Boletim Letras 360º #28

Van Gogh, A colheita, um dos quadros cuja réplica em 3D está sendo comercializada pelo Museu Van Gogh em Amsterdã - leia mais sobre o projeto neste boletim.


Ufa! Mais um fim de mês. E o ano, ó! Já também em vias de findar. Aonde vamos chegar com essa correria do tempo – perguntam-se muitos e perguntamos nós também. Se muitos não têm a resposta, nós também não; o que sabemos é que chegaremos, já na próxima segunda-feira, 2, com mais uma nova promoção na página do Letras.verso e re.verso no Facebook. Por enquanto, enquanto a promoção não vem, é bom dá uma corrida de vista ao que foi notícia por lá.


Segunda-feira, 26/08

>>> Brasil: Poesia marginal no centro das atenções

O Instituto Moreira Salles no Rio de Janeiro sedia até o dia 10 de novembro de 2013, a mostra "Poesia Marginal – Palavra e Livro". Com curadoria do poeta Eucanaã Ferraz, cerca de 60 publicações serão expostas, com destaque para livros da década de 1970, auge da poesia marginal, de autores como Ana Cristina Cesar, Cacaso, Chico Alvim, Geraldo Carneiro, Roberto Schwarz, Chacal, Bernardo Vilhena, Guilherme Mandaro, Eudoro Augusto, Zuca Sardan, Luis Olavo Fontes, entre outros, que organizaram grupos e selos literários como Frenesi, Nuvem cigana, Vida de artista e Capricho. Livretos mimeografados, fotografias, revistas literárias e as duas edições do Almanaque Biotônico Vitalidade também foram incluídos na mostra. A visitação é feita de terça a domingo, das 11h às 20h com entrada livre. O IMS Rio de Janeiro fica na Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea; para outras informações os telefones disponíveis são (21) 3284-7400/ (21) 3206-2500.

>>> Brasil: Produção italiana sobre vida e obra de Jorge Amado com estreia em Salvador

O primeiro documentário europeu sobre a vida de Jorge Amado teve estreia no Brasil no dia 28 de agosto de 2013 na Fundação Casa de Jorge Amado. Intitulado Realidade e Magia de Jorge Amado, o documentário é uma produção da emissora italiana RAI-TECHE e foi proposto pela Jornalista Antonella Rita Roscilli (brasilianista e também biógrafa de Zélia Gattai) que esteve presente no lançamento na FCJA, onde fez uma apresentação sobre a produção do filme. A autoria do projeto é da roteirista italiana Silvana Palumbieri. Realizado em 2012, o documentário foi apresentado primeiro em Roma, durante o evento do Centenário do escritor baiano na Galeria Cortona do Palazzo Pamphili, sede da Embaixada do Brasil na Itália. Depois da Bahia, o filme será exibido no Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Brasília e Minas Gerais. Está previsto ainda um lançamento para a França e o Uruguai. O documentário ilustra todas as fases da vida do escritor, com entrevistas realizadas por grandes nomes do jornalismo televisivo italiano, fotografias e trechos de filmes. A produção entrelaça o lado biográfico com o lado literário e político de Jorge Amado.

>>> Brasil: Chega às livrarias o novo livro de Elfriede Jelinek

Criticada ferozmente na imprensa de seu país pelo caráter supostamente pornográfico de sua obra, a austríaca Elfriede Jelinek tem o segundo livro lançado no Brasil. Desejo, que chega às livrarias em setembro, trata das vulgaridades e ganâncias de uma (estereotipada, porém crível) sociedade machista. Sua primeira obra lançada no Brasil foi A pianista, em 2004, adaptada ao cinema em 2011 por Michael Haneke – o A professora de piano. Elfriede Jelinek ganhou o Nobel em 2004, mas, portadora de uma fobia social, não compareceu à entrega do prêmio.

>>> Estados Unidos: Museu libera acervo para download

Imagens de desenhos do austríaco Gustav Klimt, pinturas do holandês Van Gogh e aquarelas do alemão Albrecht Dürer estão entre as obras liberadas para uso geral desde o último dia 12 pelo museu que possui os originais desses artistas, o J. Paul Getty, na Califórnia, Estados Unidos. A instituição anunciou seu novo programa de abertura de conteúdo que envolve 4,6 mil obras em imagens de alta resolução para download em seu site. A coleção tem reproduções de pinturas e desenhos e fotografias de arquitetura, esculturas e joias. O site do museu está aqui.


Terça-feira, 27/08

>>> Brasil: Uma Bienal cheia de novidades

A do Rio de Janeiro, que está aberta aos visitantes até o próximo dia 8 de setembro de 2013. A programação neste ano inclui vários espaços: um deles, com vistas para a Copa do Mundo em 2014, para debates sobre futebol e literatura; outro, é um espaço exclusivo para jovens; depois, um para negócios. E mais outro: o espaço mais alemão que um evento dessa natureza já abrigou, com vistas para a Feira do Livro de Frankfurt, que recebe este ano o Brasil como país homenageado. E claro, a participação, de uma leva de escritores – mais de 180 – entre eles, Mia Couto, Zuenir Ventura, Nuno Camarneiro e mais, na página do evento, aqui.

>>> Brasil: João Paulo Cuenca como curador do Café Literário na 11ª Bienal do Livro da Bahia

O evento ocorrerá entre os dias 8 a 17 de novembro, em Salvador: na programação, 385 expositores e mais de 100 autores nacionais e internacionais dos mais diversos estilos e gêneros literários. Mais informações, no site do evento, aqui.

>>> Portugal: Uma coleção de poesia em construção

A editora portuguesa Tinta da China lançou uma coleção de poesia, coordenada por Pedro Mexia, que tem pretensão ser uma das mais ousadas e ecléticas na literatura de língua portuguesa. Os dois títulos inaugurais já atestam isso: Exemplos, do poeta cabo-verdiano João Vário, e o livro de estreia da poeta Rosa de Oliveira, Cinza.

>>> Brasil: Ana Maria Machado vence o Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon

Depois de não ganhar o Prêmio Jabuti, dado o caso do jurado C que literalmente detonou o romance concorrente, Ana Maria Machado foi a ganhadora do Prêmio Passo Fundo Zaffari &Bourbon de Literatura por seu romance Infâmia. O romance foi escolhido à frente de importantes outros títulos como A noite das mulheres cantoras, de Lídia Jorge; Barba ensopada de sangue, de Daniel Galera; Domingos sem Deus, de Luiz Ruffato; Habitante Iirreal, de Paulo Scott; Lívia e o cemitério africano, de Alberto Martins; O céu dos suicidas, de Ricardo Lísias; O que os cegos estão sonhando?, de Noemi Jaffe; Solidão continental, de João Gilberto Noll; e Uma duas, de Eliane Brum. A autora disse que o prêmio repara uma injustiça – numa clara alusão à desclassificação sofrida no Prêmio Jabuti quando teve o referido romance rebaixado à nota zero.


Quarta-feira, 28/08

>>> Holanda: Van Gogh em 3D

O Museu Van Gogh em Amsterdã oferece agora réplicas de quadros do artista em 3D. Denominadas Relevo, os preços oscilam entre 15 e 25 mil euros. A ideia é uma parceria do museu com a empresa Fujifilm. Juntos desenvolveram a relevofografia – uma técnica de reprodução que combina o scanner tridimensional com uma impressão em alta resolução. Lançada em Hong Kong no mês de julho e à venda na Holanda, esta nova coleção inclui cinco quadros: Os girassóis, Amendoeiras em flor, A colheita (imagem de abertura deste boletim), Boulevard de Clichy, e Milharal na tempestade.

>>> Estados Unidos: O corre-corre dos herdeiros de William Faulkner pelas últimas gotas de dinheiro de sua mina literária

É que dentro de poucos anos os romances do escritor estadunidense caem em domínio público. Enquanto esse dia não chega, os herdeiros estão num corre-corre pelo máximo dos lucros (pobre Faulkner!). A notícia veiculada no Wall Street Journal aponta entre outras ações o processo milionário que tem como réu Woody Allen por usar a imagem de Faulkner sem permissão e a venda das obras completas do escritor para a HBO.

>>> Estados Unidos: Shakespeare nos cinemas: uma nova versão para Muito barulho por nada

Muito barulho por nada é uma peça de Shakespeare centrada em dois personagens: Beatriz e Benedicto. Inteligentes, bem articulados, espirituosos, eles são alérgicos ao casamento e rápidos em construir respostas espertas para todo o tipo de afirmação ou pergunta relacionada à questão. E é justamente isso que faz com que essa seja uma das mais engraçadas obras de Shakespeare. Na nova releitura da peça (Much Ado About Nothing – 2012), o cineasta optou por ambientar a história de Beatriz, Benedicto e seus amigos nos tempos atuais, mas mantendo o texto clássico de Shakespeare. O filme é todo em preto e branco e foi rodado em apenas 12 dias na casa de Joss Whedon, o diretor. Com estreia para poucas salas brasileiras, o filme está em cartaz desde o dia 23 de agosto.

>>> Bélgica: Vendem-se mais livros à base do cheiro do chocolate

Esqueçam o cheiro do café entre os livros, uma teoria lançada por um grupo de pesquisadores belgas (ao menos lá) e publicada no Journal of Environmental Psychology diz: o cheiro do chocolate leva os compradores a ficarem mais generosos e abrirem a carteira. Coincidências ou não, o fato é que os pesquisadores difundiram essência de chocolate numa livraria e os clientes compraram cerca de mais 40 por cento de romances e livros de culinária e mais 22 por cento de livros de outros gêneros. A pesquisa completa pode ser lida aqui.

>>> Alemanha: Nova versão do portal do Brasil na Feira do Livro de Frankfurt on-line

O portal conta com informações sobre os 70 autores presentes na homenagem e as atividades culturais em museus e galerias, casas de show e teatros. Por enquanto, o site pode ser lido em versões nas línguas portuguesa e inglesa, mas em breve, ganhará uma versão em alemão. Aqui.


Quinta-feira, 29/08

>>> Inglaterra: Um museu on-line com cartas que nunca chegaram

Em 6 de agosto de 1914, apenas dois dias depois que a Grã-Bretanha declarou guerra à Alemanha, Joseph Ditchburn, um soldado que servia no Durham Light Infantry, escreveu uma carta para sua mãe: ele tinha 19 anos, e ainda estava no quartel, na Inglaterra, mas prestes a fazer uma viagem importante. Uma viagem que poderia não ter retorno: "Estou me preparando para ir para a frente, e eu só lamento que eu não te vi antes de ir, mas depois, querida mãe, se eu não perder o coração, talvez eu possa voltar." O medroso "talvez eu possa" é a palavra dizendo: sua carta era um daqueles que as tropas foram incentivados a escrever e manter em seus livros de bolso com suas vontades, de modo que se o pior acontecesse algum registro havia ficado e poderia ser enviado para os familiares. Mas muitas cartas nunca chegaram ao destino previsto porque a censura via: este soldado falou demais. É o caso da correspondência de Joseph. Milhares de outras igualmente julgadas inadequadas já pode ser lido pela primeira vez on-line por descendentes dos soldados ou qualquer um que tenha em mãos os dados de alguém importante que esteve no front naqueles anos. Ao todo são mais de 278.000 missivas de soldados galeses, escoceses e irlandeses arquivados separadamente em Iron Mountain, um centro de armazenamento de alta segurança nos arredores de Birmingham. Aqui.

>>> Portugal: Itinerários de Fernando Pessoa

A declaração de amor que Fernando Pessoa fez à sua cidade "Oh Lisboa Meu Lar!" serve de mote para um itinerário por lugares marcantes na vida do poeta. Com ponto de encontro na sede da Dianatours, junto à estação de metrô de Entrecampos, Lisboa, o circuito realiza-se de ônibus e percorre, durante três horas, locais frequentados por Pessoa: Largo de S. Carlos, Chiado, Largo do Carmo, Elevador de Santa Justa, Casa Fernando Pessoa, Cemitério dos Prazeres e Mosteiro dos Jerônimos. A viagem é acompanhada por um ator do espetáculo A Barraca que interpreta o papel do escritor e um áudio guia traduzido em oito línguas.

>>> Brasil: Livro reúne pela primeira vez crônicas e ensaios sobre bossa nova escritos por Vinicius de Moraes

São textos escritos entre as décadas de 1950 e 1970, compondo um panorama saboroso e pouco conhecido da relação de Vinicius com a música popular. Samba falado, editado pela Azougue Editorial é uma oportunidade imperdível para conhecer outra face da escrita do poeta. O livro é organizado por Sergio Cohn, Simone Campos e Miguel Jost.

>>> Japão: Conselho escolar proíbe a circulação de HQ histórica que conta os horrores da guerra

O clássico Hadashi No Gen, de Keiji Nakazawa, um mangá de 1973 que retrata os horrores da Segunda Guerra Mundial, em especial o episódio da explosão da bomba atômica de Hiroxima, foi censurada pelo conselho escolar da região japonesa de Matsue, que ordenou que todos os exemplares do livro fossem retirados das bibliotecas das escolas primárias e preparatórias. Hadashi No Gen conta a história de Gen e a sua mãe, que sofrem a explosão da bomba de Hiroxima e têm de sobreviver depois numa zona devastada. Publicada pela primeira vez em 1973, num número especial da revista Weekly Shonen Jump, esta mangá foi muito bem recebida, tendo-se estendido a história por dez volumes. Desde então, Hadashi No Gen tem sido reeditado várias vezes e foi já traduzido em 20 línguas, entre as quais inglês, francês, alemão, russo e italiano. A história foi até já adaptada para o cinema, a televisão em desenhos animados e mesmo para o teatro. O livro também é frequentemente usado nas escolas, uma vez que os professores recorrem à história e às suas imagens para explicar aos alunos o que aconteceu na época no Japão e nos países vizinhos. Foi aliás também com este intuito que Keiji Nakazawa, que morreu no ano passado, o escreveu. No entanto, o conselho escolar considera agora que as imagens são demasiado violentas e por isso não são adequadas para crianças e jovens, alegando ainda que alguns acontecimentos retratados nunca aconteceram. Fato é que, depois da proibição e da repercussão do caso, a procura do mangá nas lojas disparou e o conselho escolar já afirmou publicamente que se reunirá para pensar novamente sobre o assunto. Resta agora saber se voltará atrás na decisão.


Sexta-feira, 30/08

>>> Estados Unidos: Charles Bukowski on-line

Os leitores do escritor Charles Bukowski (1920-1994) dispõem agora de um site integralmente dedicado a ele. O espaço reúne poemas datiloscritos, cartas, entrevistas, fotografias, desenhos e muitos outros documentos relacionados com o escritor, incluindo o seu processo nos arquivos do FBI.  O site apresenta ainda uma minuciosa biobibliografia de Bukowski, um mapa com todos os edifícios onde morou em Los Angeles, uma lista dos muitos empregos que teve, uma base de dados com todos os seus poemas (alguns nunca editados em livro) e um fórum de discussão online. Aqui.

>>> Portugal: Novo romance de Valter Hugo Mãe

Chama-se A desumanização e deve ser publicado no mês de setembro, em Portugal, pela Porto Editora. As informações são da página do escritor no Facebook. Já há alguns meses Mãe anunciara o fim do texto que foi gestado num autoexílio entre 2012 e 2013 na Islândia. Ainda não temos a data para a chegada do livro ao Brasil. Aqui, a edição mais recente sua é o apocalipse dos trabalhadores, editado pela Cosac Naify. 

>>> Brasil: Bárbara Heliodora celebra seus 90 anos com publicação de livro

O aniversário foi dia 29 de agosto de 2013 e o livro chegará em novembro deste ano (com lançamentos previstos para a Curitiba e Rio de Janeiro). Maior autoridade brasileira sobre a obra do dramaturgo inglês William Shakespeare, o livro que vem a lume reúne 10 textos que tratam da história do teatro desde a Grécia até o Brasil, passando pela Itália, Espanha, Inglaterra e França, entre outros países. Caminhos do Teatro Ocidental, é uma publicação realizada pela Associação Cultural Solar do Rosário, em Curitiba. O livro é viabilizado através da Lei Rouanet. Bárbara Heliodora começou a carreira como crítica teatral na Tribuna da Imprensa, em 1957, e posteriormente passou por veículos como o Jornal do Brasil e o Diário Carioca, se consolidando como uma crítica reconhecidamente agressiva. Esteve afastada da crítica durante o Regime Militar no Brasil, mas voltou em 1985 e em seguida passou a escrever para o jornal O Globo, onde publica até hoje. Além da trajetória no jornalismo, paralelamente Bárbara se dedicou a tradução de toda a obra teatral de William Shakespeare, autor que é o tema de vários livros publicados por ela como A expressão dramática do homem político em Shakespeare (1978) e Reflexões shakespearianas (1998), entre outros.

>>> Brasil: Companhia das Letras apresenta o novo romance de Carlos de Brito e Mello

Primeiro foi A passagem tensa dos corpos, agora é o novo romance é A cidade, o inquisidor e os ordinários tratado como um auto moralizante de classe média no Brasil dos dias atuais. Romance construído a partir das muitas vozes de seus personagens, trilha um caminho completamente novo e singular na literatura contemporânea brasileira — ainda que contenha ecos de Osman Lins, Lucio Cardoso e mesmo de Gonçalo Tavares. É uma seara mais experimental, mas mesmo assim tem carisma, graças à escrita precisa e à visão de mundo absolutamente anárquica e derrisória do autor a partir de temas como a morte, os maus hábitos, a mediocridade. É uma espécie de jornada teológica no cotidiano mais comezinho. Um “inquisidor” percorre a cidade apontando para as falhas dos habitantes. Estes, por sua vez, logo aderem ao mesmo comportamento — em vez de se rebelarem — e toda a cidade se converte numa espécie de auto de fé. O resultado, hilário e com certo travo amargo, é um retrato da subserviência de muitos diante do poder. A cidade, o inquisidor e os ordinários é um livro que alterna comédia, observação dos costumes e crítica social, tudo por meio de uma prosa altamente imaginativa e empática.

>>> Brasil: Divulgados alguns nomes do Festival Literário de Natal

O evento reúne o antigo Encontro Natalense de Escritores, o Encontro de Escritores de Língua Portuguesa e quer abrigar uma Feira do Livro. Tem na lista mais de duas dezenas nomes entreeles a estrela, mais perseguida, segundo informações de Sérgio Vilar para o Portal de Notícias No Ar, Caetano Veloso. O cantor e compositor foi sondado pela prefeitura de Natal - mentora do evento através da Funcarte – pelo menos seis meses, até que ouve o "sim" sacramentado: Caetano irá participar, sim, do agora Festival Literário de Natal. O evento, anotem, será realizado entre os dias 6 e 9 de novembro, no Largo Dom Bosco, na Ribeira. Caetano Veloso conversará com o público sobre a inserção da literatura brasileira em seu trabalho autoral e será mediado pelo poeta Eucanaã Ferraz; mas não ficará apenas no palavreado, o baiano fará uma apresentação musical. Da música, Marina Lima também fará apresentação musical, em formato de pocket show, junto ao irmão e poeta Antonio Cícero. Outro nome confirmado é o do poeta e músico José Miguel Wisnik, que fará uma aula espetáculo sobre a poética de Vinícius de Moares; não esquecendo, portanto, que este ano é o do seu centenário.  Entre os escritores brasileiros confirmados, ainda segundo notícias de Sérgio Vilar, estão os romancistas Milton Hatoum, Rubens Figueiredo, Tatiana Salem Levy e João Paulo Cuenca. O dramaturgo Ronaldo Correia de Brito e o jornalista Zeca Camargo são outros dois nomes nacionais confirmados. Já, entre os nomes estrangeiros, dos mais de catorze nomes vindos em parceria com a União das Cidades Capitais Luso-Afro-Américo-Asiáticas (UCCLA), destacam-se José Eduardo Agualusa, José Carlos Vasconcelos, Ana Paula Tavares, Germano de Almeida, Mario Zambujal, Tony Tcheka e Ricardo Araújo Pereira.

>>> Brasil: Companhia das Letras publica a culinária de Vinicius de Moraes

Nossas memórias afetivas passam por todos os nossos sentidos, principalmente a recordação daquilo de que mais gostamos e que nos dá prazer: a alimentação. Assim é a culinária, e assim foi essa experiência para Vinicius de Moraes. Grande apreciador da boa vida e de suas belezas, o poeta dedicava igual paixão por receitas, pratos e refeições. E isso desde a meninice. Segundo de quatro irmãos, o carioca Vinicius foi criado a pudins e lombinhos, e era de todos o que mais apreciava os sabores da casa materna ( já revelando, desde cedo, sua legendária propensão ao hedonismo). As receitas da infância nunca mais abandonaram o imaginário do poeta, que nelas pensava para sentir conforto quando na solidão do estrangeiro em sua época como funcionário do Itamaraty. Elaborado em três partes, Pois sou um bom cozinheiro foi organizado pela família de Vinicius e conta com prefácio de sua irmã Laetitia de Moraes. Revisitando memórias distintas, cada parte do livro fornece receitas das mais diversas épocas da vida do poeta: a infância num Rio de Janeiro quase interiorano, as cozinhas que frequentou e os bares e restaurantes em que mantinha cadeira cativa - além dos bocados de que mais gostava. Tudo maravilhosamente ilustrado por fotos, trechos de poemas e depoimentos. Surge assim um Vinicius de Moraes que refaz sua vida (e obra) através da comida. Dos pratos que lembram sua infância e que trazia à memória ao sentir a profunda ausência do Brasil, quando longe daqui viveu, Vinicius revivia em detalhes os vatapás e pudins que comia na casa da mãe e avó em descrições irretocáveis o suficiente para que salivemos junto com ele. Também das comidinhas favoritas que sabia cozinhar tão bem e descrevia com o amor do diminutivo, o mesmo que usava para se referir aos seus parceiros e amigos de vida e criação musical. Pois se, de acordo com o próprio autor, para se viver um grande amor era preciso concentração, o mesmo devotava quando cozinhava ou apenas saboreava um alimento. Uma dedicação e um trabalho árduo (mas intensamente reconfortante) ao fazer o que mais amava: apreciar a vida.

>>> Irlanda: Morreu o poeta Seamus Heaney

Vencedor do Nobel de literatura de 1995, discípulo do poeta Philip Hobsbaum, Heaney era considerado o poeta irlandês mais importante desde W. B. Yeats. Filho mais velho de um agricultor católico, foi pouco a pouco se afastando do ambiente rural da meninice, primeiro para os estudos, como aluno interno, no St. Columb's College (graças a uma bolsa que recebeu em 1951), e, depois, para frequentar a Queen's University de Belfast, onde participou de um famoso grupo de "creative writing", organizado por Hobsbaum. Segundo o professor e tradutor Paulo Vizioli, em artigo escrito para o Estado em 1998, Heaney era autor de versos precisos e cheios de frescor e tentava vencer "o paradoxo de estar se servindo da linguagem culta da poesia para dar voz a uma classe da qual sabe estar separado exatamente pelo domínio dessa linguagem alheia a ela, num dilema parecido com o do poeta inglês Tony Harrison ao procurar interpretar os sentimentos da classe operária da qual provém". Ao anunciar o Prêmio Nobel, em 1995, a academia sueca destacou em sua obra a "beleza lírica e profunda ética que exaltam os milagres do dia a dia e o passado vivo".  No Brasil, teve publicado em 1998, pela Companhia das Letras, o volume bilíngue Poemas, com tradução de José Antônio Arantes.

>>> Estados Unidos: Novo filme de James Franco faz adaptação de romance de Cormac McCarthy

O ator e diretor vem se especializando em adaptações de obras literárias. Agora, pelo teaser divulgado hoje, o que Franco prepara é uma leitura do romance Filho de Deus, de Cormac McCarthy. Aqui o vídeo, com narração sinistra e um nervoso Scott Haze.

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Onze livros sobre escravidão e racismo na literatura estadunidense

Boletim Letras 360º #241

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter

Ivan Búnin