Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Boletim Letras 360º #65

Imagem
Para que ninguém seja pego de surpresa e também para ir alimentando sua sorte desde já, é para breve nossa próxima promoção no Letras. Estejam atentos, portanto! Há muito que estamos devendo essa e, lembrem-se, a gente tarda, mas não falha. Esta semana, por aqui, foi de muito trabalho; foi de textos excelentes no blog; foi de notícias muito boas nas redes sociais – a lembrar mais um galardão do Prêmio Camões para um escritor brasileiro – enfim, para não perder de vista o que foi notícia, o já tradicional BO  Letras 360º. Boas leituras!

Segunda-feira, 26/05
>>> Inglaterra: Ouvir J.R.R. Tolkien
Protegida por um fã, uma fita contendo um discurso perdido do escritor J.R.R. Tolkien está em processo de restauração para ser liberada ao público. A fita, que estava há 20 anos guardada no acervo do colecionador holandês de memorabília tolkianesca René van Rossenberg, em Roterdã, contém um poema inédito em "élfico", o idioma dos Elfos, criado pelo autor. Ela também teria um t…

Paz de Espírito

Imagem
Por Rafael Kafka


Essa é mais uma crônica que começa citando Sartre. Fazer o quê se desde um pouco antes de começar a escrever no Letras eu já estava imerso no existencialismo como uma forma de cura para os meus problemas? Peço perdão aos meus leitores.
Um dos livros dele mais interessantes lidos por mim foi As Palavras. Creio nunca ter falado desse livro em uma resenha especificamente, mas vivo a citá-lo em diversos textos por conta da retomada que Sartre faz de sua infância. Algumas pessoas, como Nelson Rodrigues, não acreditam na forma como o autor de O Ser e o Nada  desenvolve a reconstrução de sua infância. Para elas, aquilo é um personagem criado pelo existencialista para justificar o seu modo de ser.
Apesar de ter ficado abismado com uma argúcia de pensamento muito assustadora para mim em uma criança de seis anos de idade, confesso que o retrato do jovem Jean-Paul Sartre muito me tocou. Mesmo sendo um livro curto, As Palavras consegue ser intenso e memorável: nele vemos o gênero…

Refém da paixão, de Jason Reitman

Imagem
Depois de Amor sem escalas, filme sobre o qual deixamos algumas notas aqui, e de Juno, o trabalho mais bem elaborado e aceito positivamente pela crítica, Reitman mantém-se numa dura linha de decaída desde a apresentação de Jovens adultos. Ainda assim, Refém da paixão é um filme mediano, recupera uma era de Hollywood para os romances açucarados, e merece um pouquinho da atenção do público – principalmente os interessados em se soltar da rotina e preencher o tempo com um divertimento, mesmo não sendo esta obra uma comédia. Pelo contrário, consegue criar uma atmosfera de tensão permanente desde o início até o fim da narrativa, estando, portanto, mais para um trihller com pitadas de romance. O estilo de Reitman com este filme é sisudo. 
Não é uma produção com enredo complexo ou plano mirabolante de narração; é um filme que exige muito dos atores porque toda a construção da tensão narrativa depende de suas atuações. E tanto Kate Winslet, no papel de Adele, uma mãe solitária e deprimida, q…

Na dimensão do avesso: personagens de Lewis Carroll

Imagem
Por Alfredo Monte



1. ALICE
“Meu querido Charles,
Você pode confiar em que não esquecerei  da sua encomenda. Assim que chegar a Leeds, começarei a gritar, no meio da rua ´Ferrageiros´, `Ferrageiros´. Seiscentos homens acorrerão de uma loja num instante, voando de todas as direções, os sinos tocarão, a polícia será convocada, a cidade será incendiada. Eu HEI de conseguir uma lima e uma chave de fenda e uma argola, e se essas coisas não forem trazidas imediatamente, em quarenta segundos, não deixarei pedra sobre pedra em toda a cidade de Leeds, e a única coisa que sobreviverá será um gatinho, porque não sei se terei tempo de matá-lo. Então haverá gritos e arrancar de cabelos! Porcos e bebês, camelos e borboletas, rolando juntos na sarjeta, mulheres velhas tentando escapar pelas chaminés e vacas correndo atrás delas, patos escondendo-se em xícaras de café e gansos gordos espremendo-se em estojos de lápis. Finalmente, o prefeito será encontrado em um prato de sopa coberto com creme e será …

As ilustrações de Carybé para Macunaíma, de Mário de Andrade

Imagem
Macunaíma é uma obra síntese da virada porque passou a literatura brasileira. Única naquela ocasião por redesenhar as fronteiras da identidade de um povo que, passado muitos anos de sua independência, ainda insistia com a aquela dependência cultural dos modelos europeus. Publicada em 1928, a obra com o subtítulo “o herói sem nenhum caráter” foi escrita em pouco mais de um mês – dezembro de 1926 – e passou por sucessivas revisões até ficar ponta. Apropriando-se da trajetória errante do herói clássico, a narrativa é também uma epopeia do herói da nossa gente, nascido no “fundo do mato-virgem”, às margens do rio Uraricoeca, descendente da tribo dos tapanhumas, em busca da famosa pedra muiraquitã.
Mário de Andrade, concorda Antônio Bento com o já afirmado pela crítica nacional “foi na verdade o grande bandeirante e desbravador da cultura nacional de seu tempo. Queria que os brasileiros escrevessem mais ou menos como o povo fala comumente neste país. Pretendia mesmo estruturar uma língua n…

Com as flores do salgueiro, de Albano Martins

Imagem
Por Pedro Belo Clara



Das vastíssimas obras que ostentam o cunho deste autor nascido em 1930 no concelho do Fundão, Beira-Baixa, escolhe-se para motivo desta coluna uma que, de tão breve, arrisca-se a passar despercebida ao olhar do leitor mais incauto. Contudo, pela sua peculiaridade, importa não a condenar ao olvido. Ainda para mais sabendo que a edição da mesma não se realizou através dos meios oferecidos pelas editoras mais experimentadas, ficando essa – a edição – ao cargo da Universidade Fernando Pessoa, no Porto, que em 1995 a deu à estampa – o que desde logo, com os devidos respeitos prestados, tende a limitar a global divulgação de um trabalho, seja ele poético ou não.
A génese suprema que sustenta a singularidade do trabalho prende-se com o facto de o mesmo se tratar de uma colecção de haikus, estilo poético de raiz oriental que em passadas ocasiões foi aqui abordado. Como se poderá depreender, a prática do haiku é algo incomum nos autores portugueses. A tal raridade instigará…

Boletim Letras 360º #64

Imagem
Mudanças na página do Letras no Facebook e não foi porque queremos. Foi imposta. Até o dia 6 de junho todas as páginas na rede social terão este novo e feio visual. O cúmulo do mal gosto. Quando tudo começou também era e foram feitas alguns aperfeiçoamentos que deram alguma beleza na linha do tempo. Agora, voltamos as origens e voltamos pior. Mas, fazer o quê? Seguimos adiante!

Segunda-feira, 19/05
>>> Estados Unidos: A menor HQ está desenhada num fio de cabelo
Até mesmo um fio de cabelo humano perfeitamente liso parece uma escamosa criatura alienígena sob um microscópio. Mas, há um fio de cabelo em particular: o em que foi gravada a HQ Juanita Knits the Planet. A história em quadrinhos foi desenhada num fio de cabelo usando um feixe de íons focalizado. Trata-se de uma narrativa microscópica criada para o Encontro de Software Hardware na Alemanha. Neste vídeo disponível no Youtube, a explicação de como foi feito o desenho.
>>> Brasil: Dalton Trevisan repaginado
Há al…