A lista de leituras de Ariano Suassuna


Ariano Suassuna numa de suas viagens. Recentemente um foto do gênero tornou-se viral na web, mas a prática há muito que já era comum do escritor: descansar para uma leitura. Registro do livro O decifrador, do genro Alexandre Nóbrega.

Que obras estão na estante de um escritor ou lhe servem como espaço de construção de sua obra ou mesmo lhe serve ao deleite? Todo escritor terá suas obras prediletas seja qual for a especificidade da lista. Para o livro Ariano Suassuna, um perfil biográfico publicado pela Zahar Editora, de Adriana Victor e Juliana Lins, o próprio Ariano escreveu uma lista de obras da literatura, brasileira e mundial, que influenciaram a sua formação de escritor. São mais de 43 livros que vão desde as primeiras leituras aos 17, 18 anos. A ordem é cronológica: "do menino de Taperoá ao jovem estudante do Recife". Trata-se de uma lista um tanto extensa se pensarmos em algumas que já colecionamos por aqui, mas um itinerário fabuloso do escritor de Auto da Compadecida.

1. Coletânea O tesouro da juventude, de autores diversos. Entre os volumes mais lembrados estão O livro dos porquês e O livro dos contos.
2. Obras completas, de Monteiro Lobato, um presente da mãe, dona Rita
3. Tarzan, de Edgar Rice Burroughs
4. Scaramouche, de Rafael Sabatini
5. Beau geste, de Percival Christopher Wren
6. Através do Brasil, de Olavo Bilac e Manoel Bonfi m
7. História do Brasil para crianças, de Viriato Correia
8. Os olhos velados de Londres, de Edgar Wallace
9. Os três mosqueteiros, de Alexandre Dumas
10. Violeiros do Norte, de Leonardo Mota

11. Cantadores, de Leonardo Mota
12. Contos populares do Brasil, de Silvio Romero
13. Coração, de Edmondo D'Amicis
14. O guarani, de José de Alencar
15. Doidinho, de José Lins do Rego
16. Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
17. Quincas Borba, de Machado de Assis
18. Os Sertões, de Euclides da Cunha
19. A carne, de Júlio Ribeiro
20. O cortiço, de Aluízio Azevedo

21. A cidade e as serras, de Eça de Queiroz
22. A correspondência de Fradique Mendes, de Eça de Queiroz
23. Os Maias, de Eça de Queiroz
24. Assim falou Zaratustra, de Friedrich Nietzsche
25. Origem da tragédia, Friedrich Nietzsche
26. A ilustre casa de Ramires, de Eça de Queiroz
27. Dom Sebastião, rei de Portugal, de Antero de Figueiredo
28. A velhice do padre eterno, de Guerra Junqueiro
29. Toda a obra de Émile Zola
30. Terras do sem-fim, de Jorge Amado

31. Pedra bonita, de José Lins do Rego
32. Épocas e individualidades, de Clóvis Beviláqua
33. Caminhos cruzados, de Érico Veríssimo
34. Saga, de Érico Veríssimo
35. Crime e castigo, de Dostoievski
36. O idiota, de Dostoievski
37. Os demônios, de Dostoievski
38. Os irmãos Karamazov, de Dostoievski
39. Dom Quixote, de Miguel de Cervantes
40. Novelas exemplares, de Miguel de Cervantes

41. Guerra e paz, de Liev Tolstói
42. Anna Kariênina, de Liev Tolstói
43. Eu, de Augusto dos Anjos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A atualidade da tragédia grega

É urgente redescobrir a poesia de Hilda Hilst

Ernesto Sabato, algum testamento

Dezesseis obras imprescindíveis ganhadoras do Prêmio Pulitzer

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

Boletim Letras 360º #216

A violência como produto humano

Café Society, de Woody Allen

A genial arte de escrever em pé

Mães de tinta e papel: onze livros