Uma novela (de humanidade) exemplar

Por Thiago Gonzaga



O clássico autor argentino Jorge Luis Borges dizia que o livro era o mais espetacular dos instrumentos utilizados pelo ser humano, pois ele atua como uma extensão da memória e da imaginação. O escritor Marcos Medeiros, com sua nova obra, faz jus a esta famosa citação. Com muita criatividade e domínio, ele criou uma história cativante e envolvente que demonstra tanto a utilidade quanto a função humanizadora da literatura em nossas vidas.

Como toda manifestação artística, a literatura acompanha a trajetória humana, e por meio de palavras, ela constrói mundo familiares, em que pessoas semelhantes a nós vivem problemas idênticos aos nossos. É a narrativa do jovem Felisberto, que desde que nasceu enfrenta os entraves da vida. A obra literária, neste caso o livro Aflições de um sonhador, também exprime, pela criação ficcional, reflexões e emoções que parecem ser tão nossas quanto as de quem registrou.

Aflições de um sonhador têm várias passagens que demonstram algumas das funções da literatura, dentre elas levar o homem a reflexão, ao afinamento das emoções, à disposição para com o próximo, entre outras.

É importante enfatizar que,  para  que o  mundo literário ganhe vida, precisamos habitá-lo. Em outras palavras, temos que aceitar o convite feito pelo autor para entrarmos, sem medo, nos caminhos criados pela ficção. E essa é a proposta do escritor Marcos Medeiros em sua nova obra.

Segundo Antonio Candido, um dos maiores críticos de literatura do pais, toda obra literária é antes de qualquer coisa uma espécie de objeto, de objeto construído; e é grande o poder humanizador desta construção, enquanto construção.

Por meio da historia de Felisberto, a literatura de Marcos Medeiros, acaba de nos oferecer possibilidades de resposta a indagações comuns em todos os seres humanos. Sua obra, querendo ou não, nos faz esperar respostas que deem sentido à nossa existência, que nos ajude a compreender um pouco mais de nós mesmos e da nossa vida.

Trilhar esse caminho da literatura nos põe em contato direto com a nossa humanidade e ajuda a revelar um pouco mais de nós mesmos.


***

Thiago Gonzaga é colunista no Letras in.verso e re.verso. Nasceu em Natal, é graduado em Letras e especialista em Literatura Potiguar pela UFRN. Autor dos livros Nei Leandro de Castro 50: anos de atividades literárias e Literatura Etc. Conversas com Manoel Onofre Jr. Dentre os vários trabalhos inéditos que possui destacam-se Novos Contistas Potiguares e Personalidades Literárias do RN. Como pesquisador da literatura do estado criou o Blog 101 livros do RN (que você precisa ler), com interesse por autores e livros locais sob diversos aspectos.


Comentários

Cida disse…
Grande professor Marcos.
Incansável escritor, de variadas vertentes.
Devo ler essa obra muito em breve.
Priscila Rosa disse…
Parabéns pelo site.
Estava procurando algo de literatura potiguar
e achei aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói