sexta-feira, 21 de junho de 2013

Seara de Vento, de Manuel da Fonseca


Por Pedro Belo Clara




Neste artigo de estreia, trago até si, estimado leitor, a principal obra de um dos maiores vultos do Neo-realismo português. Embora não aprecie particularmente as comparações, tampouco as incremente ou incentive – por senti-las uma espécie de veneno do talento e da preciosa individualidade de um autor –, poderei dizer, com o vero intuito de elucidar o leitor, que se os americanos tiveram John Steinbeck, os portugueses contaram com Manuel da Fonseca. De facto, as semelhanças entre ambos são diversas, embora um não seja a expressa cópia do outro (ainda que tivessem sido contemporâneos). Cada um vale e se afirma por si mesmo em sua valorosa actividade – que tal nunca seja colocado em causa.

Nascido na secura das infindas planícies alentejanas, Manuel da Fonseca trouxe sempre a atmosfera da sua região natal consigo, reflectindo-a em diversos trabalhos, como se de um fidedigno espelho se tratasse. As histórias que viveu, testemunhou ou simplesmente escutou, bem como o cenário ao qual nunca deixou de pertencer, povoam os seus romances, poemas, contos e crónicas de uma forma perfeitamente natural. Por outras palavras, encontrou o lar dentro de si mesmo; e, por isso, cada coisa que fazia se impregnava dos seus elementos. Mas algo mais conferia substância ao trabalho deste autor: a sua consciência social, traduzida pela luta democrática que levou a cabo em duros tempos ditatoriais. Seara de vento é um fiel exemplo dessa intenção de crítica e de denúncia.

Mesmo não sendo um romance estritamente ficcional, uma vez que se baseia na “tragédia do Monte da Pereira” (ocorrida no Alentejo, durante os anos 30 do século passado), representa um mote de resistência e de união do povo, fraco e oprimido, contra as constantes injustiças do mundo social. De facto, dificilmente se olvida o épico desfecho, a derradeira imagem cravada pelo autor com toda a intencionalidade, em que a camponesa Amanda Carrusca, mulher já dona de uma certa idade, se prepara para resistir à investida de um guarda policial – mesmo sabendo que «um homem só nada pode». É claro que diversos motivos a levaram a tal acto, sendo através deles que, translúcida, se poderá compreender a ideia da inevitável luta de classes, a origem de toda a mal fadada ocorrência, onde a dívida sempre é paga por quem não a contraiu.

Apesar de algumas intenções criminosas que, aqui e ali, vão polvilhando o relato, o primordial propósito deste romance é amplamente servido: o anúncio da revolta crescente contra o desmesurado poder das classes mais ricas, nele bem personificadas, e as injustas consequências e condenações de seus incriminatórios actos. E é esse comportamento que, na obra, instiga o homem comum, sedento de justiça, levando-o até ao débil limiar da sua consciência. Então, desprovido de (quase) tudo, luta pela derradeira de suas posses – a integridade. É precisamente por isso que entendemos, em “Seara de Vento”, o grito de revolta e o alerta de Manuel da Fonseca para certas realidades que se inclinavam para tombar num esquecimento tendencioso.

Além da sua principal substância, a obra enquadra-se de forma lúcida e competente naquilo que mais pretende sugerir e fazer sentir. O uso de imagens que insinuam sombras e negrumes, os uivos do obstinado vento que vagueia pelo monte como um tenebroso espectro, os recantos obscuros da casa da família, a dor calada no peito de cada personagem central… Tudo contribui para adensar a penumbra de um clima bem real e cru; de certa forma, a deplorável decadência que a todos assolava. E é aqui que Manuel da Fonseca, mais do que nunca, revelou parte de sua mestria literária – na construção dos cenários que ao romance servem de fundo. Sem esquecer, contudo, as constantes denuncias das sociais ocorrências de um Portugal pobre e pouco instruído, governado apenas por e para alguns – os fiéis a um regime fascista que vigoraria por mais de quarenta anos.

 ***

Com este texto, Pedro Belo Clara abre sua participação no Letras in.verso e re.verso. Por decisão do editor do blog preservamos o grafia original portuguesa. Nascido em Lisboa, Pedro é formado em Gestão Empresarial e pós-graduado em Comunicação de Marketing. Atualmente centrado em sua atividade de formador e de escritor, participou, com seus trabalhos literários, em exposições de pintura e em diversas coletâneas de poesia lusófona, tendo sido igualmente preletor de sessões literárias. Colaborador e membro de portais artísticos, assim como colunista de revistas e blogues literários, tanto portugueses como brasileiros, é autor dos livros A Jornada da Loucura (2010), Nova Era (2011) e Palavras de Luz (2012) – sendo os dois primeiros de poesia. Outros trabalhos poderão ser igualmente encontrados nos blogues pessoais do autor – Recortes do Real (artigos e crônicas diversas) e O Manifesto (artigos políticos).