Boletim Letras 360º #44

Os Fitzgerald já no clima de Natal.

O nosso primeiro boletim de Natal; era para ser a imagem que ilustra um Papai Noel leitor. Mas, não vamos muito com a cara de certos valores capitais, portanto, um Papai Noel, ainda que leitor é figura para segundo plano. Era para ser ainda uma imagem com o feito inédito da design Charlene Matthews que gravou todo o Ulysses, de James Joyce em troncos de madeira. Mas, unindo a data ao pretexto do blog, e ainda mais porque hoje assinala a passagem dos 73 anos da morte do escritor F. Scott Fitzgerald, imagem melhor não há para esse boletim se não a da família Fitzgerald em ritmo de Natal.

E não só isso; vamos rever tradições. Siga nossa campanha no Facebook: “Neste Natal, não dê meias, dê livros de presente!” Lembrem-se, lembrem-se disso: eles, os livros, rendem mais, ah, muito mais, que as meias! Veja nosso banner e partilhe essa ideia.

*

Este boletim também anuncia nossa tradicional quebra de ritmo até meados de Janeiro, quando tudo, espera-se, volta às engrenagens. Esses boletins, por exemplo, estarão publicados religiosamente nos sábados pela manhã; e as outras redes a que este blog pertence (Facebook, Twitter, Google+, Instagram, Tumblr) estarão também mais preguiçosas, mas sempre ativas. Por isso, mesmo de férias, pode rolar entre uma leitura e outra, uma farra e outra, uma espiada – seja no smartphone, no tablet, no computador, onde for – para ver o que aqui se passa.

Outra: apesar de pipocarem já por todos os lugares as tradicionais listinhas de fim de ano, por aqui, somos um tanto mais pacientes. E estamos já preparando a nossa, mas só vai on-line no dia 31. Ninguém vai ver nessa data, provavelmente, mas estará por aqui. Dizemos isso, porque todos já devem estar tão na correria que nem atentaram a promoção que ensaiávamos no Boletim passado, motivo pelo qual um de nossos leitores foi à página do blog no Facebook fazê-la de muro das lamentações.

Bom, a prosa está boa, mas vamos lá saber o que foi notícia nesse muro de lamentações:


Segunda-feira, 16/12

>>> Brasil: Reedição de Os Maias, de Eça de Queiroz

Sai pela coleção Clássicos Zahar, que já publicou em edições de luxo obras como Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll, e Os Três Mosqueteiros, de Alexandre Dumas. A edição terá apresentação de Mônica Figueiredo, notas, cronologia e anexo sobre as ilustrações, inéditas em livro. Elas foram criadas pelo arquiteto Wladimir Alves de Souza, integrante do grupo de fãs do autor que, nos anos 1950, criou o chamado Clube do Eça.

>>> Brasil: Luis Fernando Verissimo cai no samba em 2014

Não só ele: Ed Mort, a Velhinha de Taubaté, as Cobras e muitos outros de seus personagens estarão dançando na passarela em 2014. O autor é o tema do desfile da escola gaúcha Imperadores do Samba.

>>> Portugal: Mais uma importante voz que se cala?

Maria Velho da Costa diz que não mais escreverá. O anúncio foi feito depois da cerimônia de entrega do Prêmio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores. A escritora, que já Prêmio Camões 2002, afirmou com ironia que "não se trata de uma decisão irrevogável", não escreverá, mas também não se irá afastar da literatura. Consagrada, já em 1969, com o romance Maina Mendes, Maria Velho da Costa tornou-se mais conhecida depois da polêmica em torno das Novas Cartas Portuguesas (1972), obra em que se manifesta uma aberta oposição aos valores femininos tradicionais e que por este teor foi levado ao tribunal durante a ditadura militar.


Terça-feira, 17/12

>>> Brasil: Reedição de Elegias de Duíno, de Rainer Maria Rilke

Em 2013, a Companhia das Letras trouxe a lume um livro com um conjunto de poemas de Rainer Maria Rilke. O ano finda com mais uma novidade em torno do poeta: a tradução de Dora Ferreira da Silva, para Elegias de Duíno, há muito fora de catálogo, será reeditada pela Globo Livros. Considerada uma das principais obras líricas em língua alemã, Elegias de Duíno reúne os dez poemas escritos por Rainer Maria Rilke entre 1912 e 1922 no Castelo de Duíno, próximo à província de Trieste, na Itália.  A nova edição vem acompanhada de comentários biográficos e textuais, além dos poemas originais, escritos em alemão.

>>> Inglaterra: O clima na Terra Média, de J R R Tolkien

Dia desses foi a criação pelo Google Maps de um mapa interativo da Terra Média. Agora, os cientistas britânicos tiveram a curiosa ideia de passar a Terra Média criada pelo escritor britânico J.R.R.Tolkien pelo filtro dos mais recentes modelos climáticos. Os climatologistas da Universidade de Bristol publicaram suas descobertas em um estudo assinado pelo feiticeiro Radagast, o Castanho, "provavelmente o primeiro especialista em meio ambiente", segundo eles. Com base nos mapas desenhados por Tolkien (1892-1973) e extensivamente desenvolvidos desde então, os pesquisadores injetaram a geografia da Terra Média em modelos de computador do mesmo tipo que os utilizados para a nossa boa e velha Terra pelo IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, a rede científica criada sob a égide da ONU há 25 anos. Para os fãs de Tolkien ou curiosos, os cientistas chegara a publicar uma versão do estudo traduzido em alfabeto élfico, aqui, e um outro em runas dos anões, aqui.

>>> Brasil: O retorno de um clássico do pensamento ocidental 

Minima Moralia, de Theodor W. Adorno aparece em nova roupagem e em nova tradução pela Azougue Editorial. Já havia algum tempo que este livro andava ausente das prateleiras das livrarias brasileiras. "Todos os que se interessam pelas marcas que o mundo tal como é deixa na vida cotidiana têm o que pensar nesse conjunto de pequenos textos agudos e provocantes" – enuncia a sinopse preparada pela editora. De fato.

>>> Brasil: Mais de 70 obras criadas originalmente para ilustrar livros infantis poderão ser vistas na 1ª Mostra de Arte Contemporânea em Literatura Infantil

Em cartaz na Caixa Cultural de São Paulo. A exposição passou pelo Rio de Janeiro em 2012 e na época contava com 29 trabalhos. As ilustrações foram feitas por artistas nacionais e internacionais. Estão nomes de brasileiros como Fernando Vilela, Renato Moriconi e Favish Tubenchlak. Já o grupo internacional, Juliana Bollini, da Argentina, Ofra Amit, de Israel e John Parra, dos Estados Unidos. A exposição foi idealizada por Favish Tubenchlak, autor do livro A Deusa, o Herói, o Centauro e a Justa Medida, e tem co-curadoria da especialista em literatura infantojuvenil Aline Pereira. Tubenchlak pretende chamar atenção para obras que ganham independência em relação ao livro do qual saíram. A mostra é gratuita e fica em cartaz até 16 de fevereiro de 2014.


Quarta-feira, 18/12

>>> Suécia: A trilogia Millennium vai ganhar seu quarto livro

A série do sueco Stieg Larsson ganhará um novo volume a ser escrito por um outro autor. Larsson morreu em 2004, antes de ver o sucesso de sua obra. Quem assume a responsabilidade é David Lagercrantz, co-autor da biografia do jogador de futebol Zlatan Ibrahimovic. Lagercrantz terá a missão de continuar a saga da hacker Lisbeth Salander e do jornalista Mikael Blomqvist. A previsão de lançamento do quarto volume é para agosto de 2015; o autor não aproveitará nada do material deixado por Larsson, que já havia começado o quarto livro, quando morreu, em 2004, vítima de um ataque cardíaco.  A viúva de Larsson, Eva Gabrielsson criticou a decisão da editora. Eva, que está em disputa com a família do autor sobre os direitos de sua obra, declarou ao jornal sueco Aftonbladet que considerou a decisão "desagradável", "de mau gosto" e uma jogada apenas para fazer dinheiro em cima do trabalho de escritor morto.  No Brasil, a trilogia foi publicada pela Companhia das Letras como Os homens que não amavam as mulheres, A menina que brincava com fogo e A rainha do castelo de ar.

>>> Inglaterra: Mais um rico tesouro que vai parar na web

Cerca de um milhão de imagens dos séculos XVII, XVIII e XIX integram o imenso catálogo gráfico que a Biblioteca Britânica passou a oferecer na internet de forma gratuita, por meio de sua conta no Flickr, a todos aqueles usuários que desejam baixá-las.  A coleção tem material de interesses variados (histórico, político, científico, ficção etc.) e, desde que foi colocada online, na sexta-feira, já recebeu mais de 6 milhões de visitas.  Com sede em Londres, a Biblioteca Britânica, uma das de maior prestigio do mundo, lançará no começo do ano um aplicativo para que todo mundo possa colaborar com suas ideias e achados sobre o legado histórico de um acervo que ficou fechado por séculos. De fato, a origem e a história de algumas das imagens seguem sendo um mistério para a biblioteca. Para acesso basta ir aqui.

>>> Brasil: Mais uma edição de luxo de livro de Moacyr Scliar

Primeiro foi o já clássico Max e os felinos, agora A guerra no Bom Fim que a L&PM Editores edita com capa dura - uma nova vertente da editora. Lançado originalmente em 1972, em plena ditadura militar, A guerra no Bom Fim é o primeiro romance de Moacyr Scliar: a história de Joel, que relembra seus tempos de menino judeu, quando vivia com a família na Porto Alegre dos anos 40, em pleno bairro Bom Fim, o coração judaico da cidade. Com este belo romance de formação, Scliar testemunha a necessidade de lançar novas luzes sobre o passado e a identidade nacional. Por falar em Moacyr Scliar, aquela página na internet sobre a qual comentamos por aqui, já está há muito on-line. Viram? 

>>> Estados Unidos: Que filmes você adicionaria numa lista de títulos a serem eternamente preservados?

A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, uma das maiores do mundo, reconhece que "filmes mais antigos correm o risco de se perder" e é dever "protegê-los para garantir a permanência da herança criativa e cinematográfica". Anualmente a lista recebe novos títulos. Em 2013 listou 25 títulos que demonstram a vitalidade e a diversidade extremas do nosso cinema estadunidense. Na lista, estão clássicos como Pulp fiction, de Quentin Tarantino; Mary Poppins, de Robert Stevenson; Os eleitos, de Philip Kauffman; Gilda, de Charles Vidor; Quem tem medo de Virginia Woolf?, de Mike Nichols; e Sete homens e um destino", western de John Sturges. Entre as produções menos conhecidas estão Daughter of Dawn, de 1920, a primeira a contar com um elenco completamente formado por indígenas; Ella Cinders, de Alfred Green, de 1926; Decasia, de Bill Morrison, lançado em 2002; e Idade perigosa, de William Wellman, de 1933. Outros destaques da lista são o documentário Roger e eu, de Michael Moore (1994), e O homem tranquilo, com John Wayne (1952).


Quinta-feira, 19/12

>>> Israel: A poesia de T. S. Eliot como mote para a música clássica

O jovem pianista israelense Matan Porat veste a persona de Ulisses e constrói uma odisseia pianística usando os versos de T. S. Eliot como mote de seu original CD, recém-lançado pelo selo Mirare e intitulado Variações sobre um tema de Scarlatti. O pianista teve a ideia quando ouviu pela primeira vez a Sonata em Ré Menor K. 32, de Domenico Scarlatti. Porat pinça peças curtas ao longo da história, encaixando-as de modo a uma deixar encaminhada a solução criativa à seguinte. O CD deve ser ouvido inteiro como se fosse uma só obra – orgânica em sua diversidade, plural em sua essência.

>>> Espanha: "José Saramago por José Saramago"

A voz de José Saramago se pode ler. As palavras que pronunciou em palestras e conferências não se perderam no ar. O professor Joan Morales gravou parte das intervenções saramaguianas e as traduziu para o espanhol organizando-as por temáticas no livro Saramago por José Saramago. A editora El Páramo lança esta publicação, que tem prefácio de Julio Anguita e posfácio de Pilar del Río.

>>> Brasil: Mochilão nos passos de Shakespeare - boa pedida aos que estarão de férias e pretendem dar um pulinho na Europa

Em 2014 será o ano de Shakespeare; comemora-se os 450 anos do dramaturgo inglês, conhecido mundialmente por textos como Romeu e Julieta, Hamlet e MacBeth. A CI, empresa de intercâmbio e turismo jovem do Brasil, criou o Mochilão Shakespeare, um roteiro exclusivo que levará o viajante a passar pelos lugares que contam detalhes da história do dramaturgo. Já pensou poder conhecer os lugares em que Shakespeare cresceu ou, quem sabe, até se inspirou para escrever suas grandes obras? Pois bem: mais informações, é só entrar no site oficial da agência.


Sexta-feira, 20/12

>>> Estados Unidos: Que tal uma forma inusitada de ler Ulysses, de James Joyce? Pois, presta muita atenção na atitude dessa estadunidense:

Em 30 de outubro de 1921, James Joyce colocou um ponto final em seu romance; noventa anos depois, em 30 de outubro de2013, Charlene Matthews, também põe um ponto final em Ulysses. O trabalho levou dois anos; a novidade é que Matthews compilou todo o texto de Ulysses - os seus cerca de 265 mil verbetes e dezoito episódios - a mão em trinta e oito postes de madeira de dois metros de altura, duas polegadas de diâmetro cada. Ulysses como se uma paisagem arbórea. Tudo está registrado aqui.

>>> Portugal: 19ª edição da revista Blimunda

Nas páginas da revista da Fundação José Saramago, o grande destaque está na celebração dos 15 anos da entrega do Prêmio Nobel de Literatura a José Saramago: um dossiê com depoimentos de amigos, editores e jornalistas que acompanharam esses dias e que com o escritor viveram as emoções daqueles dias de Estocolmo. Também neste número o discurso do escritor Nuno Júdice, lido por ocasião da recepção do Prêmio Rainha Sofia de Poesia Ibero Americana, no 27 de novembro. Para fazer baixar a edição em PDF.

>>> Brasil: Mais um Quintana inusitado

A editora Alfaguara Brasil que tem se dedicado à reedição da obra do poeta apresenta Preparativos de viagem, livro em que Mario Quintana opta pelo encontro entre o passado e o futuro em momentos fugazes. "A coleção de poemas dá testemunho de que, conforme o tempo passava para o poeta, a alegria de viver vinha cada vez mais se sobrepor à melancolia, abrindo inclusive espaço para a manifestação discreta de um erotismo desabrido. No livro, o octogenário poeta prefere lembrar a excitação alegre que tomava conta dele, quando criança, em véspera de viagem com a família. Essa emoção é o que resume o sentido da vida, na poesia do autor."

>>> Itália: Leis de incentivo à leitura dão abatimento às compras de livros e, agora, poderão os italianos ter até 19% de desconto no imposto de renda

A crise econômica não poupado muitos dos países europeus e a Itália tendo os piores números no mercado editorial resolveu criar alguns incentivos inusitados para incentivar o consumo de leitura e estimular o setor. Primeiro, foi o reality show Masterpiece, uma competição entre autores tem surpreendido a crítica. Agora, o conselho de ministros do governo italiano aprovou o abatimento de 19% do imposto de renda para pessoas que compram livros. O desconto tem um limite anual de 2 mil euros e faz parte do programa "Destino Itália", que visa fomentar o investimento doméstico e negócios estrangeiros no país. Antes, os italianos já contavam com abatimento de impostos sobre a compra de livros. Mesmo ainda distante da crise, o Brasil poderia pensar em alternativas do gênero, não acham?


..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Os melhores diários de escritores

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239