Boletim Letras 360º #89

Adeus, Manoel de Barros Foto: Marcelo Buainain

Um boletim lusitano. Quase. É que as novidades de além-mar são tantas! É que o mentor desse blog tem andado em território de Camões, Pessoa e Saramago para apresentação de um projeto relatado neste boletim. Também essa semana sorteamos dois exemplares do novo romance de Chico Buarque. Próxima semana realizaremos mais sorteios.

Segunda-feira, 10/11

>>> Brasil: Uma tradução inédita para os brasileiros

Guilherme Gontijo Flores, Adriano Scandolara, Bianca Davanzo, Rodrigo Tadeu Gonçalves e Vinícius Ferreira Barth trabalharam na edição de Paraíso reconquistado, de John Milton. Com ilustrações de William Blake. Esta é uma obra que, em comparação com o "Paraíso perdido", é bem menos popular. O enredo, avançando muitos anos após o final do livro mais famoso de Milton, trata do episódio do Novo Testamento em que Jesus, encarnado em homem, passa 40 dias e 40 noites no deserto, resistindo às tentações de Satã e cumprindo, com isso, a promessa feita a Deus Pai, quando ainda era uma entidade plenamente divina, de que ele desceria ao mundo com o fim de se sacrificar para a redenção do homem (cf. acentua o texto de Adriano Scandolara para o blog escamandro).

>>> Estados Unidos: Obra inédita de John Steinbeck será publicada

“With your wings” foi escrita pelo Prêmio Nobel da Literatura John Steinbeck, mas havia desaparecido desde a década de 1940; o único registro era a leitura feita por Orson Welles em 1944. The Strand Magazine encontrou a obra nos arquivos da Universidade do Texas nos Estados Unidos. Até então há registros de que alguma vez tenha sido publicada em livros ou revistas, e vários especialistas em Steinbeck afirmaram desconhecer a obra. Em “With your wings”, o autor de As vinhas da ira abordava mais uma vez as injustiças sociais, nomeadamente a segregação.

>>> Portugal: Dois novos livros de Gonçalo M. Tavares  

Os velhos também querem viver é o primeiro; tem um pé na tragédia "Alceste", de Eurípedes, de onde parte, e outro no cerco de Sarajevo nos anos de 1992-1996. Deste feliz cruzamento de duas realidades separadas por cerca de 2.500 anos Gonçalo extrai uma obra literária que vem dizer que não perdemos nunca a sensação de estarmos a tocar um dos grandes dramas da Humanidade. “Em Sarajevo e em redor de Sarajevo, no século XX, a regra particular é igual à regra geral: os mortos estão mortos, os vivos é que ainda não”. O segundo, Uma menina está perdida no seu século à procura do pai, Nesta história de busca e viagem, Marius encontra uma menina perdida à procura do pai. Hanna fala com dificuldades, entende mal o que lhe acontece, não percebe o raciocínio dos outros. Marius está com pressa, mas muda o seu percurso, acompanha-a. A sua busca leva-os até Berlim, a um hotel com corredores que lembram fantasmas da guerra — e os dois circulam entre as obsessões e os escombros do seu século.

>>> Brasil: Vem a lume texto inédito de Ariano Suassuna

Há 40 anos Raimundo Carrero escreveu um conto inspirado nos heróis da literatura popular e posteriormente foi transformado em poema de cordel por Ariano Suassuna. O bordado, a pantera negra, de Carrero e Romance do bordado e da pantera negra, de Suassuna desceu junto com uma enchente que levou toda a biblioteca do escritor naquele tempo. Mas, os textos foram encontrados na web pelo agente literário de Carrero, Stéphane Chao, O livro é publicado pela Iluminuras, com ilustrações de Marcelo Soares.

Terça-feira, 11/11

>>> Reedição de José Cândido de Carvalho

Sai pela Companhia das Letras e com o primeiro título mais conhecido do escritor, O coronel e o lobisomem. Ao longo dos próximos anos, obras como Por que Lulu Bergantim não atravessou o Rubicon, Um ninho de mafagafos cheio de mafagafinhos, Olha para o céu, Frederico! e outros receberão tratamento editorial à altura de sua importância: projeto gráfico moderno e elegante, posfácios a cargo dos melhores autores e críticos contemporâneos, divulgação escolar, edições eletrônicas, antologias. O coronel e o lobisomem, que deve chegar às livrarias até o início do mês de dezembro, é considerada um dos pilares do realismo mágico à brasileira. O romance já foi adaptado ao cinema.

>>> Portugal: António Lobo Antunes, mais um romance,um escrito e outro por escrever (ou muitos?)

Depois de atravessar uma grande enfermidade, o escritor português volta com o Caminho como uma casa em chamas, título que anunciamos aqui desde que tornou público. Encenado num prédio de quatro andares e um sótão, este é definido como um romance sobre o amor, a morte, o tempo, o envelhecimento e o que cada um faz da sua vida. Numa entrevista ao caderno Ípsilon, ele revelou que depois desse título já há outro escrito, ainda sem data de publicação, e que já trabalha em mais livro. Já há algum tempo, António Lobo Antunes dizia ter colocado um ponto final na sua obra; a posição foi então revista. A escrita tem lhe sido a manutenção da vida.

>>> Portugal: E quando a poesia vira dança? Ricardo Reis para o balé

"Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio / Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos / Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas" - assim começa "Lídia", o poema de Ricardo Reis que serviu de mote para a construção de uma peça de dança criada em parceria pelo coreógrafo Paulo Ribeiro e o compositor Luís Tinoco. A obra é para celebração dos 100 anos da Revista Orfeu.

>>> Portugal: Celebrar a obra de José Saramago (e Fernando Pessoa)

A Fundação José Saramago dedica o dia 16 de novembro, data de nascimento do escritor cujo nome lhe representa, para a celebração do Dia do Desassossego. Em 2014, a data chega a três anos de sua criação e entre os dias 15 e 17 de novembro Lisboa será palco de uma série de atividades: leituras de textos, concertos, visitas às casas que mantêm vivos os espíritos dos escritores (Casa dos Bicos/ Casa Fernando Pessoa), a apresentação de uma revista acadêmica e um percurso pedestre pela cidade do romance "O ano da morte de Ricardo Reis". O programa completo do evento que acompanharemos (como é comum nesses três anos e em 2014, de dentro do evento), está aqui.

Quarta-feira, 12/11

>>> Portugal: Reinventar Mensagem, de Fernando Pessoa

Em 2014, o único livro publicado em vida de Fernando Pessoa recebe homenagens ao redor do mundo. Em Portugal, a Galeria das Salgadeiras, no Bairro Alto, apresenta seis reinvenções do poema; seis artistas reescreveram a obra: em fotografia, pintura, composição digital e desenho. "Grifo" é o nome da exposição com obras Cláudio Garrudo, Helena Gonçalves, Joanna Latka, Jaime Vasconcelos, Marta Ubach, Pauliana Valente Pimentel e Teresa Gonçalves Lobo.

>>> Brasil: Hora de retirar os textos da gaveta ou colocar as ideias no papel

Estão abertas as inscrições para o 1º Concurso Nacional de Contos e Poemas (Antologia 2015) Prêmio Flor do Ipê. As inscrições estão abertas até o dia 30 janeiro de 2015. Cada autor poderá submeter 1 obra de cada gênero, sendo conto de até 10 páginas e poema de até 3 páginas. O concurso abrange as categorias infanto-juvenil e adulto. Todas as informações estão no site.

