Presepadas de escritores


Quem nunca terá – em algum momento da vida – aprontado aquelas situações que passarão ao futuro como doce lembrança de um tempo em que se podia ousar. Algumas dessas situações podem ser propositais, outras mero acaso e aí alguém nos pega em flagrante. Enfim, como todo escritor é um mortal comum, terão eles passado por isso. Cá, no português brasileiro, essas situações têm um designativo: presepada. Está no Aurélio: presepada: 1. Gabolice, fanfarrice. 2. Brincadeira de mau gosto, ou palhaçada. No caso a que estamos nos referindo o termo tem um pouco dos sentidos designados pelo dicionário, mas terão suas justificativas.


A razão dessa observação surgiu de uma imagem que apresentamos na nossa página no Facebook semana passada no nosso álbum de raridades. Esta daí acima. A da foto nada mais é do que F. Scott Fitzgerald. O escritor estadunidense sempre escreveu seus roteiros para o grupo de teatro do Princeton Triangle Club, um dos mais antigos colegiais dos Estados Unidos. E depois de ter sido reprovado em vários deles, o que ele conseguiu a coedição, acreditem, foi impedido de participar. Era o musical The evil eye! E quem pensa que o escritor se abateu está enganado. Num gesto irônico de puro revanchismo, Fitzgerald travestiu-se e foi ver a apresentação. Resultado: foi parar nas páginas sociais do The New York Times de 2 de janeiro de 1916 como “a mais bela garota do show”.



Agora outra: veem essa foto acima? A primeira pessoa da esquerda nada mais é do que Virginia Woolf, na época Virginia Stephen. A foto data de 7 de fevereiro de 1910 e ela está acompanhada do grupo conhecido como Os Cinco de Bloomsbury que incluía o pintor Duncan Grant, o irmão Adrian Stephen, Anthony Buxton, Guy Ridley e Horace Cole. Todos nesses trajes convenceram os oficiais da Maria Real Britânica de que eram oficiais da comitiva do imperador da Abissínia (hoje Etiópia) e foram recebidos com toda honra de estado no navio HMS Dreadnought e por isso o episódio ficou conhecido como The Hoax Dreadnought.

Quem idealizou o encontro foi Horace Cole. Ele foi quem enviou um telegrama para o navio dizendo que a tripulação de dignitários do Norte Africano ansiava por uma recepção dos ingleses. Uma vez a boro, o grupo falou com sotaque latino citando um texto montado para a ocasião e passagens da Eneida, de Virgílio. Conta-se que Virginia se manteve o tempo inteiro em silêncio, de modo a disfarçar-se melhor. Atores de primeira viagem e muito provavelmente nervosos com a ousadia, nem tudo foi impecável como com F. Scott Fitzgerald e seu show em Princeton. Numa ocasião, Buxton espirrou e quase perdeu o bigode e a Marinha, incapaz de encontrar uma bandeira da Abissínia para representar o momento, utilizou uma bandeira de Zamzibar. Toda a aventura foi narrada em 1975 por Duncan Grant em entrevista que pode ser ouvida aqui.

Os príncipes fictícios pediram tapetes e orações, apresentou os oficiais com honras militares de mentirinha e ainda exclamaram todos “Bunga! Bunga!”. Em seguida foram levados para conhecer o navio, então o mais moderno e sofisticado navio de guerra já construído pela marinha britânica. No dia seguinte a fotografia acima foi publicada no Daily Mirror revelando a farsa. Não que os militares tenham descoberto tudo, mas é que Cole fez questão de contar a história para o jornal. De acordo como o estudioso da obra de Virginia Woolf, Maired Case, a escritora teria aproveitado o caso e transformado num episódio para o romance Orlando. Há no texto em questão uma passagem reveladora:
All the princes wore vari-coloured silk sashes as turbans, set off with diamond aigrettes, white gibbah tunics, over which were cast rich flowing robes and round their necks were  suspended gold chains and jeweled necklaces [...] They also all wore patent leather boots  which, Oriental fashion, tapered to a point, the ends projecting fully six inches beyond the  toes. White gloves covered the princes’ hands, and over the gloved fingers, they wore gold wedding rings – heavy, plain circlets, which looked very impressive.



Numa carta recentemente descoberta, Cole escreveu a um amigo e relata novamente a brincadeira como um evento engraçado. O grupo pretendia era ridicularizar o que eles viam como imperialismo vitoriano fora de moda, e eles conseguiram, pelo menos na imprensa popular.  O Mirror publicou dias depois a charge acima em que a Marinha Real é motivo de chacota. 

Comentários

Adriano de L disse…
Muito bom esse site pessoal!
Sinceramente nao conhecia e estou impressionado com o conteúdo , do mais alto nível.
Adriano de L disse…
Eu conhecia essa charge.

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói