Pedalando com Molière, de Philippe Le Guay



Um filme-ensaio. Não no sentido direto de ensaiar sobre alguma coisa, mas pela presença daquilo que antecede a preparação de um ator. Essa poderia ser uma das razões para resumir o filme de Philippe Le Guay. Mas não é suficiente, nem convincente. Há mais a se pensar sobre sua narrativa, necessariamente tomada de jogos intertextuais diretos com a obra de Molière. Também não é suficiente essa interpenetração de discursos – o do cinema invadido pelo de seu gênero precursor, o teatro. Há o próprio fantasma do dramaturgo, ator e encenador, considerado um dos mestres da comédia satírica. Molière usou a sua obra para criticar os costumes da época; é considerado o fundador indireto do gênero na França, depois de ir na direção contrária das produções da seu tempo sempre pautadas ainda na imitação das obras gregas.

Essa simples observação biográfica sobre a peça-chave do título, Pedalando com Molière – um tanto distante do título francês, Alceste à bicyclette, talvez porque o público brasileiro de fato não tenha conhecimento assim tão amplo da personagem Alceste d’O misantropo e o nome de seu autor seja mais popular por aqui – é suficiente para uma leitura sobre o filme. Suficiente, mas ainda não uma das razões para resumir o filme. Em cena, está Serge Tanneur que, sem motivos aparentes (estes vão sendo revelados ao longo da narrativa) abandona a prestigiosa carreira de ator que vinha construindo, até reencontrar anos mais tarde o amigo Gauthier Valence, um ator de seriados para televisão, reconhecidamente bajulado pelo público, e que vem lhe propor a atuação numa adaptação da peça de Molière para o teatro. Entre a recusa ou não do convite, daí então o filme vai se construindo como uma queda de braço entre os dois. No centro da disputa quem interpretará a figura de Alceste.

A primeira vez que O misantropo foi encenado foi em 1666. E a peça não teve o sucesso devido. Nem é um dos trabalhos de Molière mais reconhecidos que nesse rol inclui títulos como Tartufo e Don Juan, por exemplo. No texto clássico, uma personagem que se recusa a integrar-se ao mundo por defender sua retidão e integridade e considerar fora isso tudo uma hipocrisia. É este Alceste que, além de tudo nutre uma paixão por Celimene, a personagem que põe em xeque suas fortes características. Todo esse trajeto está impresso na personalidade e no drama de Serge.

A personagem vivida por Fabrice Luchini é única na carreira do ator. E diga-se é o grande centro da trama – não apenas pela forma como encarna as falas de Molière nos vários ensaios que trava com o amigo, mas pelo desempenho de seu próprio papel no filme. E apesar da trama do texto clássico servir para iluminar a função dos dois atores e dos dramas vividos por eles, por essa relação que apontamos acima, não é necessário conhecer a obra do dramaturgo francês para ter uma relação de empatia com o filme. Isso porque prevalece o que dissemos: a grande atuação que os atores têm em cena e a representação da própria relação de amizade entre os dois, que por fim, é esta a grande sacada do filme: investir no cenário emocional dessa relação posta entre altos e baixos. Como terá ressaltado o próprio diretor Philipppe Le Guay, a amizade é algo que tem vida e na maioria das vezes pode ser perturbadora, pode ser destruidora, e é de fato entre esses dois lugares que as personagens oscilam.

A expressividade de Fabrice com a personagem ganha ainda mais realismo quando ficamos sabendo que o ator de fato tem sua paixão pelo texto de Molière e o estudou por cerca de 30 anos; já sabia de cor o texto, antes mesmo do filme. E como Serge, sempre teve interesse em atuar num trabalho que tivesse cujo centro fosse a obra de Molière. Numa entrevista para a revista Veja Le Guay comenta da aproximação que teve com Luchini, da estadia com o ator na sua casa na Île de Ré, cenário do filme, e das cenas que vivenciou andando de bicicleta a recitar as falas de O misantropo tal qual acontece no filme.

É, por fim, uma aula de interpretação. Um deleite poder ouvir o texto falado na própria língua de Molière com ressalva sobre tons, entoação e postura de voz. Razões suficientes para que este seja um dos filmes a integrarem o rol de qualquer filmografia francesa contemporânea.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236