Bertolt Brecht vai ao tribunal



Poeta, dramaturgo e teórico, Bertolt Brecht autor de obras famosas como Ópera dos três vinténs (1928) e Mãe coragem e seus filhos (1938) nunca negou ser um marxista comprometido. Propôs um novo teatro para quebrar o que via como confortável às convenções da classe média, tanto o drama trágico como o realista. Sua teoria do teatro épico subjacente à sua prática firmou-se como uma tentativa de chocar o público complacente com o que chamou de Verfremdungseffekt (estranhamento ou efeito de distanciamento).

A enorme influência de Brecht é sentido não só na Europa, mas também fora do continente, como nos Estados Unidos, onde se estabeleceu por um tempo curto, juntamente com muitos outros artistas e intelectuais alemães que fugiam da perseguição nazista.

Em 1943, colaboraram com Brecht os companheiros também exilados Fritz Lang e o compositor Hanns Eisler para um filme Os carrascos também morrem, seu único roteiro produzido para Hollywood, vagamente baseado no assassinato do número dois da Schutzstaffel (a SS), Reinhard Heydrich. A SS era uma esquadrilha de proteção fundada em 1925 com o intuito de proteger Adolf Hitler.

Apesar das atividades antinazistas, em 1947, Brecht foi chamado ate ao Comitê de Atividades Antiamericanas (HUAC, sigla em inglês para House Um-American Activities Committee) acusado de escrever “uma série de poemas, peças de teatro e outros escritos muito revolucionários”.

Até aquela época, o Comitê alimentou-se da paranoia pós-guerra do comunismo subversivo e investigou dezenas de artistas e forneceu o modelo para a caça às bruxas do senador Joseph McCarthy, atuante na década de 1950. O amigo de Brecht, Eisler também foi chamado a depor, depois de ter sido denunciado pela própria irmã.

Brecht foi acusado ao lado de um grupo de roteiristas, o “Hollywood Nineteen”, e foi o único dos doze integrantes desse grupo que compareceu ao HUAC e depois o único que escolheu responder as acusações. Os outros dez, incluindo escritores que estavam já tinha algum tempo na lista negra, como Dalton Trumbo e Ring Lardner, invocou seus direitos contra a incriminação usando da Quinta Emenda. Embora Brechet não tenha sido o único estrangeiro no grupo, como ele mesmo disse, era um ‘convidado’ no país e temia que sua viagem de volta para a Europa fosse adiada se ele não cooperasse. Após seu depoimento, Brecht redigiu em uma carta para Eisler:

“Eu veio em alguns jornais que certos jornalistas pensaram que eu me comportei com arrogância em Washington; a verdade é que eu simplesmente tinha que obedecer a meus seis advogados que me aconselharam a dizer a verdade e nada mais. Não sendo um cidadão qualquer, eu não podia mais me recusar a testemunhar, o que você conseguiu.”

O depoimento de Brecht tornou-se um tanto lenda. O homem que inventou o teatro contra alienação transforma essa audiência numa espécie de peça de teatro. Brecht não mentiu à comissão; ele negou a adesão oficial a qualquer partido, inclusive, o Comunista, o que não era verdade, mas ficou sendo apenas uma omissão. Confessar sua posição política naquela ocasião era decididamente algo problemático para ele diante da HUAC.

Atestando o espírito teatral de Brecht, suas respostas foram muitas vezes ditas com o tom do equívoco, da ironia, da evasão e desfazendo-se em questões conceituais ou fazendo uso das ambiguidades da tradução. Por exemplo, o investigador-chefe Robert Stripling pede a Brecht que fale sobre “Forward We’ve Not Forgotten” (da peça A decisão), em seguida lê uma tradução em inglês para a canção. Pergunta se ele a tinha escrito, ao que Brecht responde: “Não, eu escrevi um poema em alemão, mas é muito diferente dessa coisa”, provocando risos na plateia.


Em resposta aos tais escritos revolucionários, Brecht responde de forma inteligente: “Eu escrevi uma série de poemas, de canções e de peças de teatro na luta contra Hitler, e é claro que pode ser considerado, portanto, como revolucionário, porque eu fiz para a derrubada desse governo.”

Você pode ler o depoimento de Brecht na íntegra aqui. E ver aqui, um vídeo com trecho do depoimento.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20