Os 10+ de 2014

Por Pedro Fernandes

As dificuldades foram muitas para deixar essa lista pronta; entre as razões está o caso de 2014 ter sido vivido como o mais intenso dos anos; não é para menos quando no âmbito de suas responsabilidades pessoais a vida faz um giro de 360º. Mas, aqui tenho vindo ano a ano, quase como uma promessa, para dizer aquilo que tem sido matéria de destaque nas duas principais frentes de produção artística que, na medida do possível, tenho acompanhado: a literatura e o cinema.

Recordo novamente sobre o instante de expansão porque passa o blog desde 2013, conforme tenho documentado aqui. 2014 marcou a chegada de Alfredo Monte que está ao meu lado, e de Pedro Belo Clara, Rafael Kafka, Cesar Kiraly, Thiago Gonzaga dedicando-se a sempre fazer do Letras um rico espaço sobre Literatura. Que em 2015 outros nomes possam ser incorporados para manter sempre ativo um espaço que se destaca entre os melhores do gênero no Brasil. 

Registro feito, passo a ocasião, portanto, em que providencio dizer sobre os livros e os filmes que marcaram esse ano. E sempre irei reiterar que a lista é resultada de uma opinião e de uma motivação pessoal que não tem nenhum mérito satisfazer o gosto alheio, nem quer ser ranking comercial ou dizer aquilo que foi as melhores publicações ou estreias. É apenas um balanço pessoal. Depois de cada motivo o leitor pode acessar as notas que circularam por aqui sobre o título em questão; ao menos em relação àqueles que tiveram comentário no Letras.



OS LIVROS

1. A desumanização, de Valter Hugo Mãe: o título mais recente do escritor português cujo destaque tem se ampliado obra a obra. Aqui, no Letras a leitura desse romance assinala certo compromisso assumido com os leitores – claro, motivado pelo fascínio que essa obra tem exercido sobre mim – em ler na íntegra as publicações de Mãe no Brasil. Tem notas aqui

2. Ódio, amizade, namoro, amor, casamento, de Alice Munro: a primeira contista a receber um Prêmio Nobel de Literatura é um epíteto que levará todo curioso pela escrita a ler alguma coisa de sua obra. Munro não era uma desconhecida no Brasil. Eu era quem desconhecia sua obra. Outro ingrediente, acima da premiação máxima, está no veio temático mais forte de sua literatura – a ação das mulheres, tema que tem servido de reparo para estudos como o que redigi em torno da prosa de outro Prêmio Nobel em Retratos para a construção do feminino na prosa de José Saramago. Há notas publicadas aqui.

3. A cabeça do santo, de Socorro Acioli: foi o caso de uma descoberta ao acaso. A obra chegou-me, por engano, a minha caixa dos Correios. Vejam só. O pedido era sobre o novo romance da Ana Miranda, outra cearense de minha predileção, e quando vejo estava encantado com a prosa de Socorro. Tenho alguma fé na sua literatura. Reafirmo numa ocasião em que o Brasil necessita, com urgência, de vozes mais convincentes. As primeiras notas sobre a obra tem o pioneirismo deste blog como reconheceu a própria Socorro num Twitter enviado ao @Letrasinverso estão aqui.

4. Romance com pessoas, de José Luiz Passos: a indicação veio por Alfredo Monte. Ele foi quem redigiu um texto sobre a obra que foi reeditada por esses meses. Ainda estou pelo caminho com a leitura porque fiz interrupções para outras não-sei-quantas obras que me pediram maior urgência. Mas, até onde já parei, tem valido a recomendação, a ponto de colocá-lo naquela lista dos nomes que ponho fé, como fiz para Socorro. As notas de Alfredo podem ser lidas aqui.

5. O irmão alemão, de Chico Buarque: é possível que venha a redigir algum texto em que organize minhas notas de leitura desse romance há muito prometido. A literatura de Chico Buarque marcou-me desde Budapeste e Leite derramado, tanto que já redigi textos mais acurados para a academia sobre a prosa romanesca de uma das personalidades mais lembradas em 2014 por sua chegada à cada dos 70 anos. O Letras fez, inclusive, um especial dedicado a ele. Quanto ao O irmão alemão, este foi, sim, uma surpresa que coloco entre os títulos citados anteriormente. Alfredo Monte redigiu notas sobre esse romance; aqui

6. A duração do deserto, de Nina Rizzi: o contato com a obra poética de Nina vem de outras paragens. Nutre-se de encontros pessoais. Lembro ter estado com a poeta a dividir uma mesa sobre poesia. Bem, há muito o que cavoucar na poesia dela e sei do andamento de trabalhos nesse sentido. Como mero leitor de poesia, eu apenas recordo que o título mais recente merece estar aqui nessa lista de afetos. Notas aqui

7. Tempestardes, de Leonardo Chioda: assim como merece esse outro título. Chioda mostrou-se como uma das vozes mais inventivas dos chamados novíssimos. E faz par com Nina como um dos autores que merece atenção. Particularmente, tenho com esse livro a relação de que nunca terei findado sua leitura, ainda que feita aos saltos e demoradamente como se pede a boa poesia. Leia notas aqui.

8. A morte do pai, de Karl Ove Kanausgård: sempre me impressiona a capacidade que alguém tem de guardar ou esmiuçar uma situação em tantos detalhes miúdos. Foi essa, talvez, minha primeira atração por ler autores como Proust (desafio que ainda não passei de umas dezenas de páginas do primeiro volume de Em busca do tempo perdido). Mas, estive tomado pela prosa caudalosa de Karl Ove; e sei que tanto detalhismo assim não é prodígio de uma grande memória capaz de guardar tudo o que viveu, mas é prodígio de quem sabe recriar, a partir do vivido, situações que, narradas em primeira pessoa e com detalhes minimamente próximos de si e tornando conhecidos em personagens dessas histórias, redige essa tessitura a que chamamos autobiografia. Na fila está o segundo volume. Notas aqui.

9. Antologia poética, de Murilo Mendes: a edição luxuosa com a obra foi recriada é motivo primeiro para qualquer um ter na estante o livro; mas, é a capacidade poética, um passeio que você pode fazer por ela, o que me motiva ter esse livro numa lista que já privilegiou outros dois títulos de poesia. Além disso, Murilo Mendes é uma das vozes mais significativas de nossa literatura que ganha, agora em 2014, o privilégio de voltar às estantes dos brasileiros. Comentamos sobre esse acontecimento numa matéria para o Letras.

10. Alabardas, alabardas, espingardas, espingardas, de José Saramago: não é um romance porque o escritor português não viveu o tempo necessário para lhe dar a forma que já desenhara na cabeça. Mas é um conjunto de palavras indispensáveis a um mundo cada vez mais cinzento e amarrado pelas forças de opressão e pela ganância de mandar. Esse livro contém uma potência de sentidos só construídos por sensibilidades como a do escritor português, alguém que nunca deixou, até o fim de seus dias, de ansiar que encontrássemos o caminho da humanidade. As notas estão aqui e figura entre as postagens mais acessadas do ano no blog. 



OS FILMES

1. O lobo de Wall Street, de Martin Scorsese: não gostaria de encabeçar a lista dos que só lamentam a má sorte (ou a perseguição) de Leonardo di Caprio nunca ganhar um Oscar pelo trabalho merecido. Mas, tenho de dizer. Esse é um filme que só existe por ele. Há notas sobre o filme aqui.

 2. Álbum de família, de John Wells: não sou nenhum cinéfilo, mas dos muitos títulos que já passaram à minha vista, não me lembro de nenhum que tenha mimetizado tão bem a atual condição dos Estados Unidos e-ou os disparates de uma sociedade esquizofrênica. Sim, é uma aula de história, apesar de não ser um filme histórico. Notas aqui.

 3. Her, de Spike Jonze: nunca escrevi nada sobre esse filme que é mais perfeita tradução, agora, não de uma condição de um país, mas de uma humanidade encantada nos labirintos espelhados do universo virtual.

 4. Gravidade, de Alfonso Cuarón: os prêmios do Oscar atribuídos ao filme foram todos válidos. Contar uma história espacial é muito fácil; quando mais o cineasta tem ao alcance toda sorte de parafernálias tecnológicas capaz de produzir os efeitos que quiser. Agora, não abusar disso e ainda produzir, de fato, uma história, é coisa cara para o cinema contemporâneo. Notas aqui.

5. Interestelar, de Christopher Nolan: pode ter dois filmes com uma mesma justificativa e com formas assemelhadas numa lista? Pode. Como os títulos de poesia assinalados na primeira parte dessa listagem, Interestelar tem de estar aqui, simplesmente, porque acresce à capacidade de Cuarón, outras relações complexas para o cinema de ficção científica; e mais consegue fazer sentido com as abstrações que recobra. Notas aqui

6. Trapaça, de David O. Russell: narrativa muito bem elaborada a ponto de ter por esse filme a impressão de se tratar de uma daquelas piruetas que só o cinema consegue cumprir. Tal como O lobo de Wall Street o filme revisita a história da economia estadunidense para, claro, desfazer aquela ideia de que o modus vivendi do capitalista rico é tão somente uma farsa, ou uma aparência cujo sentido só pode ser compreendido pela ótica da ganância ou ainda pela revisitação da sobreposição do verbo ter sobre o ser. Notas aqui

7. Philomena, de Stephen Frears: alguma parte da crítica terá lido esse filme como apenas um dramalhão barato que coloca em cena a figura da mãe à procura do filho desaparecido. Mas não é só isso. E esse um filme que torna visível – ou amplia o traço da visibilidade – daquilo que a hipocrisia da Igreja esconde; crimes sobre os quais não tem disposição suficiente para reconhecer e prefere ainda sustentar-se pelas doses cavalares da mentira. Só por isso é um filme que trata não apenas de colocar à vista uma injustiça, mas tem um poder político forte para servir de apelo à lucidez. Notas aqui.

8. Ninfomaníaca, de Lars Von Trier: construído sobre uma muralha de polêmicas, pelo conteúdo que veicula, essa é produção menos significativa, compreendo, do diretor, mas indispensável ao telespectador que quer, ou ver como as polêmicas não se sustentam, ou ver uma tentativa de trazer a lume os meandros reprimidos do sexo. Mas, calma, não é um filme que anseia tocar em pudores reprimidos apenas, quer tocar num conjunto de discursos que tornam possíveis determinados pudores. Notas aqui.

9. Doze anos de escravidão, de Steve McQueen: não é apenas uma questão de história tornar público os crimes do homem sobre o próprio homem; é tornar visível momentos nem sempre tomados como constituintes da história oficial. O filme é uma boa resposta ao que pode ser lido pelo ângulo de fazer olhar para aquilo que fomos – ou que ainda somos. Rico de interpretações brilhantes, embora a narrativa merecesse maior fôlego. Notas aqui.

10.O homem duplicado, de Denis Villeneuve: baseado num romance de mesmo título do José Saramago, como leitor da obra do escritor português não estaria em sã consciência deixar esse filme fora da lista, mesmo com todas as minhas críticas ao processo de adaptação e as “subversões” inseridas pela direção. Notas aqui


Comentários

Adriana Balreira disse…
Adorei a lista de vocês. Ainda não li o livro do Chico, todos falando muito bem! E o do Saramago, está tão bom assim?
Beijos
Adriana
Pedro Fernandes disse…
Adriana, há outros livros que poderiam ocupar o lugar deste do Saramago bem como o de qualquer outro título da lista. Toda lista faz escolhas. E escolhas não são imparciais. A colocação do título "Alabardas" é pelo teor de como essa obra nos chega e o que ela nos provoca: o debate e a inquietação sobre um tema colocado sob o tapete da hipocrisia. É uma lista pessoal, essa. Grande abraço e muito obrigado pela atenção dada ao Letras. Amamos leitores como você! Bom 2015!
Milena disse…
Conheci Mãe através da Máquina de Fazer Espanhóis e, desde então, não consegui mais parar de ler. Sem dúvida, A Desumanização foi uma grande surpresa. Como ele consegue em capítulos tão curtos mergulhar tão profundamente na existência da personagem principal e de outros? Admira-me ainda uma realidade fantástica tão super-humana, como ele o faz de forma peculiar. Não segui a ordem da cronologia que ele montou nas suas obras, o que foi bom, em certo sentido, já que ele põe, às vezes, tamanha dureza, a despeito de toda a poética encontrada na sua escrita. A Desumanização é surpreendente!

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse