Boletim Letras 360º #72

João Ubaldo Ribeiro. Foto: Priscila Azul


Outra semana assim não se faz. Que a vida é além de tudo um acúmulo de perdas, tudo bem. Mas, duas dessa natureza e num curto espaço de tempo, é muita dor: falamos da ausência física de Nadine Gordimer e de João Ubaldo Ribeiro, dois mestres da ficção.  Enfim, é este um boletim de luto e a lembrança dos dois estará por cada canto desses recortes da semana.

No Facebook do Letras, iniciamos algumas novidades nessa semana. Para que tudo lá não vire um eterno marasmo, temos buscado inventar coisas. Dar movimento à página é uma necessidade ainda porque a política grosseira do Facebook em não colocar tudo o que publicamos aos olhos dos que nos seguem é ferrenha. Entre essas ideias, uma delas é a criação de enquetes: algumas perguntinhas curiosas porque queremos conversar com os leitores. Ao final deste boletim, deixamos o link para acesso a ideia. Uma enquete nova será aberta a cada domingo.


Segunda-feira, 14/07

leia sobre a escritora

>>> Brasil: Nova biografia de Eça Queiroz 

Com alguns meses de atraso – o anúncio era para março deste ano (cf. divulgamos aqui) – chega às livrarias Eça de Queiroz, uma biografia. O catatau de seiscentas páginas escritas por A. Campos Matos reúne não apenas a informação sobre a vida do escritor, acompanhada de iconografia, e também reflexões críticas. A obra permite uma visão aprofundada do percurso ideológico do autor e da repercussão da sua obra e da sua figura pública entre os contemporâneos. Escrito inicialmente para o público francês, a obra foi publicada em Paris, de forma simplificada. Para a edição portuguesa, publicada em 2009, na cidade do Porto, o texto foi ampliado, mantendo a sua estrutura. Para essa edição brasileira, a obra foi revista e ampliada, o autor introduziu alguns complementos aos retratos psicológicos de Eça e de Emília de Castro, sua mulher.

>>> Brasil: Uma antologia para Jorge de Lima

Desde 2013 a Cosac Naify deu início a empreitada de reeditar a obra do brasileiro Jorge de Lima, um dos principais nomes da nossa poesia. Depois da bela edição de Invenção de Orfeu, chega às livrarias Antologia poética – livro que é vistoria da trajetória do poeta com versos de inspiração parnasiana e simbolista a poemas centrais do modernismo e da poética de preocupações religiosas. Organizada por Fábio de Souza Andrade, um de seus mais renomados estudiosos, a obra é porta de entrada para todos os que desejam conhecer essa figura tão singular da poesia brasileira.


Terça-feira, 15/07

>>> Brasil: A tradução de duas tragédias gregas 

A Editora 34 apresenta As Traquínias, de Sófocles, e o Héracles, de Eurípedes – únicos títulos que trazem o grande herói Héracles (ou Hércules, na mitologia latina) como protagonista. A ação da peça de Sófocles se inicia em Tráquis, onde a esposa de Héracles, Dejanira, aguarda o retorno do marido, afastado há tempos do lar para a conclusão de seus doze trabalhos. O texto foi considerado por Ezra Pound como "o ponto máximo da sensibilidade grega". Inclui, aqui, ensaio de P. E. Easterling. Em Héracles, Eurípides constrói uma história totalmente original, estruturando sua peça em dois atos contrastantes – uma criação que desafiou as convenções da Poética de Aristóteles e boa parte da crítica posterior. Obra de feição extremamente moderna, o Héracles tem sido cada vez mais valorizado na atualidade. O livro ora publicado traz ensaio do estadunidense William Arrowsmith. Ambas as edições são bilíngues e com tradução de Trajano Vieira.

>>> Estados Unidos: O livro de 70kg e 1.119 páginas 

E escrito em 110 dias! Poetry City Marathon, de Dave Morice integra a coleção da biblioteca da Universidade de Iowa. Entre julho e outubro de 2010 Dave esteve como exposição viva numa celebração da Unesco que nomeava a cidade de Iowa com o título de "Cidade da Literatura".

>>> África do Sul: Nadine Gordimer, um dos 21 ícones de seu país

"21 ícones da África do Sul é baseada na crença de que, em cada um de nós, encontra-se o potencial de agir como catalisadores de mudanças profundamente positivas para o nosso mundo. Através da partilha de histórias notáveis de pessoas que dedicaram suas vidas a lutar para o bem maior da humanidade, espera-se que as novas gerações possam ser inspiradas a seguir os passos orgulhosos destes homens e mulheres" – assim lê-se na apresentação do projeto. Numa das edições, foi lembrado o nome da escritora Nadine Gordimer. O resultado pode ser visto no curta metragem preparado para o projeto; nos bastidores das fotografias e em outras imagens do projeto.


Quarta-feira, 16/07

>>> Brasil: Uma biografia sobre Federico García Lorca

Há alguns dias anunciamos por aqui sobre a chegada de um livro de poesia do poeta aqui no Brasil; pois bem, agora é o próprio autor quem receberá um livro. Também pela Globo Livros - selo Biblioteca Azul - Federico García Lorca: a biografia de Ian Gibson já está disponível aos leitores. O trabalho é de um dos nomes mais importantes quando se fala em estudar a obra do poeta: desde os anos setenta, que Ian se dedicou ao trabalho de saber da vida do poeta. A obra investiga, com base em uma abrangente pesquisa documental e em inúmeras entrevistas, desde a infância de García Lorca em seu vilarejo na região de Granada, passando pelos anos de formação acadêmica em Madri e pelas viagens a Barcelona, Paris, Cuba, Buenos Aires e Nova York, lugares reconhecíveis em cada fase de sua obra poética e dramatúrgica. Aqui, veja alguns arquivos raros do poeta publicados no nosso Tumblr.

>>> Catálogo em reforço ao cânone contemporâneo 

Alan Pauls, António Lobo Antunes,Bernardo Carvalho,Chico Buarque, Cristovão Tezza, Cormac McCarthy, David Foster Wallace, Enrique Vila-Matas, Gonçalo M. Tavares, Haruki Murakami, Ian McEwan, João Gilberto Noll, J. M. Coetzee, Jonathan Franzen, Marcelino Freire, Michel Houellebecq, Ondjaki, Paul Auster, Philip Roth, Ricardo Piglia, Roberto Bolaño, Salman Rushdie, Sérgio Sant’Anna, Umberto Eco, Thomas Pynchon, Luiz Ruffato e outros estão num 'saladão' de autores contemporâneos considerados indispensáveis aos leitores. Por que ler os contemporâneos? – Autores que escrevem o século 21 é o título de uma empreitada a ser publicada pela Editora Dublinense. Ao todo são 101 autores apresentados com uma breve biografia e um panorama das principais obras, características, etc. O livro sai até o fim de agosto.


Quinta-feira, 17/07

>>> Portugal: “António Ramos Rosa: a poesia em diálogo com o universo”

É este o título de uma amostra preparada pela Biblioteca Nacional de Portugal e aberta esta semana até o dia 18 de outubro. O acontecimento assinala a passagem do 90º aniversário, que o poeta não chegou a completar, e cruza documentação do seu espólio literário com os acervos de alguns dos seus contemporâneos e a sua vasta bibliografia. O interesse é ilustrar cerca de seis décadas e meia da vida literária de um autor incontornável na literatura portuguesa do século XX. Destacando a criação no domínio da poesia, assinala as suas reflexões ensaísticas, a sua intervenção como tradutor e a tradução da sua obra em países de língua espanhola e francesa.

>>> Brasil: Novo livro de Ali Smith

Imagine a seguinte situação: você está dando um jantar e um amigo de uma amiga traz à sua casa um conhecido dele que você não conhece. Imagine que depois de comer o prato principal esse estranho suba as escadas, tranque-se no quarto de hóspedes e recuse-se a abrir a porta. Talvez você não consiga tirá-lo de lá por dias, semanas, meses. Talvez ele nunca mais saia da sua casa. Dividido em quatro surpreendentes movimentos, o romance de Ali Smith se desenrola a partir da noite em que Miles Garth se tranca em um quarto de uma casa de uma família aristocrática de Greenwich, na Inglaterra, e passa a se comunicar com o mundo exterior passando bilhetes por debaixo da porta. Definido como uma narrativa carregada de ternura e ironia, que explora a linguagem em todas as suas possibilidades e põe em evidência o absurdo da existência humana, Suíte em quatro movimentos, sai pela Companhia das Letras.

>>> Brasil: Uma enxurrada de Chuck Palahuiuk

O romance Clube da luta foi o mais conhecido do escritor, graças ao filme de David Fincher. A editora LeYa prepara vários lançamentos do autor para os próximos meses: Maldita é o primeiro título da série Condenada está em tradução por Santiago Nazarian. Depois segue Beautiful you - título que chega às livrarias estadunidenses em outubro – e Cantigas de ninar, Assombro e No sufoco.


Sexta-feira, 18/07

ESTAMOS SEM JOÃO UBALDO RIBEIRO

>>> México: A festa do bode, de Vargas Llosa vai virar novela

O livro que relata o período do governo de Rafael Leonidas Trujillo na República Dominicana, centrando sua narrativa na época do assassinato do ditador, em 1961, e as consequências no país será adaptado em coprodução da RTI Colômbia e da Televisa México. A adaptação integra uma nova necessidade da TV latino-americana na produção de materiais a partir da literatura: no México, p. ex., atualmente está no ar "La malquerida", baseada na obra do espanhol Jacinto Benavente, vencedor do Nobel de 1922. Esta não é a primeira vez que uma obra de Vargas Llosa é adaptada para as telas. Pantaleão e as visitadoras chegou aos cinemas em 1975 num filme homônimo dirigido por José María Gutiérrez Santos. Em 1999, Francisco Lombardi realizou uma nova versão nos cinemas. Já A festa do Bode também já ganhou uma versão nos cinemas. O cineasta peruano Luis Llosa, primo do escritor, lançou em 2006 um filme com Isabella Rossellini no papel principal.

>>> Brasil: Mais um título de Alice Munro nas livrarias brasileiras

A vista de Castle Rock reúne contos em que explica como a escritora esteve ocupada durante vários anos com a investigação sobre a história de um lado de sua família, os Laidlaw. Foram inúmeras páginas de documentos consultados, além das cartas e outros registros escritos – uma das conclusões a que chegou nessa pesquisa é que sempre houve pelo menos um Laidlaw por geração preocupado em escrever uma parte dessa história. O livro editado pela Globo Livros segue uma linha cronológica e é dividido em duas partes. Na primeira, reúnem-se os contos sobre os antepassados mais remotos, aqueles que ainda viveram em Ettrick Valley, os que viajaram em 1818 rumo ao sonho da nova vida no continente americano. Na segunda parte, estão os contos mais próximos ao presente, os que são explicitamente feitos a partir das experiências da autora. A vista de Castle Rock foi lançado originalmente em 2006 e é o décimo-segundo livro da autora, cuja importância foi reconhecida em 2013, ao receber o Prêmio Nobel de Literatura — primeira vez que foi concedido a um autor dedicado a narrativas curtas.

>>> Estados Unidos: Quarenta anos depois aparece na web filme perdido de Woody Allen

Trata-se de um curta-metragem de 30min que o diretor realizou a pedido da PBS e que nunca veio a lume. Depois de seu primeiro grande êxito no cinema em 1969 e como ator em 1972, Allen concebeu um engenhoso produto a que deu o nome de Men of crisis: The Harvey Wallinger story – um trabalho entre o falso documentário e a ficção. O filme é uma feroz paródia dos anos do governo republicano de Richard Nixon e da equipe política daquele momento: o vice-presidente Spiro Agnew, o secretário de justiça John N. Mitchell... nomes que seriam mais tarde imortalizados no caso Watergate. Para sua sátira sobre o partido conservador no poder, Allen se vale de um alter ego, Henry Kissinger, o todo-poderoso conselheiro que governou como um monarca absolutista nos anos de Nixon e que na película é batizado de Harvey Wallinger que o próprio diretor se encarrega de interpretar e dar vida. Sexo, política, cultura, Vietnã e outros temas são apresentados sem compaixão nem piedade no retrato biográfico do falso político republicano. Com a reeleição do presidente Nixon e o medo de represálias ou de algum tipo de censura por parte do governo a emissora desapareceu com o filme. Quarenta anos depois reaparece o vídeo como prova da gênese do humor woodyalleniano. Veja aqui.

>>> Brasil: Novo livro de João Ubaldo era sobre histórias de bar

Revelou o filho Bento Ribeiro ao jornal O Globo. O romance vinha sendo escrito há dois anos. João Ubaldo levantava diariamente às 4h e escrevia até as 10h, "quando os telefones começavam a tocar e o interrompiam" – reforçou a secretária do autor, Valéria dos Santos, sobre o exercício de escrita de João Ubaldo. Enquanto isso, Viva o povo brasileiro, que chega aos 30 anos agora em 2014, receberá da Alfaguara Brasil um relançamento previsto para novembro e trará dois prefácios: um do escritor e dramaturgo Geraldo Carneiro, e outro, inédito, assinado pelo escritor Rodrigo Lacerda.

>>> Nossa enquete está aqui

Ligações a este post:

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A atualidade da tragédia grega

É urgente redescobrir a poesia de Hilda Hilst

Ernesto Sabato, algum testamento

Dezesseis obras imprescindíveis ganhadoras do Prêmio Pulitzer

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

Boletim Letras 360º #216

A violência como produto humano

Café Society, de Woody Allen

A genial arte de escrever em pé

Mães de tinta e papel: onze livros