Quinta-feira, 13/11


>>> Estados Unidos: Tudo se exibe on-line, até mesmo as dívidas de Edgar Allan Poe

Era 1842. Poe entrou em falência. Depois de apoiar a mulher doente e a sogra. Um antes entrou com pedido de falência de acordo com as leis estadunidenses da época. Mas, não foi apenas as despesas médicas, desde 1837, o país passava por uma crise com forte instabilidade no setor bancário, o que levou a muitas revistas com as quais o escritor contribuía com textos a fecharem. Desde então, Poe esteve sustentando a família apenas com o dinheiro que recebia de uma ou outra comissão. Não deu em outra: tudo avolumou-se de tal maneira que desfecho foi parar na justiça. Reblogamos o material para o nosso Tumblr.

>>> Brasil: Um livro em homenagem a Moacy Cirne

É do jornalista Alex de Souza Moacy Cirne: paixão e sedução nos quadrinhos, publicado pelas Edições Sebo Vermelho. A publicação traz um ensaio sobre a obra teórica do escritor potiguar, falecido em janeiro deste ano. No ensaio, Souza discute a preferência de Cirne pelo ensaio acadêmico como forma de expressão e comenta os dois primeiros livros escritos do autor, A explosão criativa dos quadrinhos e A linguagem dos quadrinhos, bem como os dois últimos sobre o tema, Quadrinhos: sedução e paixão e A escrita dos quadrinhos. Moacy Cirne foi o pioneiro na área de Comunicação Social a publicar estudos sobre histórias em quadrinhos no Brasil. Entre 1970 e 2005, foram sete livros e a coordenação de mais um, sobre o acervo da Biblioteca Nacional, o que o torna uma referência obrigatória na área. O estudo traz ainda uma entrevista feita em 2005 com Cirne veiculada na primeira edição da revista Brouhaha – Vozes na Cultura Potiguar, editada pela Funcarte.

Sexta-feira, 14/11

>>> Quatro músicas que você nunca imaginaria que tenham sido inspiradas na obra de Gabriel García Márquez

1. "Hay amores", de Shakira - a música é a mais emblemática das três canções compostas para a trilha sonora do filme "O amor nos tempos do cólera", baseado no livro homônimo de García Márquez
2. "San Petersburgo", de Silvio Rodriguez
3. "Despues de los despueses", de Sabina e Serrat
4. "Macondo", do cantor mexicano Oscar Chavez - inspirada em "Cem anos de solidão".

>>> Portugal: Uma revista dedica a obra de José Saramago

Chama-se Revista de Estudos Saramaguianos e é produto do encontro de pesquisadores da obra de José Saramago de três lugares do mundo: Brasil, Argentina e Portugal. Organizada pelos professores Pedro Fernandes, mentor da ideia, e Miguel Koleff. Seu viés é o de uma revista acadêmica, com tiragem semestral, gratuita e eletrônica cuja proposta é a publicação de ensaios, documentos e recensões críticas que tenham como escopo a obra saramaguiana. Seu objetivo é o de fortalecer os estudos, intercambiar pesquisas e dar a conhecer as diversas possibilidades de leituras em torno da literatura do Prêmio Nobel de Literatura. A primeira edição tem uma limitada tiragem impressa pela Editora Patuá apresentada em dois volumes: um em língua portuguesa e outro em língua espanhola, as duas línguas em que circularão os textos publicados de agora em diante. São dois volumes com textos de Ana Paula Arnaut, Carlos Reis, Teresa Cristina Cerdeira, Conceição Flores, Fabiana Takahashi, Salma Ferraz, Miguel Koleff, Maria Victoria Ferrara, Pedro Fernandes e Lílian Lopondo. Apresentam-se ainda imagens de José Saramago do período de escrita de Claraboia, fac-similar de páginas desse romance e de materiais para a escrita de O ano da morte de Ricardo Reis. O volume em língua portuguesa, além desses arquivos, recebe um conjunto inédito de telas da exposição O feminino na escrita de José Saramago, produzida pela artista plástica Lena Gal e analisada por Pedro Fernandes. A apresentação ocorre no dia 15/11 na sede da Fundação José Saramago. Detalhes aqui

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Onze livros sobre escravidão e racismo na literatura estadunidense

Boletim Letras 360º #241

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter

Ivan Búnin