Um herói de nosso tempo, Mikhail Lermontov ou o mito romântico

Mikhail Lermontov


1. Rebelde sem causa. Mikhail Lermontov é considerado o Byron russo. Seguiu o roteiro do mito romântico: fim prematuro e trágico num duelo aos 27 anos. Acontecimento que só engrandeceu sua figura depois de descobrir-se àquela altura que jovem já havia deixado uma obra deslumbrante mas ainda em desenvolvimento e o exemplo de uma vida irreverente, desmedida.

Depois da morte de Púchkin, também num duelo, esse cantor do individualismo acusou dessa perda a corte czarista. Não foi uma acusação formal, foi um poema. Um poema que custou a Lermontov a condenação ao seu primeiro desterro no Cáucaso, na Sibéria do sul. O escritor torna-se mais um a integrar a grande lista de escritores russos que sofreram com a censura e a represália.

Para o Cáucaso do Norte, o império russo impôs sua expansão a sangue e fogo.  Sua paisagem montanhosa, o cenário ideal para o mal-estar romântico, constituía também um lugar de encontro com a alteridade muçulmana e era um espaço de liberdade para os banidos da corte. Como se sabe, o conflito no Cáucaso permaneceu latente na época pós-soviética. Um diário russo, de Anna Politkóvsjaya; A guerra mais cruel, de Arkadi Bábchenko (ainda sem tradução no Brasil); Patologias, de Zakhar Prilepin (também inédito por aqui); Cadernos russos: a guerra esquecida do Cáucaso, de Igort; ou Salam, Dalgat, de Alisa Ganíeva (ainda outro inédito no nosso país) dão conta desse período.

2. Pietchórin. “Um herói de nosso tempo, meus senhores, é, efetivamente, um retrato, mas não é de um homem só: é um registro constituído pelos vícios, em pleno desenvolvimento, de nossa geração”, escreveu Lermontov sobre a edição de O herói de nosso tempo em resposta às críticas vertidas contra este conjunto de cinco histórias.

Aqui têm um espelho no qual o leitor deve se olhar, ele diz, e não se surpreendam. Pietchórin, protagonista do primeiro romance em prosa significativa da literatura russa, nos deixa em contato com diversas vozes narrativas e com uma ordem cronológica deslocada. Cínico e arrogante, carcomido pelo tédio, demoníaco, pessimista, magnético, sensível, fronteiriço com o niilismo; o único interesse que mantém Pietchórin é viajar.



3. Lermontov versus Nabokov. Como tradutor, Nabokov só o comparou com as altas literaturas. Um herói de nosso tempo, diz o autor de Lolita, foi um desses comparáveis ao valioso exercício literário que representa Shakespeare para a língua inglesa, por exemplo.

Nabokov, quem primeiro traduziu Lermontov para o idioma de Shakespeare, recriou um texto que é a fusão entre a tradução, o comentário, a criação e o duelo intelectual. As notas de fim de página são muito valiosas. Numa delas censura Lermontov quando Pietchórin não se levanta quando da entrada em cena da princesa Meri: “Estranho comportamento!” Quanto o narrador diz “Nos corações sensíveis, o sentimento da formosura e majestade da natureza é cem vezes mais vivo que em nós, que narramos, admiramos, valendo-nos da palavra e do papel!”, Nabokov – inteligente entomólogo – nega o texto: “Esta é, supostamente, uma noção romântica. É completamente falsa”.

4. A roleta russa. Para um romântico há melhor forma de comprovar-se um dono de seu destino apontando a si uma arma sem saber se está carregada e apertar o gatilho? É a questão que se coloca em O fatalista, a história que encerra Um herói de nosso tempo. O tenente Vúlich aceita a aposta de Pietchórin até às últimas consequências: leva a cabeça o cano de uma pistola escolhida à sorte.  Esta é a primeira referência literária a este jogo/aposta tal como conhecemos hoje.

5. O poeta do Cáucaso, um mito romântico. Além do canto à morte de Púchkin, acontecimento que lhe vale esse epíteto, Lermontov, antes de ser o romancista de O herói de nosso tempo, cuja tradução brasileira devemos ao sempre atento tradutor Paulo Bezerra, é tido como o poeta nacional que deu pulso às letras para continuidade do projeto literário desse período. E é como poeta que ele é sempre lembrado na Rússia. Embora seja preciso dizer que este é um dos textos em prosa mais significativos do grande século literário russo.

6. Uma biografia. Lido como romance, mas a crítica empurra-o para o rol de uma biografia de cunho psicológico, em que cada história que compõe O herói mostra um determinado traço caracterizador da personalidade complexa do herói. Tudo se reflete na elaboração de um estado de alma que se confunde com a própria vivência do autor. Os tormentos e as paixões. Bela, Maksim Maksímitch, Taman, A princesinha Mary e O fatalista são estruturados como novelas a dar forma um texto mais acabado. Publicado pela primeira vez em 1840, um ano antes da morte de Lermontov. É uma experiência indispensável à leitura.

* texto escrito a partir de notas de "El mito romántico", de Marta Rébon, El País.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

O romance perdido de Sylvia Plath