O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir

Por Rafael Kafka



Simone de Beauvoir ficou mais conhecida em sua vida pessoal pelo incrível relacionamento de amor livre que manteve com Jean-Paul Sartre durante 50 anos, sendo interrompido apenas com a morte do mentor do existencialismo ateu em 1980. Em sua vida de escritora, ficou popular devido às autobiografias escritas contando relatos ligados a todas as fases de sua longa vida: Memórias de Uma Moça Bem Comportada, A Força da Idade, A Força das Coisas e Balanço Final perpassam toda a vida pessoal, profissional, política e acadêmica de Simone mostrando a força de uma mulher livre, querendo romper os limites de sua formação católica e burguesa a qual sempre tentou frear os ímpetos de Simone, mas nunca conseguiu.

A vida de Simone está muito presente em seus textos. Além das autobiografias citadas acima, vemos elementos autobiográficos em diversas obras suas sob a forma de romances: A Convidada e Os Mandarins são os textos mais significativos no sentido de mostrar como a arte e a vida estavam fortemente ligadas nas obras desta importante autora francesa. Não seria diferente com o seu principal livro.

O Segundo Sexo nasceu, podemos dizer, na vida juvenil de Simone de Beuavoir: uma jovem educada de modo burguês preparando-se para o casamento, destino maior para a mulher de ocidental de um século atrás. A autora conseguiu romper os grilhões de sua formação moral e tornou-se uma pessoa muito amiga de homens e de mulheres de espírito livre,vindo a criar um profundo romance filosófico ainda na universidade com Sartre, o qual tornou-se, além de companheiro, o seu mentor intelectual.

O grande ensaio filosófico nasceu após a Segunda Guerra Mundial, período no qual uma grande obra filosófica veio ao mundo: O Ser e o Nada, de Sartre, no qual ele afirmava que o homem é condenado a ser livre. Mesmo com todos os grilhões existentes, ser humano tem o poder de escolha e esta escolha está diretamente ligada a sua intencionalidade, substrato humano formado de modo vivo e impreciso por toda a história de vida do indivíduo e que justifica as suas escolhas e o caminho tomado por si. Tudo pode ser resumido no conceito de homem-em-situação, o meio utilizado pelo filósofo existencialista para estudar como o contexto existencial de um sujeito interfere, de modo não-determinista, em suas escolhas pessoais.

Volume 1 de uma das edições de O segundo sexo sempre editado pela Editora Nova Fronteira. Em 2009 foi feita uma reedição da obra, mas tem algum tempo que tem estado fora de catálogo.

Simone aplicou a lógica de Sartre ao universo feminino. Em seu ensaio, ela buscou explorar a situação da mulher em nossos dias a partir da situação da mulher na história. No primeiro volume do ensaio, dedicado aos estudos dos mitos sobre a mulher, a autora mostra como no tempo dos nômades as mulheres, ao lado das crianças, eram vistas como peso morto devido à sua fragilidade no momento de busca por alimentos. Depois, quando as sociedades humanas tornaram-se sedentárias, enquanto os homens, com melhor porte físico, iam à caça, as mulheres ficavam em casa cuidando dos trabalhos mais básicos. A História se movimentou, mas esse papel da mulher pouco foi modificado. O fator diferencial mais importante se deu no momento em que surgiu o capitalismo: a mulher torna-se o ser por meio do qual o homem buscará perpetuar seu nome. Os filhos gerados pela mulher, quando homens, são herdeiros da propriedade do pai garantindo, deste modo, a permanência do nome familiar. Já as moças nascidas serão responsáveis por casamentos os quais têm como objetivo o crescimento da fortuna do patriarca. É nesse momento que surge o modelo de sociedade patriarcal, na qual o homem tem toda a liberdade do mundo para agir, porém a mulher, mesmo sendo livre, torna-se um ser-em-si, uma coisa com destino e sentido pré-determinado pelo outro, pelo homem.

O segundo volume do livro é voltado a falar da experiência feminina. O livro perde um pouco de seu caráter científico, mas ganha em vida. É nele que Simone tece críticas mais ácidas à sociedade patriarcal e demonstra de modo bastante minucioso as microvilosidades da opressão sofrida por parte das mulheres.

Como dito acima, o destino feminino é moldado pelo casamento. Tal relação amorosa se justifica na sociedade patriarcal pelo fato de que o homem, mesmo sendo um ser livre, precisa de uma companhia para dar-lhe suporte em sua casa e na continuidade de seu nome e legado na vida. Ela traz efeitos bem atrozes para a mulher: enquanto o homem tem diante de si uma liberdade de caminho bem aproveitada em estudos, trabalho, camaradagens, conquistas sexuais e amorosas fugidias, a mulher tem apenas o casamento como caminho.

A sexualidade feminina sofre uma série de sequelas por conta disso. É proibido a uma mulher ter amantes que não sejam maridos, namorados, príncipes encantados. O adultério feminino sofre muito mais represálias do que o masculino e uma mulher que busca afirmar-se enquanto ser livre é vista de modo discriminatório. Além disso, coisas como a menstruação adquirem um aspecto horrendo, bem como a primeira vez sexual. Ambas indicam o fim da liberdade feminina se aproximando: indicam que após a vida da adolescência, a garota terá de se casar, virar companheira, se ver resumida a isso.

A sua existência se resumirá a ter filhos, a cuidar da casa, a se ocupar de projetos que não são seus. Os filhos crescem e se tornam autônomos em sua liberdade, se forem homens, ou em sua desgraça, se forem mulheres e assim como a mãe viveram condicionadas a serem coisas. As tarefas domésticas logo são desfeitas pelo tempo: a casa varrida logo fica suja novamente, a comida feita logo é digerida e a roupa limpa logo suja-se de novo. Enquanto isso, o seu esposo cria projetos, vive uma vida autônoma, para-si.

Podemos imaginar facilmente como é frustrante tal tipo de vida e como a ocorrência de problemas psicológicos e psiquiátricos deve ser comum. No decorrer do livro, Simone mostra uma série de estudos feitos na época do lançamento do ensaio mostrando como as mulheres sofriam em seus ambientes doméstico. Mesmo as mulheres casada com escritores célebres, como Liev Tolstói e Victor Hugo, viam-se enclausuradas em um ritmo de vida horrível, tedioso, ao passo que seus esposos escreviam obras primas e conquistavam fama e respeito ao redor do mundo.

Para se entender melhor tais crises é importante o entendimento de um conceito interessante desenvolvido por Sartre no já citado O Ser e o Nada. Má-fé. Tal conceito se refere à tentativa do ser humano de anular sua liberdade, de se auto-coisificar. Claro que essa é uma explicação a grosso modo e seriam páginas e mais páginas para explicar tal sentido, mas podemo sintetizar a má-fé como uma tentativa do indivíduo de fugir de sua liberdade. Ser livre para o existencialismo é ser angustiado, pois o ser humano possui diante de si toda a responsabilidade de seus atos e de sua vida. Muitos fogem dessa liberdade criando desculpas ou fugas da realidade buscando aliviar o peso da angústia em sua vida.

A mulher presa na estrutura antropológica patriarcal prefere criar aventuras fugazes com amigas, diários íntimos marcados pelos sonhos acordados, coquetismo para explorar ao máximo à devoção dos homens ao seu aparato físico, usurpação das glórias do companheiro como suas (daí surgindo ditados como o “atrás de todo homem tem uma grande mulher”, mostrando como na falta de glórias pessoais a mulher busca se persuadir de que o homem só obtém sucesso por conta de sua presença inspiradora), etc. A mulher chafurda na má-fé e na loucura por não ter para onde correr, por se sentir esmagada na luta entre o seu ser-para-si que quer a liberdade vivida plenamente e o ser-em-si criado pelo mundo machista que insiste em reduzir toda uma existência a um propósito: ser o complemento do homem.

Falei até agora nesta resenha apenas da mulher. Porém, é importante salientarmos, ao menos um pouco, a figura masculina. Muitas pessoas as quais se rotulam feministas aparentam julgar que somente mulheres são vítimas da opressão social vivida pelo patriarcalismo. Apesar de elas serem as maiores vítimas, sofrendo com uma série de males físicos e morais uma verdadeira crucificação encarnada, o homem também sofre com essa pressão toda. Mas de modo diferente, mais atenuado. Assim como ela, ele encontra-se preso em uma máscara: ela é frágil, ele viril. Ela é intuitiva, misteriosa, faladora, poética. Ele é prático, frio, objetivo, carnal. Ela é fraca e pronto. Ele não pode ser fraco, caso contrário será alvo de críticas ferrenhas de seus camaradas e parentes. O homem está preso em seu próprio ardil.

Como falamos acima, a mulher é quem mais sofre com todo o contexto descrito no livro. Porém, se o homem se apercebesse do quanto a sua opressão o torna também oprimido, seria mais fácil para uma mudança de costumes a qual possibilitaria que todo ser humano, independente de seu gênero fosse plenamente livre. Contudo, o que ainda vemos hoje, são juízos de valores que avaliam de modo diferente, por exemplo, o adultério: a mulher que trai é um ser imundo, uma “vadia”, ao passo que o homem adúltero é um ser macho, um “garanhão possante”. Também percebemos por conta de todo esse patriarcalismo uma série de absurdos que se mostram em cenas de estupro quando a vítima é acusada de ser a culpada pelo crime. O estuprador, para os olhos patriarcais, foi alguém fisgado pelos ardis femininos: um olhar atrevido, uma roupa curta, uma cruzada de pernas, etc. Uma sociedade patriarcal tolhe o direito de ser livre de qualquer ser humano, mas em especial a mulher. O homem, sendo forte, ainda tem grandes opções de viver: pode ser engenheiro, professor, advogado. A mulher apenas agora começa a ter as mesmas opções, porém ainda deve lidar com situações embaraçosas nas quais o companheiro exige dela atenção maior do que a dada para os estudos. O homem pós-moderno do século XXI apresenta uma série de novas neurosas, como as já demonstradas por Simone em seu livro, e insiste, cada vez mais, para que a mulher seja sua, no sentido mais frio do pronome possessivo.

Preso em sua máscara de virilidade, o homem insiste em ter a posse da mulher. Em marcá-la, seja pela violência de relações ardentes, seja pela marca da primeira vez. O homem, assim como a mulher, é um ser o qual deveria ter mais contato com o pensamento feminista, pois ele nada tem a ver com aquela imagem de mulheres bizarras e sem beleza que circula na mente de pensadores reacionários.

O feminismo, ao menos na concepção existencial de Simone de Beauvoir usa a lógica de que todo ser humano é condenado a ser livre. A mulher, como ser humano, é embarcada por essa lógica. A liberdade a qual ela é condenada permite que ela se relacione com quem quiser, escolha a profissão que quiser, saia com quem quiser, beije quem quiser, durma com quem quiser, viva com quem quiser, escolha o que quiser. A mulher luta ainda por essa liberdade a qual ainda é negada por seres que negam a profundidade do pensamento feminista utilizando discursos reificados e ilógicos defendendo ardorosamente a certeza de que mulher deve ficar na cozinha e de que mulher com mais de um homem não é mulher decente.

O mais lamentável de tudo isso é que não apenas homens defendem tais arbitrariedades. Mulheres também riem de movimentos feministas dando a tais movimentos rótulos pejorativos. Mas as mesmas mulheres as quais tão perniciosamente pisoteiam na luta feminista são as mesmas que gostam de trabalhar de carteira assinada, de votar, de saírem quando quiserem de casa, de poderem estudar e ter uma carreira, de poderem ir a uma festa e flertar descompromissadamente com qualquer cara, etc. A mesma mulher que tão mal avalia o feminismo em seu Facebook não tem a noção de que só faz aquilo porque há muito tempo mulheres e homens feministas (sim, eles existem!) lutam pelo direito de expressão feminina na forma de sufrágio, marchas e educação formal no mesmo nível da de um homem.

Simone descreveu bem as amarras nas quais a mulher encontrava-se e encontra-se ainda presa. Foi alvo de críticas pesadas por conta de suas defesas para com o aborto, a pílula anticoncepcional e a sexualidade livre das mulheres. Tanto seus livros literários, quanto suas autobiografias, novelas e este belo ensaio, quanto a sua militância são provas de que para Simone o feminismo era tão somente a preocupação da mulher em ser mulher plena: livre. Como qualquer homem.
    
Mas este “como qualquer homem” deve ser posto entre parênteses: afinal nós homens também estamos presos nas amarras de nosso meio social patriarcal. Ao ler este livro, pude me redescobrir e rever muitos erros de mulheres em meu passado. Pude entender como minhas neuroses por tentar fazer parte de um padrão viril me influenciaram negativamente no sentido de querer extrair da mulher o seu amor à força. Como qualquer homem de meu tempo, preciso lutar diariamente com a máscara da virilidade e ter certeza de que sendo homem ou sendo mulher há oito bilhões de pessoas no mundo, todas livres, mesmo em sua opressão diária, todas capazes de ver o mundo sem que tal visão seja condicionada de modo determinista pelo seu gênero. Hoje eu sei que ser livre é estar acima de uma imagem masculina e feminina.

Termino esta resenha em forma de crônica por necessidade. O Segundo Sexo é um livro perturbador pois mostra que imagem nenhuma pode e deve coisificar o ser humano. Mostra também que as mais belas mulheres são aquelas que não aceitam tão somente ser o que os outros planejaram há milênios, e sim o que elas querem ser.

***

Rafael Kafka é colunista no Letras in.verso e re.verso. Aqui, ele transita entre a crônica (nova coluna do blog) e a resenha crítica. Seu nome é na verdade o pseudônimo de Paulo Rafael Bezerra Cardoso, que escolheu um belo dia se dar um apelido que ganharia uma dimensão significativa em sua vida muito grande, devido à influência do mito literário dono de obras como A Metamorfose. Rafael é escritor desde os 17 anos  (atualmente está na casa dos 24) e sempre escreveu poemas e contos, começando a explorar o universo das crônicas e resenhas em tom de crônicas desde 2011. O seu sonho é escrever um romance, porém ainda se sente cru demais para tanto. Trabalha em Belém, sua cidade natal, como professor de inglês e português, além de atuar como jornalista cultural e revisor de textos. É formado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará em Letras com habilitação em Língua Portuguesa e começará em setembro a habilitação em Língua Inglesa pela Universidade Federal do Pará. Chama a si mesmo de um espírito vagabundo que ama trabalhar, paradoxo que se explica pela imensa paixão por aquilo que faz, mas também pelo grande amor pelas horas livres nas quais escreve, lê, joga, visita os amigos ou troca ideias sobre essa coisa chamada vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232

Instrumental, de James Rhodes