Boletim Letras 360º #56

Para relembrar Rimbaud. Rimbaud na África.



Um dia depois da maratona poética pelo Dia Nacional da Poesia, ainda há muita poeira de palavras esperando a leitura de nossos leitores. Há uma série de 18 poemas que está em votação para dar um título à escolha dos participantes aos três primeiros lugares. No domingo divulgaremos os nomes dos ganhadores. Fiquemos com as notícias que circularam durante a semana em nossa página no Facebook e outros adendos. Votem aqui.


Segunda-feira, 10/03

>>> Brasil: Novo romance de Milan Kundera chega em agosto

Desde 2002 que não é publicado do escritor nenhum título do gênero. O longo jejum terá seu fim. A Companhia das Letras publica em agosto A festa da insignificância. No novo romance do autor de A insustentável leveza do ser, Alain vagueia por Paris num dia de verão, se depara com a última moda (calça de cintura baixa e barriga à mostra) e reflete sobre como a sociedade contemporânea colocou o umbigo no centro do erotismo. A obra alterna as reflexões do protagonista e de seus amigos, que levam uma vida esvaziada na capital francesa, com seus encontros e memórias que remontam ora ao stalinismo ora à contemporaneidade, sempre remetendo à insignificância da existência humana.

>>> Alemanha: Notas e desenhos de Alexander von Humboldt restaurados

A Biblioteca Nacional de Berlim acaba de apresentar ao público a edição restaurada dos diários que recolhem as notas e desenhos de Alexander von Humboldt em sua viagem de exploração conhecida como "o segundo descobrimento da América". O cientista alemão partiu do Porto La Coruña em 1799 para empreender uma aventura que o levou a Cuba, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, México e Estados Unidos. Suas observações – imprescindíveis para o conhecimento da América – podem agora serem apreciadas em mais de 4.000 páginas, escritas entre 1799 e 1804. A coleção, que foi adquirida recentemente pela Fundação do Patrimônio Prussiano, como arquivo raro, teve sua odisseia: foi confiscada pelo Exército Soviético ao fim da II Guerra Mundial, que a guardou na Biblioteca de Moscou. Em 1959, os papeis de Humboldt regressaram a Berlim; e em 1990 foram restituídos ao herdeiro legítimo do explorador que diz ter dado 12 milhões pelos papeis.


Terça-feira, 11/03

>>> Brasil: Frida Kahlo em Curitiba

A relação da artista mexicana com a fotografia é o mote da exposição que o Museu Oscar Niemeyer vai inaugurar no dia 17 de julho: "Frida Kahlo – suas fotografias", com curadoria do fotógrafo e historiador Pablo Ortiz Monasterio. O Facebook do MON publicou uma parte do texto de Monasterio, que enfatiza a relação especial de Frida com a fotografia, principalmente pela influência de seu pai, Guillermo, e de seu avô materno, que eram fotógrafos. Segundo o MON, a mostra trará somente registros fotográficos da mexicana, e não de suas obras. O museu será o único no Brasil a abrigar uma mostra ampla com momentos essenciais do cotidiano da pintora.

>>> Brasil: Sade inédito

Em dezembro deste ano inteira 200 anos da morte do Marquês de Sade. Até lá, a Editora Iluminuras publica Justine ou os infortúnios da virtude, texto de 1791 e ainda inédito no Brasil. Esta uma das três versões escritas pelo francês para seu romance mais famoso. Já em 2009, a mesma editora havia editado a primeira versão – Os infortúnios da virtude.

>>> Estados Unidos: Aplicativo promete multiplicar nossa capacidade de leitura

Já está em fase de testes; trata-se de um software desenvolvido pela Spritz, empresa com sede em Boston. E promete desenvolver nossa capacidade de leitura para processar até 1.000 palavras por minuto. Embora tenha havido um punhado de aplicativos projetados para nos ajudar a aumentar a velocidade de leitura no passado, a tecnologia prometida pela Spritz tem seu diferencial: transformado num aplicativo que pode ser baixado em quaisquer dispositivos móveis, a invenção se baseia na noção de que o posicionamento de uma palavra é uma variável crucial ao longo de um texto. Ao invés de apenas executar as palavras em rápida sucessão, Spritz fixa-se no elemento central de cada palavra e a desenvolve em torno dele. Isso permite o leitor a identificar a palavra antes de sua totalidade – coisa que já fazemos, mas faremos com mais rapidez usando o aplicativo. O programa usado por leitores em teste já alcançou 250 palavras por minuto, mas insiste que, quando tudo estiver de fato em ação, 1.000 palavras por minuto será balela para nossos olhos e cérebro. Isso significa dizer que poderemos ler Harry Potter e a Pedra Filosofal, por exemplo, em 77 minutos aproximadamente.


Quarta-feira, 12/03

>>> Portugal: Florbela Espanca para os selos dos Correios

A poeta é tema de uma série lançada pela agência portuguesa; esta série será publicada já a partir do dia 24 de março. O selo para correio nacional reproduz a imagem de Florbela tendo como plano de fundo o manuscrito do poema “Ser poeta” a partir do arquivo original disponível na Biblioteca Pública de Évora – instituição que detém parte do seu espólio.

