas pessoais que o impediriam de viajar para o Brasil e pediu desculpas ao público. De acordo com a organização do evento, Houellebecq confirmou em setembro de 2012 sua vinda ao festival e, de lá para cá, manteve contato regular com a FLIP e com a Record, sua editora no Brasil. O autor francês foi um dos primeiros nomes internacionais anunciados para o evento deste ano. Houellebecq falaria na Tenda dos Autores no sábado, dia 6 de julho, às 19h30, mesa que foi cancelada. A organização colocará outras mesas em substituição a do escritor.

>>> Brasil: A primeira beatnik

Chega ao Brasil, a tradução de Memórias de uma Beatnik, de Diane de Prima. Ela entrou para o seleto clube masculino de Allen Ginsberg e Jack Kerouac no fim dos anos 1950. O livro reúne uma coleção de relatos encharcados de sexo e drogas e foi escrito em 1969 sob encomenda do editor Maurice Girodas. O livro é uma das primeiras manifestações mais importantes do novo feminismo não puritano.

>>> Portugal: “Almada por contar”

É o nome de uma exposição que a Biblioteca Nacional de Portugal abre em homenagem aos 120 anos do nascimento de Almada Negreiros. Em mostra um espólio heterogêneo, disperso e largamente desconhecido, atualmente alvo de recolha, inventariação e digitalização no âmbito do projeto Modernismo On-line. Mostram-se peças provenientes de três coleções de referência (parceiras do projeto): a dos herdeiros de Almada Negreiros, a da Biblioteca Nacional de Portugal e a do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian. A exposição pretende, mais do que traçar uma visão diacrônica do percurso artístico de Almada, revelar a Unidade de uma criação múltipla (ainda desconhecida). A exposição é orientada pela apresentação de momentos marcantes da vida e da obra de Almada: a sua produção inicial como caricaturista; a sua ação de vanguarda no contexto de Orpheu e de Portugal Futurista; a sua incursão no universo da dança; a sua passagem por Paris (1919-1920) e o nascimento de uma Ingenuidade poética (mas também gráfica); a redação de Nome de Guerra; a sua colaboração na Contemporânea e n’O Sempre Fixe; a sua estada em Madrid (1927-1932); a gênese da peça Deseja-se Mulher e da revista Sudoeste; as suas intervenções plásticas na arquitetura lisboeta; a encenação de Auto da Alma; e finalmente a execução do painel Começar, para a Fundação Calouste Gulbenkian.

>>> Brasil: Raymond Chandler chega às livrarias brasileiras a partir do próximo semestre

O estadunidense Raymond Chandler terá alguns de seus principais romances publicados pela Alfaguara a partir de outubro de 2014; os primeiros título a serem editados são The Lady in the Lake (1943) e The Long Goodby (1953); depois seguem-se The Big Sleep (1939), Farewell, My Lovely (1940), The High Window (1942) e The Little Sister (1949). Este último é uma coletânea de 13 contos – usados pelo autor em seus romances – e três ensaios sobre literatura policial, gênero que tem Chandler e o amigo Ian Fleming, que em breve também estará no catálogo da Alfaguara, como alguns de seus principais representantes. Por falar no criador de James Bond, sai em outubro, pelo mesmo selo, mais uma aventura do agente 007. Solo foi encomendado pela Fundação Ian Fleming para William Boyd. Até lá, há títulos dele na L&PM Editores também.

>>> Brasil: Edições sobre o cangaço

O Sebo Vermelho lança três novos títulos para a coleção José Nicodemos. Todos sobre o cangaço: Quem é quem no cangaço, de Paulo Medeiros Gastão, Lampeão – sua história, primeira biografia sobre o cangaceiro escrita em 1926 pelo paraibano Érico de Almeida, e, o destaque, a edição de O Cabeleira, de Franklin Távora. Editado pela primeira vez em 1876, a edição pelo Sebo Vermelho vem em versão fac-símile.  Contemporâneo de Visconde de Taunay, José de Alencar, Machado de Assis e Joaquim Manoel de Macedo, o cearense Franklin Távora (1842-1888) foi um dos pioneiros do chamado romance regionalista com O cabeleira. O livro, o primeiro registro da literatura brasileira a ter um cangaceiro como personagem central, narra as aventuras e desventuras do cangaceiro José Gomes na cidade do Recife do século XVIII.

>>> Portugal: A continuidade de Os Mais, de Eça de Queiroz

O romance vai ser continuado por seis escritores portugueses, numa narrativa que irá de 1888, seu ano de publicação às vésperas do 25 abril de 1973, quando foi fundado o semanário Expresso, autor da ideia que visa celebrar os 40 anos de existência. Foram convidados os escritores José Luís Peixoto, José Eduardo Agualusa, Mário Zambujal, José Rentes de Carvalho, Gonçalo M. Tavares e Clara Ferreira Alves. O primeiro folhetim de "Os novos Maias" terá publicação a partir de 03 de agosto. A cada autor foi destinado um período de tempo histórico e cada capítulo tem como pivô a personagem Carlos da Maia.

>>> Holanda: Artistas põem chapeuzinhos em câmeras de segurança para lembrar George Orwell (foto)

Um duo de artistas holandeses, conhecidos como Front404, fez intervenções nas ruas da cidade de Utrecht, na Holanda, para lembrar os 110 anos de nascimento do escritor inglês George Orwell comemorado no último dia 25 de junho. Orwell é autor, entre outros, de obras como 1984 e A revolução dos bichos.  A intervenção faz menção ao primeiro romance. Na obra, Orwell criou um futuro distópico em que tudo era controlado pela figura do Big Brother, o Grande Irmão.


..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói