Poesia, saudade da prosa – de Manuel António Pina (Parte I)

Por Pedro Belo Clara



Eis um dos autores contemporâneos portugueses mais conceituados, com longa carreira jornalística (embora licenciado em Direito) e um percurso literário recheado de conceituados prémios, dentre eles o talvez mais emblemático de todos: o Prémio Camões, outorgado em 2011. Não obstante, claro está, em 2005, a ordenação de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, que distingue individualidades pela prestação de relevantes serviços em nome do país. Agora que se completarão dois anos desde o físico desaparecimento do autor, aos sessenta e oito anos de idade, um livro da sua autoria é justamente levado a discussão no habitual espaço de análise quinzenal.

Manuel António Pina espraiou a sua obra pelos domínios da poesia e da literatura infantil de um modo mais frequente, encontrando-se a mesma traduzida em dialectos como o francês, o inglês, o dinamarquês ou o russo. No entanto, com igual competência e qualidade, desenvolveu esforços junto de áreas de produção tão distintas como a crónica ou dramaturgia. Uma figura maior e multifacetada, como se depreende. O escritor Francisco José Viegas, antigo Secretário de Estado da Cultura (cargo que ocupou de 2011 a 2012), referiu-se a Manuel António Pina como «não só o cronista maravilhoso», mas «um poeta maior, um dos maiores da nossa língua», ilustrando bem a influência e o carinho que o dito autor detinha e merecia dentro dos círculos literários portugueses.

O primeiro ponto de interesse da obra hoje seleccionada é o facto da mesma ser uma antologia pessoal. Isto é: um conjunto de trabalhos reunidos pelo próprio autor (no caso, falamos de poesia). E quão raras são as hipóteses do leitor poder desfrutar dum trabalho do género organizado pelo criador do mesmo, com as suas guias de selecção e respectivas preferências em tão completa evidência! Sabe aquele que escreve da dificuldade subjacente a um projecto de tal índole... Mas de igual modo compreende que os projectos mais antigos quase sempre não correspondem às actuais ambições e estilos de um autor. Será, por isso, interessante compreender o porquê dos poemas que compõem este livro terem merecido resgate e a subsequente elevação por parte daquele que os escreveu. De um modo ou de outro, Pina tê-los-á considerado dignos representantes dos principais assuntos explorados pela sua temática de cariz poético.



O livro, editado ainda em vida (2011), conheceu a sua segunda edição cerca de um ano e meio depois, talvez impulsionada pelo súbito desaparecimento da pessoa em causa. Em termos da sua organização, a mesma não se efectivou de modo cronológico, antes pela consideração das temáticas expostas, géneros estilísticos propostos ou obedecendo a linhas seguras que o autor entre eles viu e, naturalmente, seguiu. Será assim natural ler um poema editado em 2003, por exemplo, seguindo-se um outro lançado num projecto datado de 1991.

É igualmente interessante, e desde logo esse aspecto sobressai, a forma de Pina nomear a sua poesia: uma «saudade da prosa». Na verdade, o seu estilo poético em muito deve a sua forma e conteúdos aos trâmites prosaicos. Esse era o seu modo de sondar o acto verdadeiramente transcendental que a poesia pode oferecer. Em A um jovem poeta, com o subliminar simbolismo da mais mística das flores, a rosa, em evidência, essa ideia é através da exploração do lado oculto do género em questão abertamente transmitida:

Procura a rosa.
Onde ela estiver
estás tu fora
de ti. Procura-a em prosa, pode ser

que em prosa ela floresça
ainda, sob tanta
metáfora; pode ser, e que quando
nela te vires te reconheças

(…)

Talvez possas então
escrever sem porquê,
evidência de novo da Razão
e passagem para o que não se vê.

Por esta breve amostra poder-se-á compreender muito sobre o estilo poético de Manuel António Pina. Desde logo, destaca-se a sua simplicidade de processos e o recurso a um léxico amiúde corrente. O uso da metáfora é raro e os versos, geralmente longos, fragmentam-se ao longo da sua organização. A rima é opcional, mas frequentemente se a observa, de modo liberto, a perfumar cada passagem escrita – não permanecendo isenta de pontuais “sacrifícios silábicos”, embora não privilegie a rigidez métrica. Em todo o caso, o modernismo faz-se sentir com todo o seu esplendor, sendo inclusive exercido em moldes notoriamente distintos se comparados com as primordiais tendências do movimento. Uma evolução de registo, claro está, abrindo caminho para o que até se poderia designar, e de todo seria infundado dizê-lo, “neo-modernismo”.

O recurso a estrangeirismos, nomeadamente em epígrafes, é uma tendência frequente e de meritório registo. Também a exposição de situações típicas do quotidiano obtém uma nota de destaque, pois amiúde se tece um poema com a imagem de um passeio num jardim (Primeiro domingo) ou com a imagem do “eu” num hospital em convalescença (Cuidados intensivos). A partir desses palcos, a poesia, como profícua semente que é, inicia o seu processo de germinação, sempre fiel à natureza que, pulsante, em si se desenvolve e prolifera pelas margens do poema que, qual brioso canteiro, a ostentará.


Um dos temas adjacentes a essa natureza é a “questão temporal”. Dentro do mesmo, a época da infância adquire uma posição de destaque. Logo o segundo poema que abre esta colectânea, Numa estação de metro, dá o mote ao assunto, não sem incutir uma certa melancolia ao caso: «A minha juventude passou e eu não estava lá. / (…) / Agora, vista daqui, da recordação, / a minha vida é uma multidão (...)». Invariavelmente, e começamos agora a constatar que a poesia de Pina contém um certo carácter indagador e meditativo, sendo muitas vezes o próprio acto motivo de criação artística, o tema “Passado” levar-nos-á à inevitável passagem do tempo e à amargura residual que daí sobeja: «Se ao menos tivéssemos / envelhecido sem motivo, sem tempo, / desaparecido para dentro / lucidamente, como uma coisa desprendendo-se» (Azul). Deste ponto até ao conflito com a morte, e com tudo o que a mesma comporta, somando talvez a implacável fatalidade do sempre irónico destino, o passo é breve e deveras irreversível. Transcreveremos, na íntegra, um dos mais belos poemas de Pina (e não isento de complexidade para um olhar mais atento) sobre a temática em causa: Luz.

Talvez que noutro mundo, noutro livro,
tu não tenhas morrido
e talvez nesse livro não escrito
nem tu nem eu tenhamos existido

e tenham sido outros dois aqueles
que a morte separou e um deles
escreva agora isto como se
acordasse de um sonho que

um outro sonhasse (talvez eu),
e talvez então tu, eu, esta impressão
de estranhidão, de que tudo perdeu
de súbito existência e dimensão,


e peso, e se ausentou,
seja um sonho suspenso que sonhou
alguém que despertou e paira agora
como uma luz algures do lado de fora.


Ainda dentro do mesmo, torna-se impossível não destacar o épico, se tal designação lhe poderá ser atribuída, que resgata para a epígrafe uma referência ao notável Paraíso perdido, de John Milton: Farewell happy fields. Repartido por cinco partes, deparamo-nos com um poema escrito na iminência da derradeira despedida, no alcance das fronteiras da morte. Pela toada impressa e pelas imagens e ideias sugeridas e expostas num laivo algo decadentista, descobre-se um “adeus” aos alegres instantes da existência e à própria vida em si, num ritmo de viajante que vagueia sem conscientemente saber como será, em forma e conteúdo, o seu próximo destino (ou sequer se o próprio existirá). Convém sublinhar que o paralelo com o livro de Ruy Belo Despeço-me da Terra da Alegria, de 1978, será interessante de se esboçar em termos de curiosidade literária e não só: a abordagem dos autores aos temas expostos e a forma de os mesmo se correlacionarem. Mas, sob pena de extrapolar os princípios desta coluna, é tão somente um desafio que se lança ao leitor mais interessado.

Ligações a este post:
Em junho de 2011 quando da recepção do Prêmio Camões para Manuel António Pina editamos um conjunto de notas sobre a vida e a obra do escritor português mais um catálogo com textos seus.

 ***

Pedro Belo Clara é colunista do Letras in.verso e re.verso. Por decisão do editor do blog, nos textos aqui publicados preservamos a grafia original portuguesa. Nascido em Lisboa, Pedro é formado em Gestão Empresarial e pós-graduado em Comunicação de Marketing. Atualmente centrado em sua atividade de formador e de escritor, participou, com seus trabalhos literários, em exposições de pintura e em diversas coletâneas de poesia lusófona, tendo sido igualmente preletor de sessões literárias. Colaborador e membro de portais artísticos, assim como colunista de revistas e blogues literários, tanto portugueses como brasileiros, é autor dos livros A jornada da loucura (2010), Nova era (2011), Palavras de luz (2012) e O velho sábio das montanhas (2013) – sendo os dois primeiros de poesia. Outros trabalhos poderão ser igualmente encontrados no blogue pessoal do autor – Recortes do Real (artigos e crônicas diversas).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236