Boletim Letras 360º #91

Preparamo-nos para mais um aniversário da escritora Clarice Lispector. Hora de Clarice, o evento que assinala a data já está todo pronto. Mais detalhes do programa de 2014 ao longo deste boletim


Uma semana a mais no calendário do Letras. Anunciamos que para breve deveremos fazer uma pequena pausa por aqui. Mas, até lá, ainda teremos muitas novidades que contar. E nem deixaremos nossos leitores sozinhos nas férias. Sempre inventamos coisas que vocês nem dão pela nossa falta. Esperem só, para ver. Enquanto isso, mais um boletim com aquilo que foi notícia durante a semana em nossa páginas do Facebook.  

Segunda-feira, 01/12

>>> França: Descoberto o último exemplar da primeira edição das peças de William Shakespeare

Mr. William Shakespeares Comedies, Histories, & Tragedies é a primeira coleção que reúne as peças teatrais de Shakespeare. Os estudiosos modernos costumam referir-se a ela como First Folio. Até então eram conhecidos apenas 230 First Folios dos 750 que saíram da tiragem inicial feita por John Hemings e Henry Condell, seis anos após a morte do dramaturgo. O último exemplar foi encontrado agora nos arquivos da biblioteca de uma pequena cidade de Saint-Omer, no norte da França; a cidade foi um centro cultural na Idade Média cuja biblioteca reunia cerca de 800 manuscritos importantes, 230 incunábulos (livros impressos na Europa antes de 1501) e uma Bíblia de Gutenberg. O exemplar encontrado foi examinado por um especialista em Shakespeare e no First Folio da Universidade de Nevada e confirmada sua autenticidade. Ele acredita que a obra provavelmente foi através do Canal Inglês nas mãos de refugiados ingleses que fugiam da perseguição Anglicana. Contamos mais detalhes sobre essa descoberta numa matéria para o blog que pode ser lida aqui

>>> Estados Unidos: Intérprete de males de Jhumpa Lahiri, será adaptado para o cinema

E numa sequência de três filmes. A ideia é do diretor indiano Amitav Kaul que utilizará das histórias do livro para filmagens tanto na Índia quanto nos Estados Unidos. A obra foi vencedora do Prêmio Pulitzer de melhor ficção em 2000, sua entrada no mundo da literatura. No Brasil, a obra foi publicada pela Globo Livros pelo Selo Biblioteca Azul. Intérprete de males reúne nove contos.

Terça-feira, 02/12

>>> Portugal: Organizar toda a obra do padre António Vieira 

Dois anos e cerca de 15 mil páginas depois aparecem reunidas em 30 volumes preparados por uma equipe de mais de 72 especialistas e consultores internacionais, que trabalharam em milhares de documentos. Já havíamos comentado aqui sobre a empreitada. Agora sua conclusão. Iniciada em 2012, sob a direção de José Eduardo Franco, diretor do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (CLEPUL), e Pedro Calafate, professor na mesma instituição, a obra completa do jesuíta António Vieira, que o poeta Fernando Pessoa considerava o imperador da língua portuguesa, reúne não só textos já publicados em edições parciais como manuscritos inéditos, procurados em bibliotecas e arquivos em Portugal, Espanha, Itália, Inglaterra, França, no Brasil e nos Estados Unidos. O projeto, entretanto, não termina aí: se prevê ainda a preparação de um dicionário intitulado "Dicionário Multimédia de Vieira" e a tradução e edição da obra do jesuíta para 12 línguas: inglês, francês, espanhol, italiano, russo, mandarim, japonês, árabe, polaco, alemão, holandês e búlgaro.

>>> Brasil: Os primeiros títulos de literatura infantil e juvenil brasileira na mais importante biblioteca do gênero no mundo

A Internationale Jugendbibliothek (IJB) foi criada em 1949 por Jella Lepman, também fundadora do International Board on Books of Young People, responsável pelo Prêmio Hans Christian Andersen, espécie de Prêmio Nobel da Literatura Infanto-juvenil. Localizada em Munique, na Alemanha, a IJB divulgouos livros publicados ao redor do mundo em 2013 que farão parte do catálogo White Ravens; na lista, quatro títulos brasileiros: A árvore de Tamoromu, de Ana Luísa Lacombe com ilustrações de Fernando Vilela; As cores da escravidão, de Ieda de Oliveira com ilustrações de Rogério Borges; Bárbaro, de Renato Moriconi e Sete patinhos na lagoa, de Caio Riter.

>>> França: 200 anos depois celebrar Sade

Não será bem uma reconciliação. Sade esteve tão à frente de tudo que mesmo que se junte toda força libertária do mundo talvez não alcance os limites do francês. Mas, o Museu D’Orsay na França abre uma exposição que assinala a passagem dos dois séculos sem o Marquês. A mostra estará aberta à visitação até janeiro de 2015 abordando temas como a singularidade do desejo. Donatien-Alphonse-François nasceu em 2 de junho de 1740 em Paris; parte de sua educação foi construída a partir de seu tio, um erudito voltairiano, depois obteve o grau de capitão pela Escola de Cavalaria. Chegou a participar da Guerra dos Sete Anos. Foi preso pela primeira vez em 1768 acusado de torturar sua criada; solto, pouco tempo depois foi condenado à morte por delitos sexuais, mas conseguiu fugir para Gênova, na Itália. No regresso a Paris foi novamente detido e a partir de então começou e escreveu a maior parte de suas obras: em 1782 terminou “Diálogo entre um sacerdote e um moribundo”, texto em que ele se declarou ateu. Trasladado para Bastilha, num rolo de 12m de papel escreveu 120 dias de Sodoma, obra que descreve numerosas variedades de perversão sexual. Morreu no hospital psiquiátrico de Charenton num dia 2 de dezembro de 1814.

Quarta-feira, 03/12

>>> Brasil: Está prometido para breve a versão eletrônica para a 1ª edição da Revista de Estudos Saramaguianos

Apresentada no último dia 15 de novembro por ocasião das celebrações pelo 92º aniversário do escritor português na sede da Fundação José Saramago, em comunicado divulgado esta semana nas redes sociais do periódico fica reafirmado para breve a divulgação da versão eletrônica da Revista cujo interesse é fortalecer os estudos, intercambiar pesquisas e dar a conhecer as diversas possibilidades de leituras em torno da obra saramaguiana. Esta edição teve uma tiragem limitadíssima e impressa pela Editora Patuá. Apresentada em dois volumes: um em língua portuguesa e outra em língua espanhola, as duas línguas em que circularão os textos publicados a edição recolhe textos de nomes como Carlos Reis, Teresa Cristina Cerdeira, além de reunir imagens inéditas em torno da obra de Saramago.

>>> Brasil: Um prêmio de poesia com o nome de Donizete Galvão

A ideia foi apresentada por ocasião da Balada Literária, evento conduzido pelo escritor Marcelino Freire. O prêmio já entra em vigor a partir de 2014, quando o evento receberá trabalhos de todo o Brasil, selecionando um autor a cada nova Balada. Entre as premiações, o vencedor terá livro publicado pela editora Dobra e apresentado durante a festa.

>>> Brasil: Uma nova editora e novos títulos

Rádio Londres é nome de uma editora independente criada pelo italiano Gianluca Giurlando. O nome remete a uma estação clandestina que operou de 1940 a 1944 na França ocupada pelos nazistas e teve papel importante na resistência francesa. Os primeiros títulos chegam a partir de janeiro de 2015: Viva a Música!, do colombiano Andrés Caicedo, nome reverenciado nos países latinos; Stoner, do estadunidense John Williams, autor cuja obra conquistou a admiração de colegas como Ian McEwan, Julian Barnes e Bret Easton Ellis; Estação atocha, do estadunidense Ben Lerner; A vida em espiral, do senegalês Abasse Ndione; e Minotauro, do israelense Benjamin Tammuz. Nos meses seguintes, a editora publicará três dos mais importantes autores contemporâneos da Holanda, em traduções feitas com o apoio da Nederlands Letterenfonds: Joe Speedboat, de Tommy Wieringa, 47, Está tudo tranquilo lá em cima, Dez gansos brancos, de Gerbrand Bakker; e Tirza, de Arnon Grunberg.

Quinta-feira,04/12

>>> Brasil: Hora de Clarice

Dois eventos literários ganham forma no calendário cultural brasileiro: o Dia D (Dia de Drummond) e Hora de Clarice. No dia 10 de dezembro, o Instituto Moreira Salles, mentor das data, promove a quarta edição do evento queregistra o aniversário de Clarice Lispector. Para assinalar a data, o IMS-RJ realizará uma mesa-redonda, às 20h, sobre A paixão segundo G.H., romance que completa 50 anos de sua edição, com a presença de três grandes especialistas na obra clariceana: Yudith Rosenbaum e Nádia Battella Gotlib, professoras da Universidade de São Paulo, e Roberto Côrrea dos Santos, professor da Uerj. Antes da mesa-redonda, a atriz Mariana Lima fará uma breve leitura de trechos do livro. Outro destaque da programação é o vídeo-depoimento com Paulo Gurgel Valente, filho de Clarice, produzido especialmente pelo IMS, que passa a ser exibido a partir do dia 3 de dezembro no site dedicado à autora. Os centros culturais de São Paulo e Poços de Caldas terão uma programação especial para crianças. A oficina “Imagens para ler” pretende incentivar o gosto pela leitura e explorar de forma lúdica a obra de Clarice Lispector a partir da confecção de um livro-imagem com silhuetas dos personagens de A vida íntima de Laura, de 1974.

>>> Brasil: Três vezes Décio Pignatari

A Ateliê Editorial apresenta três títulos do escritor Décio Pignatari: Terceiro tempo, Viagem magnética e O rosto da memória. O primeiro título reúne crônicas em que Décio retrata uma seleta galeria de craques: Ademir da Guia, Rivellino, Nilton Santos, Garrincha e Pelé, que ainda vivia seu período áureo à frente do Santos F. C. Já Viagem Magnética é a sua segunda investida como dramaturgo. Trata-se de uma obra inédita, escrita entre 2004 e 2007; ao longo de seus vinte e seis “segmentos”,o autor retrata a biografia de Nísia Floresta. O rosto da memória data de 1986. Trata-se de um conto,mas a própria forma obra põe em questão as definições sobre o gênero em questão.

>>> Portugal: Um concurso para poetas da lusofonia

O escritor Samuel Pimenta lançou um concurso para poetas dos 18 aos 30 anos para a participação na antologia “Emergente – Novos Poetas Lusófonos”, que decorre até 31 de dezembro, numa parceria com a editora Livros de Ontem. Serão selecionados até 12 poetas emergentes de todo o universo lusófono para uma publicação que quer ser anual. Para saber mais sobre a antologia e o regulamento, consulte o seguinte aqui.

Sexta-feira, 05/12

>>> Inglaterra: Fotos raras de Virginia Woolf

Quem não tem amigos que gostam de fotografar apenas pelo amor ao registro do momento? Lady Ottoline Morrell, amiga de Virginia Woolf, era uma dessas pessoas. Gostava de fazer fotos, sobretudo, da escritora. Acompanhou-a pelos vários círculos e fez álbuns e álbuns: Londres, Garsington, Oxfordshire... Muitas dessas fotografias vieram a lume na ocasião em que Londres dedica-lhe uma exposição com imagens raras da escritora. No Tumblr do Letras reunimos 10 delas.

>>> Brasil: Novos russos pelo caminho

Não novos escritores, mas novos títulos. Depois de publicar títulos como Três anos, Minha vida, A dama e o cachorrinho e O beijo e outras histórias, a Editora 34 encerra 2014 trazendo ao leitor brasileiro O duelo, de A. P. Tchekhov. Pela mesma coleção publica ainda No campo da honra e outros contos, de Isaac Bábel. Desse autor, a editora apenas havia trazido a lume um conto publicado na coletânea Nova antologia do conto russo, organizada por Bruno Barretto Gomide e publicada há dois anos.

>>> Brasil: José Mindlin e sua loucura mansa

O Brasil talvez nunca terá alguém tão obcecado pelo livro como José Mindlin. O bibliófilo deixou uma extensa coleção que é hoje fundamental peça no quebra-cabeças da cultura nacional. Essa paixão pelos livros está impressa numa coletânea de textos que celebram o seu nome. Em mais de quinhentas páginas, A loucura mansa de José Mindlin reúne textos inéditos e compila outra leva de publicações em jornais e revistas. Acompanha essa seleção uma fotobiografia belíssima elaborada por Cristina Antunes e Nádia Batella Gotlib. A homenagem fecha com um acompanhamento de grandiosidade: um DVD com um documentário em homenagem a Midlin, seus livros e sua biblioteca. O livro é organizado por Plinio Martins Filho e Jacó Guinsburg.

>>> Estados Unidos: A pior cena de sexo da literatura de 2014

O Bad Sex in Fiction Award, premiação da Literary Review não foi para o japonês Haruki Murakami. O autor era o mais cotado de 2014 a receber o prêmio por O incolor Tsukuru Tazaki e seus anos de peregrinação. A relação imaginária entre o protagonista e duas amigas de infância, na qual ele faz comparações sexuais usando metáforas como “a umidade de uma floresta tropical” não foi superada por passagens do romance The age of magic, do Booker Prize Ben Okri.


..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A atualidade da tragédia grega

Ernesto Sabato, algum testamento

Dezesseis obras imprescindíveis ganhadoras do Prêmio Pulitzer

É urgente redescobrir a poesia de Hilda Hilst

Boletim Letras 360º #216

A genial arte de escrever em pé

Café Society, de Woody Allen

A violência como produto humano

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

Mães de tinta e papel: onze livros