Campeões

 Por Ferreira Gullar


© Márcio Petini


Não sei quem terá escapado à atmosfera de alegria e pânico em que o Rio mergulhou  nestas últimas semanas com os últimos jogos da Copa do Mundo. Sem saber como nem porque, vi-me de repente de ouvido grudado ao rádio, submetido a uma tortura diabólica: era como se cargas de eletricidade (ou o que fosse) me entrassem pelo ouvido numa frequência poderosa e instável que ora me fazia suar frio ora estremecer de expectativa e apreensão.

Vejo-me agora, de longe. Prometeu doméstico com um abutre a me devorar pelo ouvido. Eu mesmo ligara o aparelho de tontura, eu mesmo cuidava dele regulando cuidadosamente o volume e a clareza do som, e se qualquer coisa interceptava a transmissão e de deixava livre por um segundo, tinha ímpetos de arrebentar o rádio, porque eu queria ser torturado! Vivia o drama de quase 60 milhões de expectativa e apreensão. Vejo-me agora, de longe. Prometeu do Brasil.

Confesso que há muitos anos o futebol deixara de me interessar. A derrota de 1950 no Maracanã – que me atingiu com a mesma força na distante São Luís do Maranhão – tornou-me um descrente do nosso futebol. Em 1954, ouviu por acaso alguns jogos, e a Hungria confirmou meu pessimismo. Por isso segui, entre aterrorizado e comovido, o desenrolar das partidas do selecionado brasileiro neste campeonato de 58. A qualquer hora – pensava – uma França ou uma Suécia dessas acaba com nossa alegria. E quanto mais perto chegávamos do título máximo, maior era o medo da derrota. Mas quando me sentei para ouvir o jogo de domingo, já não me permitia pensar assim; tinha a impressão de que, se perdêssemos aquele jogo, haveria suicídios coletivos, o Palácio da Alvorada daria um estalo e cairia em pedaços, o rio sumiria engolido pela Guanabara.

Querendo crer na vitória liguei o rádio e já a Suécia abria a contagem! Esfriei. A tragédia  esboçava...

É por isso que ainda não consegui acreditar mesmo que somos os campeões do Mundo, que Vavá empatou e desempatou, que o garoto Pelé fez o diabo com os louros suecos. Desculpe-me o Armando Nogueira se falo com tanta intimidade dessa gente que é sua, do fabuloso Garrincha, que confirmou sua tese. Enfim, que me perdoem os  rapazes da imprensa esportiva, os fãs desvairados do futebol, mais merecedores do que eu dessa vitória espetacular: devemos também a eles um domingo de felicidade nacional e a euforia com que todos acordaram esta semana para recomeçar a vida. A cidade hoje vai parar para abraçar os seus heróis.

Viva o Brasil do Rei Pelé.

* Numa entrevista concedida no final do mês de dezembro de 2011 para a Newsletter do Museu do Futebol (edição nº 10/janeiro de 2012) Ferreira Gullar comenta sobre suas aproximações com o futebol: “Na infância, jogava bola com os amigos, aquelas tradicionais peladas. Foi nessa época que joguei ao lado do Canhoteiro. Éramos muito garotos, eu tinha 10 e ele 8 anos. Ali, mesmo com pouca idade, ele já dava todos os sinais de que seria um grande craque. Aí, na adolescência, cheguei a atuar como centroavante do time juvenil do Sampaio Correa, no Maranhão. Mas logo tive uma contusão e decidi que futebol não era para mim”. Vascaíno, a paixão pelo time carioca começou de menino: “tinha uns 13 anos, e gostava muito de jogar futebol de botão. Estava à procura de um nome para o meu time quando chegou em casa uma revista muito famosa na época, que sempre contava a história dos grandes clubes do Rio e de São Paulo. E naquela edição falava-se do Vasco. A partir de então, passei a acompanhar os jogos do clube, sempre pelo rádio. Minha relação com o Vasco começou por acaso.” Por fim, comenta sobre o seu poema mais famoso, “O Gol”: “esse poema me foi encomendado pelo Elio Gáspari. Ele estava fazendo um livro e me pediu um poema sobre futebol, e aí me veio isso… Porque poema não é uma coisa deliberada, em que você escolhe sobre o que vai falar. Ele depende de fatores aleatórios, então é difícil dizer por que escolhi falar sobre o momento do gol. O poema nasce da necessidade de nascer. Há alguns dias aconteceu algo assim: eu me levantei para atender ao telefone quando senti um atrito entre um osso do fêmur e um osso da bacia. Achei engraçado porque, embora saiba que sou feito de osso, não havia me dado conta disso até aquele momento. Então comecei a fazer uma série de perguntas a partir desse acontecimento aparentemente sem importância. E acabei criando um poema que eu chamei de “Acidente na Sala”. Você veja que coisa: eu fui atender ao telefone e acabei ganhando um poema!”


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236