Boletim Letras 360º #94

Manoel de Barros: obra receberá antecipação de reedição.

Desde o início da semana iniciamos nosso recesso de final de ano. As notícias ainda correm, porque o mundo não para, mas, tem-se uma leveza no ar. No Facebook, p. ex., temos mais tratado de recordar aquelas matérias que marcaram mais um ano de blog. Leia o que se passou, nesses termos das novidades literárias.

Segunda-feira, 22/12

>>> Brasil: Editora vai antecipar reedição da obra de Manoel de Barros

Já a partir de 2015 começa a reedição da obra integral do poeta. A nova casa agora deixa de ser a Editora LeYa, onde ficou por 15 anos, e passa para a Alfaguara. As edições avulsas só passariam a ser publicadas a partir do segundo semestre, no entanto, com a morte de Manoel de Barros, o lançamento deve ser antecipado já para o início do ano. Na lista dos primeiros relançamentos estão Livro das Ignorãças (1993), Livro sobre Nada (1996) e Poemas Rupestres (2004). Além disso, a Alfaguara deve cavoucar manuscritos inéditos para também editá-los.

>>> Portugal: A Fundação José Saramago apresenta a 31ª edição da Revista Blimunda

Em destaque, o dossiê dedicado a Agustina Bessa-Luís e a Sophia de Mello Breyner Andresen; uma conversa de Andreia Brites com um dos grandes autores de álbuns ilustrados do século XX, o estadunidense Eric Carle, no ano em que se assinalam 45 anos da publicação de um dos seus mais aclamados livros, A lagartinha muito comilona; no dia 28 de outubro deste ano, o Vaticano recebeu pela primeira vez o Encontro Mundial de Movimentos Populares, promovido pelo Papa Francisco, que contou com a participação do presidente boliviano, Evo Morales - o momento histórico foi registrado Ignacio Ramonet. E texto de Sara Figueiredo, e de Claudia Piñeiro, este último lido na apresentação de "Alabardas" na Feira Internacional do Livro de Gudalajara. A revista agora também passa a ter uma página no Facebook; já a edição de dezembro pode ser acessada a partir daqui.

>>> Portugal: Parte importante do conjunto de manuscritos de Almeida Garrett foi adquirida pelo governo português

O material estava na posse da família Futscher Pereira. O anúncio foi feito na sessão de inauguração da exposição promovida pelo Panteão Nacional para evocar os 160 anos da morte do escritor. São cerca de 400 páginas manuscritas, todas elas relativas ao trabalho de pesquisa e compilação das lendas e romances tradicionais empreendido por Garrett, e que resultou na edição dos três volumes do seu Romanceiro, o primeiro publicado em 1843 e os restantes em 1851. O conjunto abarca um período que vai de 1839 até ao final da vida de Garrett e compreende 99 temas de romances. Desse acervo, muitos papéis não foram publicados por Garrett no Romanceiro. Os manuscritos serão depositados na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, enriquecendo, desta forma, o já importante espólio garrettiano de que a instituição dispõe.

Terça-feira, 23/12

>>> Brasil: Mais um título de Roberto Arlt recebe tradução

Sai pela editora Relicário A vida porca (1926), o primeiro romance conhecido do escritor argentino e o mais autobiográfico de seus textos. Conta a história de Silvio Astier, um adolescente do submundo portenho do começo do século XX. Filho de imigrantes, Astier comete crimes por meio dos quais ascende à cultura letrada da qual foi excluído. A nova tradução é de Davis de Oliveira Diniz, que também assina o posfácio da publicação. Recentemente, as obras de Arlt caíram em domínio público, e agora têm sido amplamente traduzidas. Essa não é a primeira tradução desse romance no Brasil; já a Iluminuras havia publicado com o título de O brinquedo raivoso. A modificação pela Relicário, explica Davis Diniz, foi por uma “vontade” do autor: “Ao apresentar os manuscritos para seu editor, Arlt o mostrou com o título A vida porca”, afirma.

>>> Brasil: Os lançamentos para 2015 da Globo Livros

Apesar de ampliar os investimentos nos chamados Best-Seller em 2014, a editora tem se salvado com boas publicações pelo chamados selo Biblioteca Azul. Para 2015, essa lista de títulos será ampliada. No site da editora foi divulgado o que está por vir. Muito dos títulos anunciados já comentamos sobre sua chegada aqui, mas não custa rever o que os leitores podem esperar. The narrow road to the deep North, de Richard Flanagan (romance vencedor do Man Booker Prize 2014); L’ amica geniale, de Elena Ferrante, uma reclusa escritora italiana - tão reclusa quem sabemos se fato é uma escritora; A girl is half-formed thing, Eimear McBride; Euforia, de Lily King; To Rise Again at a Decent Hour, de Joshua Ferris; The empathy exams, de Leslie Jamison.

Quarta-feira, 24/12

>>> Brasil: A raposa já era caçador

Sai pela Globo Livros / Biblioteca Azul o romance de Herta Muller. Situado na Romênia de fins dos anos 1980, a narrativa de A raposa já era caçador se centra na professora Adina e na operária Clara. A convivência e a cumplicidade são um refúgio em meio ao ambiente paranoico da ditadura comunista de Nicolae Ceaucescu.

>>> Brasil: A polêmica em torno do racismo em Monteiro Lobato ainda não teve fim

A polêmica é de 2010 e começou quando um parecer do Conselho Nacional de Educação recomendou a não distribuição de "Caçadas de Pedrinho"; tudo por causa de uma passagem de "Caçadas de Pedrinho", a obra em questão, em que personagem negra Tia Anastácia é comparada a uma "macaca de carvão". A questão que foi parar na Justiça recebeu o parecer do ministro Luiz Fux que rejeita a ação. A polêmica, entretanto, ainda não está sepultada. Humberto Adami, o advogado responsável pela ação diz que recorrerá da decisão junto ao Supremo e, se necessário, aos tribunais internacionais. Em 2013 o blog Letras in.verso e re.verso pronunciou-se contra ao que chama de censura.

Quinta-feira, 25/12

>>> Brasil: Recall de Millôr 100 + 100

Todos os exemplares de Millôr 100 + 100: desenhos e frases, lançado em junho são recolhidos por conterem um desenho de Saul Steinberg (1914-1999) erroneamente identificado como sendo da autoria de Millôr Fernandes. O Instituto Moreira Salles (IMS), publicador da edição, divulgou que as trocas poderão ser feitas até 30 de dezembro de 2015. Para isso, pode-se usar os Correios, a loja virtual do IMS, os centros culturais do instituto e as livrarias Da Travessa e Cultura. Os destalhes estão no site da instituição. O erro foi detectado no sétimo desenho do livro. Agora, a nova edição traz na capa o selo de identificação “100% Millôr”.

Sexta-feira, 26/12

>>> Musicar Alberto Caeiro

O heterônimo de Fernando Pessoa ganha um trabalho belíssimo que assinala a passagem dos 100 anos de O guardador de rebanhos, escrito numa só noite em 1914. Pedro Altério e Bruno Piazza, dois expoentes da nova música brasileira, apresentam seu trabalho em DVD e nele inclui-se um dos poemas da em forma de canção. A dupla apresenta também canções de Rafael e Rita Altério e músicas autorais num repertório cuidadoso, aparentemente ingênuo e instintivo, mas que busca apresentar, como o trabalho do próprio Caeiro, algo puro e entregue às sensações. Para realização o projeto angaria recursos aqui.



..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+Instagram 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath