Ruben G. Nunes e seu admirável livro novo

Por Thiago Gonzaga


Detalhe da capa de O ponto oco, de Ruben G. Nunes, a partir de desenho do artista
plástico Marcos Guerra.


“O homem tem de se inventar todos os dias”
Jean-Paul Sartre

Carioca radicado em Natal, Ruben Guedes Nunes, Oficial da Marinha, veio residir na cidade potiguar em 1960 já como 1º Tenente, na Base Naval. E criou raízes, enveredando pela literatura, em estreia com o livro de poemas, Tempos Humanos (1971) prefaciado por Câmara Cascudo, que exalta a beleza do trabalho literário do jovem escritor.

Nos anos 70, Ruben G. Nunes, como passou a assinar-se, dá início a sua saga de ganhador de concursos literários, ao obter duas menções honrosas no Prêmio Câmara Cascudo de 1978 e Prêmio Fundação José Augusto de 1979. Ainda nessa década foi um dos premiados no concurso 5 Contistas Potiguares, promovido pela Fundação José Augusto.

Porém, é no início dos anos 80 que o escritor dá um salto significativo na sua produção literária, e entra para a história da literatura potiguar, ao escrever Gestos mecânicos, romance em que se percebe a influência de James Joyce, o célebre autor de Ulisses. Mas, entre parêntesis, é preciso enfatizar que Ruben tem sua própria marca, seu próprio estilo, inconfundível e excepcional. Com Gestos mecânicos ganha o Prêmio Elias Solto e o Prêmio Câmara Cascudo de 1981.

Outra arrebatadora obra do escritor, Dotô, casa comigo?, venceu o Prêmio Câmara Cascudo em 1982, mas só foi lançada em 2003. O texto nos dá a visão impactante do pequeno mundo de um manicômio a sugerir reflexões, contando a história de um amor fraturado. De permeio, uma narrativa de ficção cientifica.

Pós-doutor em Metafísica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, professor aposentado do Departamento de Filosofia da UFRN, Ruben G. Nunes, nos presenteia, novamente, com um romance, O ponto oco (Prêmio Câmara Cascudo de 2007).

Autor mais premiado do estado (romance, conto, poesia, crônica), além de único, até agora, agraciado quatro vezes com o maior prêmio de literatura do RN, o Câmara Cascudo, recebeu ainda varias menções honrosas, dentre elas do Concurso de Poesias Luís Carlos Guimarães.

A premiada obra O ponto oco, é uma espécie de fluxo, como se fosse um rio. O personagem que narra a história, está no bar do Lourival (um dos botecos mais antigos de Natal), e vai fazer xixi. Nesse caminho da urina, ele vai  se lembrando da vida, de perdidos, achados, tristezas, loucuras. “Tudo começa com a mijada e termina também assim” – diz o autor. E acrescenta: “É um romance em fluxo quase circular. Começa quase onde termina, termina quase onde começa. Sugere, todavia, um não-terminar, uma reticência”.

O enredo, na verdade, constitui toda essa visualização do cotidiano do personagem vídeopassando no fluxo urinário, até o final. O romance é uma mijada. Há muita sonoridade e reinvenções na construção das palavras e close de cenas. Ponto Oco é o apartamento locado por Pedro e seus amigos de fé, em Natal, para os encontros com as amantes. Segundo esse personagem, é o lugar onde se encontram todas as verdades e onde elas nada valem por si, mas somente no fluxo (in) finito de seus encontros, desencontros e de suas diferenças. No apartamento Ponto Oco, Pedro e seus amigos dizem que praticam uma boa ação matrimonial, mantendo a chama do casamento de cada um acesa pela catarse da chama da amante. Retornam ao lar purificados e renovados. “Tudo por ela (a amada), através delas (as amantes)”.

Em O ponto oco Ruben G. Nunes navega pelos rios da vida, nos levando para um oceano literário pleno de imaginações e questionamentos. Um livro para ler com calma, tempo e dedicação; ler e reler. Percebe-se ao longo da leitura a presença de um escritor consciente do seu ofício, engenhoso com o manuseio das palavras, e que atinge tanto na linguagem, quanto no conteúdo, o domínio perceptível das sensações e o apuro formal das técnicas literárias criativas.  De O ponto oco emana uma força lírica que nos alcança no mais profundo abismo do isolamento e nos arrebata para um universo ficcional belíssimo. Ficção que sacia nossa sede de algo que buscamos no nosso mais recôndito interior. Uma vez um jornalista perguntou a Clarice Lispector: “Por que você escreve?”. E ela respondeu com outra pergunta: “por que você bebe água?”.

***

Thiago Gonzaga é colunista no Letras in.verso e re.verso. Nasceu em Natal, é graduado em Letras e especialista em Literatura Potiguar pela UFRN. Autor dos livros Nei Leandro de Castro 50: anos de atividades literárias e Literatura Etc. Conversas com Manoel Onofre Jr. Dentre os vários trabalhos inéditos que possui destacam-se Novos Contistas Potiguares e Personalidades Literárias do RN. Como pesquisador da literatura do estado criou o Blog 101 livros do RN (que você precisa ler), com interesse por autores e livros locais sob diversos aspectos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói