Como "formar" uma biblioteca por José Saramago




A Fundação José Saramago publicou em sua página hoje, na seção “Memória”, espaço virtual que tem dedicado à publicação de material sobre o escritor que dá nome à instituição, um fac-símile de um datiloscrito muito interessante de ser considerado pelos espaços dedicados à publicação sobre livros.

Trata-se de um jogo proposto para a formação de uma biblioteca. A ideia veio-lhe depois de ter sido consultado sobre uma lista para compor o acervo de uma biblioteca que estava por inaugurar. Muito perspicaz a ideia de Saramago, dirão uns; mas a proposta não deixa de ser também um incentivo aos novos leitores que estão à procura de organizar sua biblioteca particular.

“Certamente não se esperará de mim a ingenuidade de propor uma lista de livros que iriam ser, ao mesmo tempo, o embrião duma biblioteca e a sua parte fundamental, uma vez que, com toda a probabilidade, eu me esforçaria pro não esquecer nenhuma das obras fundamentais que até hoje se escreveram. Excluindo aquele conhecido método, usado por não poucas pessoas, de entrar numa livraria e comprar uns quantos metros de lombadas para encher um vazio de estantes de igual dimensão, outro há, sem dúvida mais inteligente, que consistiria em adquirir Histórias da Literatura dos diversos países e avançar depois por elas dentro, à descoberta, como quem desbrava uma floresta virgem. Porém, melhor do que isto me parece o jogo que passo a sugerir, no qual, como acontece nos jogos mais excitantes, o acaso é que decide, apenas competindo à vontade dar execução ao aleatório. Compre-se, pois, um livro, um só, qualquer livro, e faça-se dele o ponto de partida. Logo na primeira página, e se não for na primeira será na segunda, encontraremos caminhos que inevitavelmente nos conduzirão a outros livros, de modo explícito ou implícito. Um simples exemplo bastará para tornar clara a ideia. Tomámos um livro e encontrámos a palavra Deus. Que faremos? Compramos outro livro onde Deus se fale, e é mais do que certo que não tardaremos a encontrar a palavra Diabo. Ora, prosseguindo assim, de palavra em palavra, de tema em tema, de proposta em proposta, ao cabo de um certo tempo acabaremos por juntar sob o tecto de nossa casa a biblioteca universal. Alguém não deixará de argumentar que não valeu a pena todo este trabalho se finalmente fomos parar ao que já existia, mas eu responderei que sim senhor valeu a pena, porque essa biblioteca, igual à biblioteca das bibliotecas, teria sido toda inventada por nós, explorando os caminhos do acaso fecundo. Porque, em verdade, e definitivamente, formar uma biblioteca é um acto perfeito de criação.”

Pois, que tal começar agora?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro