Postagens

Mostrando postagens de Maio 9, 2013

O sol, de Aleksandr Sokurov

Imagem
Por Pedro Fernandes



Quando estou diante de filmes cuja narrativa é arrastada como em O sol, segundo filme da tetralogia sobre o poder de Aleksandr Sokurov – os outros são Moloch, Taurus e Fausto – eu costumo aplicar um teste de resistência que se mantém com o desejo inconsciente (já me explico o porquê) de encontrar em qualquer esquina trama o elemento que me seja a grande surpresa. Há casos em que ele vem e o filme se desfaz; há casos que ele não vem e o filme é perfeito. No filme de Sokurov, acontece a segunda via. Mas, quando falo sobre o ‘desejo inconsciente’ é porque esse elemento surpresa não vem do telespectador para o filme, mas pelo trajeto contrário, isto é, do filme, mais especificamente, do modo como o cineasta concebe a arquitetura da narrativa do filme, para o telespectador.
Esse trabalho já foi lido pela crítica à semelhança de outro filme sobre o fim de um estado de opressão – A queda, cujo protagonista é Adolf Hitler e a trama as últimas horas do regime nazista. Algu…