Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2014

Boletim Letras 360º #78

Imagem
Uma semana fabulosa a que atravessamos! Duas grandes homenagens - uma para o Paulo Leminski, quem chegou aos 70 anos e outra para Julio Cortázar no ano em que chegamos ao seu primeiro centenário. Do poeta brasileiro realizamos uma movimentação relâmpago no Facebook: um sarau que se tornou serão. 70 poemas, um para cada ano do poeta. Com participação dos leitores enviando poemas e concorrendo a edições do Toda poesia. Ao todo, desse livro, já demos 10 exemplares entre o ano de publicação - meados de 2013 - e 2014. Ficamos satisfeitos em saber que a obra de um brasileiro e do gênero poesia tenha alcançado a marca de mais de 100 mil exemplares num país dito desacostumado com a leitura. E fechamos, desse modo, nossa contribuição com esse sucesso. Já sobre o autor de O jogo da amarelinha quase duas semanas nos desdobramos para apresentar leituras que consideramos decentes da sua obra. Conseguimos. Tudo está por aqui, aos olhos dos leitores. Muito ainda falaremos sobre Julio no decorrer de…

Os falsos mestres da felicidade

Imagem
Por Iván Thays



É um lugar comum dizer que os livros de autoajuda são maus porque entregam suas mensagens “mastigadas” e prontas para o leitor digerir. Não há nenhuma exigência, as frases estão escritas de maneira simples, direta. A verdade é que não vejo a necessidade de que os  livros de autoajuda sejam complexos. Por que teriam de sê-lo? Exceto para o tolo e arrogante Paulo Coelho, quem muitas vezes enfrenta James Joyce ou William Faulkner acusando-os de ter “corrompido” os leitores com suas complexidades, duvido muito que um autor de autoajuda deseje comparar-se com nenhum autor, e menos ainda com uma celebridade literária morta. Seu público é outro, sua razão de escrever é outra, suas editoras são distintas. E, claro, suas vendas também são outras, ainda que isso não seja o importante neste texto.
Confesso que admiro muito os autores de autoajuda e seu desejo de contribuir positivamente na vida das pessoas através da leitura. Não são os livros que compro nem leio, mas eu procuro m…

Milan Kundera elege uma passagem de A festa da insignificância

Imagem
“A individualidade é uma ilusão!” Isso exclama um dos personagens do esperado romance de Milan Kundera, A festa da insignificância, cuja ideia condensa boa parte da filosofia com que o escritor de origem tcheca vê a vida e em nada diferente daquilo que já está colocado em seus romances, contos e ensaios. E com maior força agora no alto de seus 85 anos, quando o umbigo ocupa um lugar essencial na sua narrativa.
Com este A festa da insignificância, Milan Kundera regressa depois de 14 anos. Volta como se nada tivesse acontecido nesse tempo, com se a conversa deixada com os leitores em A ignorância, romance com o qual recebeu o novo século em 2000, ainda não houvesse sido acabada, ou melhor, como se fosse ontem.
Os temas de seus livros são os mesmos, mas amadurecidos pelo compasso do tempo, e sem perder a essência do que são e significam aspectos como a sexualidade, o erotismo, a maternidade, o desejo, a cultura, sobre as ideias que rondam a existência do ser humano, ideias sobre ser e…

Bertolt Brecht vai ao tribunal

Imagem
Poeta, dramaturgo e teórico, Bertolt Brecht autor de obras famosas como Ópera dos três vinténs (1928) e Mãe coragem e seus filhos (1938) nunca negou ser um marxista comprometido. Propôs um novo teatro para quebrar o que via como confortável às convenções da classe média, tanto o drama trágico como o realista. Sua teoria do teatro épico subjacente à sua prática firmou-se como uma tentativa de chocar o público complacente com o que chamou de Verfremdungseffekt (estranhamento ou efeito de distanciamento).
A enorme influência de Brecht é sentido não só na Europa, mas também fora do continente, como nos Estados Unidos, onde se estabeleceu por um tempo curto, juntamente com muitos outros artistas e intelectuais alemães que fugiam da perseguição nazista.
Em 1943, colaboraram com Brecht os companheiros também exilados Fritz Lang e o compositor Hanns Eisler para um filme Os carrascos também morrem, seu único roteiro produzido para Hollywood, vagamente baseado no assassinato do número dois d…

Julio Cortázar, o menino de 100 anos

Imagem
Por Juan CruzRuiz


O menino. Cortázar disse a Elena Poniatowska, numa das quatro entrevistas que ela lhe fez, que sentiu mal de menino: “Sim, eu creio que fui um animalzinho metafísico desde os seis ou sete anos. Recordo muito bem que minha mãe e minhas tias – meu pai nos deixou muito pequenos, a minha irmã e a mim – enfim, a gente que me via crescer, se inquietava por minha distração ou devaneio. Eu estava perpetuamente nas nuvens. A realidade que me rodeava não tinha interesse para mim. Eu via as lacunas, digamos, o espaço que há entre duas cadeiras, se posso usar essa imagem. E por isso, desde muito pequeno, me atraiu a literatura fantástica”.
A gente. Seu primeiro livro importante, ou ambicioso, Os prêmios (1960), está pleno de gente, cheio de pessoas que vão num barco de Buenos Aires a Europa. Gente vulgar, todo tipo de gente. Tem essa admoestação de Dostoiévski, nada mais para começar: “Que faz um autor com a gente vulgar, absolutamente vulgar, como colocá-la diante seus leitores e…

Cortázar forasteiro

Imagem
Por Andrés Neuman




Desconhecido íntimo
Por seu impacto iniciático, normalmente se repete que Cortázar é uma descoberta de adolescência. Esta afirmação, que contém suas doses de injustiça, omite ao menos outra realidade: há sobretudo uma maneira adolescente de ler e recordar Cortázar. E essa, definitivamente, não é culpa sua.
Sua aproximação ao vínculo entre escritura e vida, herdada do romantismo mas também das vanguardas, o converte no grupo de autores que gera uma imaginária relação pessoal com seus leitores. Para bem e para o mal, Cortázar é contagioso. Por isso mesmo quem finge desdenhá-lo na realidade estão se defendendo dele.
Duas forcas complementares o mantém num raro equilíbrio emocional. Uma força centrífuga, o humor, que permite distanciar-se de si mesmo; e outra centrípeta, a ternura, que provoca adesão íntima. Seria esnobe subestimá-las.


Outras mecânicas

Os contos fantásticos de Cortázar têm sido isolados num cânone restrito que tende a trair a genuína variedade de sua poéti…

Boletim Letras 360º #77

Imagem
Esta semana em que atravessamos do meio até o meio da semana seguinte como um intervalo de uma  outra semana temos dedicado vozes para celebrar Julio Cortázar. Perceberão que este boletim situado no meio tempo é também cortarzariano; não na forma, mas na presença constante do nome do escritor que tem sido notícia constante no universo da literatura. No Facebook, além de Cortázar, fechamos nossa promoção Ler para... E mais o que se lê a seguir:

Segunda-feira, 18/08
>>> Brasil: Mais de Ernest Hemingway por vir
Temos acompanhado por aqui desde a concepção a repaginada que a Bertrand Brasil dá a obra do escritor estadunidense.Para os próximos meses, estão previstos: O verão perigoso, Verdade ao amanheceir, A quinta-coluna e os ainda inéditos pela editora O jardim do Éden, Tempo de viver e tempo de morrer e mais três volumes de contos; edições que se somam aos nove volumes já apresentados. O primeiro deles foi O velho e o mar; depois vieram Paris é uma festa, Adeus às armas, Por q…

O otimismo de Cortázar

Imagem
Por Rafael Kafka


Dia desses li aqui no blog do Letras in.verso e re.verso uma interessante análise do conto “O Perseguidor” de Julio Cortázar. Tal conto, que li somente ano passado dentro da coletânea de textos As armas secretas, tocou-me profundamente pois foi nele que vi o estilo prosador único de Cortázar manifestado de forma mais intensa: algo quase que oral, como se estivesse em uma mesa de bar tomando uma cerveja, com o olhar desperto na rua, falando sobre tudo o que viesse à cabeça. Na verdade, a maioria dos textos do grande autor argentino me passa essa sensação de discurso que começa em um mote qualquer e se desdobra por diversas outras situações humanas, como uma árvore frondosa cuja copa não para de crescer.
Alfredo Monte, o autor da análise que acima citei (ver links abaixo), fala do otimismo presente dentro das obras de Cortázar e mesmo de forma breve conseguiu me tocar justamente nesse ponto. Lembrei-me automaticamente do período do mês de março de 2012, quando após uma …