>>> Brasil: Título de Ernest Hemingway há anos fora de catálogo será publicado

A proposta integra o trabalho de reedição da obra do escritor estadunidense pela Bertrand Brasil. O jardim do Éden é um romance inacabado e ganha além de nova edição nova tradução. Além do título a editora se prepara para publicar Tempo de viver e Tempo de morrer; tudo é uma questão de tempo.


Quinta-feira, 13/03


>>> Brasil: A lista de reedição da obra de Octavio Paz segue

Depois de O arco e a lira e Os filhos do barro, a Cosac Naify apresenta O labirinto da solidão. Vasto painel histórico e psicológico do México, a obra, lançada em 1950, é definitivamente um poderoso ensaio de antropologia cultural. A edição inclui ainda uma entrevista de 1975 com o autor. Aproveitando a ocasião, divulgamos ainda o link para acesso ao site especial desenvolvido para dar conta do centenário do escritor mexicano. A imagem que ilustra este post é de .

>>> Estados Unidos: Exercícios de autorrevisão: Philip Roth relê seus 31 livros depois de anunciar que não mais escreverá (comentamos sobre essa ausência do escritor para as letras dia desses por aqui)

“Todo mundo tem um trabalho duro. Todo trabalho real é duro. Aconteceu de meu trabalho ser também impossível de fazer. Por 50 anos, toda manhã eu encarava a próxima página indefeso e despreparado. Escrever era para mim um feito de autopreservação. Se eu não o fizesse, morreria. Então eu fazia. Obstinação, e não talento, foi o que salvou minha vida. Também tive a sorte de não me importar em atingir a felicidade e de não ter nenhuma compaixão por mim mesmo. Agora, por que tal tarefa caiu sobre mim, não faço a menor ideia. Talvez escrever me protegesse de um destino pior." Veja a entrevista completa aqui.


Sexta-feira, 14/03

>>> China: Saramago para chinês ler

Chegou à China a tradução do romance Ensaio sobre a lucidez; o livro integra uma coleção dedicada aos Novos Clássicos, que inclui obras de Gabriel García Márquez, Haruki Murakami e outros autores. Além do título em questão, publica-se também Ensaio sobre a cegueira.  Os títulos ora publicados fazem parte do catálogo da Thinkingdom Media Group, considerada uma das maiores editoras privadas daquele país, estabelecida em Taiwan, Hong Kong e no continente chinês. O primeiro romance de José Saramago traduzido para o chinês foi Memorial do Convento, em 1997, lançado na ocasião com a presença do escritor português. Depois de tornar Fernando Pessoa Best-Seller, os chineses dão largada para mais um nome entre os seus preferidos.

>>> México: Viento entero, de Octavio Paz ganhará edição fac-símile

"O poema é uma situação de paisagens, situações e momentos..." assim inicia uma das passagens em que Octavio Paz se dirige ao seu editor Eliot Weinberger antes da publicação da edição de Viento entero. Por aqui o título ainda é inédito, e nos catálogos de venda, é produto raríssimo.  Era 1965. E o livro teve uma tiragem limitadíssima na Índia, quando o autor era o embaixador para aquele país. Três anos depois, Paz demitiu-se do serviço diplomático em protesto contra a sangrenta repressão do governo às manifestações estudantis durante os Jogos Olímpicos no México. Foram 197 exemplares assinados pelo autor. Agora, a obra ganhará uma edição fac-símile.
               
>>> Paris: Foto de Rimbaud do início dos anos 1880 recém-descoberta (imagem)

Tem algum tempo que demos com uma fotografia em que se mostra o poeta sentado numa varanda do Hotel de l’Univers, em Aden, na Abissínia. O arquivo foi encontrado por acaso por dois livreiros numa feira de rua de antiguidades. A imagem, a única que existe de boa qualidade mostrando Rimbaud, apresenta-o entre um grupo de seis homens e uma mulher e fazia parte de um conjunto de imagens de Aden; o que chamou a atenção de Desse e Caussé (os livreiros) é o escrito na parte de trás: Hotel de l’Univers – um dos dois estabelecimentos hoteleiros administrados por franceses na colônia africana, e precisamente aquele em que Rimbaud esteve instalado, onde viveu os últimos anos da sua vida, antes de morrer em França, aos 37 anos. São muito raras as imagens de Rimbaud durante o período em que viveu em África, e em nenhuma é possível distinguir claramente os traços do seu rosto. Na que agora os dois livreiros divulgaram o rosto vê-se nitidamente, os olhos tristes, um pequeno bigode. Para confirmarem as suspeitas de que poderia tratar-se do poeta, os dois homens pediram a ajuda de Jean-Jacques Lefrère, um dos biógrafos de Rimbaud, que, ao fim de uma investigação, e de comparações com as imagens de adolescência do poeta, confirmou que se trata efetivamente dele.

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro