Um áudio raro: T. S. Eliot lê "Quatro Quartetos"




Aí estão as vantagens da web: não há nada que a gente procure que não ache. O vídeo a seguir é com uma gravação completa de T. S. Eliot lendo uma de suas obras-primas de seus últimos anos, o ciclo de poemas chamado Quatro Quartetos. No caso desses poemas, o próprio poeta considerou como sendo sua maior obra, ainda em 1959, numa entrevista a Donald Hall para a Paris Review – “O segundo é melhor do que a primeiro, o terceiro é melhor do que o segundo e o quarto é o melhor de todas. De qualquer forma, esse é um trabalho do qual eu me orgulho”, disse.



A crítica considera como sendo o mais místico e mais religioso dos poemas de Eliot. Cada um deles é uma meditação sobre o tempo no qual se misturam imagens cristãs e hindus com eventos pessoais e históricos.

Como em The Waste Land, Eliot utiliza os quatro elementos clássicos como dispositivo estrutural dos Quatro Quartetos. O primeiro poema, “Burnt Norton”, está associado com o elemento ar. É dedicado para uma mansão inglesa que Eliot visitou por volta de 1930. O poema foi publicado pela primeira vez em 1936. “East Coker” está associado com a terra e leva o nome da vila de Somerset, na Inglaterra, de onde um antepassado do poeta, Andrew Eliot, partiu para a América, lá nos idos de 1669. O terceiro poema, “The Dry Salvages” está associado com a água e é dedicado ao aglomerado de rochas traiçoeiras de Cape Ann; o lugar está entre os perigos que o navio de Andrew Eliot teve de evitar a fim de alcançar com segurança a costa de Massachusetts. O poema final, “Little Gidding”, foi publicado em 1942. Tem como elemento simbólico, o fogo. O poema é dedicado a uma aldeia em Cambridgeshire, Inglaterra, que foi lugar onde, no século XVII, uma comunidade anglicana elegeu um modo de vida seguindo os preceitos do Livro de oração comum.

Os Quatro Quartetos foram publicados pela primeira vez tal qual hoje é conhecido em 1943. Apesar de escritos em tempo esparso e da aparência de independência entre eles, os textos têm uma relação muito próxima como podemos perceber. Abaixo preparamos uma edição (em inglês) também na íntegra para ler e acompanhar o vídeo. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro