A nova poesia feminina potiguar



A poesia feminina potiguar tem revelado, ao longo da sua história, grandes vozes líricas, dignas dos mais altos elogios e louvores. Como exemplo, poderíamos citar Auta de Souza, Palmyra Wanderley, Zila Mamede, Diva Cunha, Marize Castro, Carmen Vasconcelos, e mais recentemente, Anchella Monte e Ada Lima.

Eis que surge Leocy Saraiva com seu livro  Cantos e Espantos e mais uma  prova excelente dessa tradição tão forte e arraigada em nossa terra. O título foi publicado em 2010 pela Editora Sol e revela o exercício de uma poetisa em amadurecimento, porém realizada, com plenitude e segurança. 

Leocy Saraiva pratica a palavra meticulosamente, visando à medida certa da expressão, nada se perde em seus versos, claros e ricos em imagens e sugestões poéticas.

No livro nada é disperso; a essencialidade parece ser a fidelidade em procurar a melhor linguagem e a interação exata entre a ideia e a forma, a limpidez da palavra para expressar o conteúdo poético do texto.

A obra tem um potencial lírico que demostra uma artista e artesã dos versos, criando até algumas experiências com as palavras, daí surgem poemas com questionamentos existenciais, solidão, escolhas, anseios, muitas vezes trazendo-nos a aparente sensação de um ritmo quase musical, porém nunca se prendendo a um jogo de vocábulos.

Este é um livro que, pela sua ótima qualidade poética, por sua densa significação humana e pela catártica transcendência dos seus objetivos, atinge mais  um alto voo  da lírica feminina potiguar na atualidade.

***

Thiago Gonzaga é colunista no Letras in.verso e re.verso. Nasceu em Natal, é graduado em Letras e especialista em Literatura Potiguar pela UFRN. Autor dos livros Nei Leandro de Castro 50: anos de atividades literárias e Literatura Etc. Conversas com Manoel Onofre Jr. Dentre os vários trabalhos inéditos que possui destacam-se Novos Contistas Potiguares e Personalidades Literárias do RN. Como pesquisador da literatura do estado criou o Blog 101 livros do RN (que você precisa ler), com interesse por autores e livros locais sob diversos aspectos.

Comentários

Gilberto Fernandes disse…
Um título que empolga e uma leitura que não condiz com o que se enuncia. Texto raso que não sugere e nem acrescenta nada a alguém que possa se interessar pela obra da escritora.
Leocy Saraiva disse…
Sinto-me lisonjeada com as referências positivas ao meu trabalho, expressadas pelo mantenedor deste Blog. Sei que tenho um caminho bastante espinhoso, no que diz respeito ao trato com a palavra, contudo não tenho outra coisa a fazer, senão segui-lo, por ser algo, para mim, viital. Ser reconhecida como alguém que foi entendida, que tocou a alma de outra pessoa, ter a paz de saber que quem possa vir a me ler, ao se identificar com meus poemas, possa usá-los como se fossem seus,fazendo isso para arrancar da alma a dor que sente, com a cumplicidade estabelecida de que essa dor é também a minha, isto, até agora, havia me bastado. Desde que lancei o "Cantos e Espantos" tenho recebido vários relatos que me dão essa felicidade. Talvez sejam pessoas que, como eu, trazem a alma à flor da pele, não tendo, por isso, nenhuma dificuldade com "textos rasos" ou de qualquer outra profundidade. Sei, contudo que não passo de uma aprendiz. Alguém que procura dar à palavra instintiva a roupagem honrosa que a arte exige.
Por isso, meus agradecimentos mais enfáticos se direcionam ao crítico Gilberto Fernandes. Assimilando suas palavras tenho a certeza de que, a partir de agora, meu afinco será ainda mais incisivo, no sentido de que meus versos possam tocar um número cada vez maior de leitores, principalmente aqueles cujas almas habitam as camadas mais profundas do ser, por onde (talvez) a minha ainda não tenha conseguido transitar. Se eu nunca conseguir, não me exaspero. Tenho a consciência de que minhas palavras nunca conseguirão comportar todas as coisas!

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

O romance perdido de Sylvia Plath

A ignorância, de Milan Kundera