Um mistério a mais para a obra de William Shakespeare



A biblioteca de Saint-Omer, no norte da França, descobriu tem poucos dias que albergava, sem que ninguém tivesse dado conta em 400 anos, um exemplar de um dos livros mais importantes e valiosos da  história da cultura ocidental: um First Folio, como é chamado a primeira edição das obras de Shakespeare. A identificação desta cópia, até agora desconhecida, será um motivo de celebração nacional entre os estudiosos da obra do bardo inglês. A descoberta volta a colocar no centro do debate o livro publicado em 1623 e que reúne 36 das 38 obras conhecidas do dramaturgo e como tudo que rodeia sua biografia, é uma obra que está cercada de perguntas até então sem respostas.

Nunca foi encontrado nenhum manuscrito original de Shakespeare - apenas 14 palavras que julgam os especialistas foram escritas por seu próprio punho; dessas, seis são assinaturas em que, cada uma apresenta seu nome escrito de uma maneira diferente. Da mesma maneira também existem poucas imagens verdadeiras do escritor, uma delas é a que serve de capa às edições do First Folio. “Não sabemos se deixou alguma vez o Reino Unido. Não sabemos quem foram seus amigos nem como se divertia. Sua sexualidade é um mistério insondável. Só sabemos com certeza sobre um pequeno número de dias de sua vida e onde esteve. E não temos nenhum documento sobre suas andanças durante os oito anos cruciais em que deixou sua mulher e seus três filhos em Stratford e se converteu num dramaturgo em Londres”, escreve Bill Bryson no seu ensaio Shakespeare.

Ainda assim, não temos dúvidas: nenhuma obra literária terá sido estudada com tanta dedicação como a sua: “Sua obra contém 138.198 vírgulas e 15.785 pontos de interrogação; seus personagens falam de amor 2.259 vezes e o de ódio apenas 226. Deixou-nos 884.647 palavras que formam 31.959 diálogos em 118.406 versos” - reforça Bryson com dados que presumem e sustentam essa ideia de ser o mais estudado. E tudo isso, o mistério de sua vida e a certeza de sua genialidade, só chegou até nós graças a uma edição como a que agora foi encontrada na França.

Mas, voltemos à impossibilidade de dizer que as coisas estejam de um todo esclarecidas em torno do First Folio. Os atores John Heminge e Henry Condell o publicaram pela primeira vez sete anos depois da morte de Shakespeare com um prólogo de Ben Jonson ao preço alto de uma libra, o equivalente a mais de 6 mil reais. Começa o mistério já pela quantidade de exemplares impressos: a conta gira em entre 700 e 1000; também não se sabe quantos deles resistiram até nós: a conta aqui está entre 220 e 240 porque alguns exemplares estão muito estragados e a numeração está um tanto comprometida além de os pesquisadores manterem em aberto um debate sobre o que é ou não um First Folio. O que sabe com certeza é que o quanto vale aproximadamente um exemplar desses agora: já pagaram mais de 12 milhões de reais por um exemplar num leilão realizado pela Sotheby’s em 2006.

“Ao incorporar a lista de atores demonstra que não foi só uma celebração literária, mas também teatral. Talvez tenha se convertido em tema de discussão entre Shakespeare e seus colegas antes de sua morte e é possível que alguns textos que fizeram parte da transcrição tenham sido corrigidos pelo próprio dramaturgo. Seja como for, a maior parte dos títulos estão escritos por Ralph Crane, um amanuense profissional que com frequência trabalhou para as companhias de teatro”, lembra o historiador britânico Peter Ackroyd em Shakespeare, a biografia.

Até então, além dos sonetos, apenas tinham sido publicadas 16 obras de Shakespeare e de forma muito irregular; em grande parte transcrições do que se declamava no teatro sem o controle do autor, o que era relativamente normal para época dado que as peças eram para ser vistas e escutadas e não ser editadas como hoje são a grande maioria dos roteiros. Graças ao First Folio se conhecem hoje os textos de MacbethA tempestade ou Julio Cesar. Ou seja, é graças a essa edição que Shakespeare é Shakespeare e não apenas mais um dramaturgo da era isabelina.

Quatrocentos anos depois de tudo isso, o bibliotecário Remy Cordonnier encontrou o livro enquanto buscava materiais para uma exposição com o livro. Sabe-se que neste 2014 assinala-se os 450 anos de Shakespeare; a exposição seria alusiva a efemeridade. Bem, a biblioteca onde Remy fez a pesquisa foi uma das mais importantes da Europa na Idade Média e alberga inumeráveis tesouros como um exemplar da Bíblia de Gutenberg. Depois de notar que a edição ora encontrada muito se parecia com as descrições das edições raras da obra shakespeariana, o bibliotecário buscou ajuda a Eric Rasmussen, um pesquisador estadunidense especializado na obra do bardo inglês, que viajou até a cidade francesa e, depois de algum tempo de análise, pode constatar que, sim, Remy havia encontrado um exemplar das edições raríssimas de Shakespeare.

A descoberta de agora vai muito além de ser apenas mais um número dos primeiros fólios disponíveis, de 220 a 221 (ou 240 a 241); do modo como eram impressos os livros naquela época, século XVII, cada cópia acaba por ser única. A biblioteca Folger de Washington é a instituição que alberga a maior coleção do mundo desta edição (uma de cada três das que se preservam). Mas, o que surpreende são as variações de um exemplar para outro. E por isso a falta que faz os primeiros fólios é muita. É necessário ter todos eles juntos para num cruzamento de dados poder alcançar o conhecimento mais próximo da obra de Shakespeare. Tarefa ainda muito distante. Ou, se alguma coisa serve de consolo aos estudiosos, a descoberta de mais um exemplar é apenas mais um passo no interior de um mistério que parece nunca ter fim.


Ligações a este post:

* texto escrito a partir de "Un nuevo Primer Folio agranda el misterio de William Shakespeare", de Guillermo Altares para El país 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

A atualidade da tragédia grega

É urgente redescobrir a poesia de Hilda Hilst

Ernesto Sabato, algum testamento

Dezesseis obras imprescindíveis ganhadoras do Prêmio Pulitzer

José Américo de Almeida: literatura se faz também com engajamento

A violência como produto humano

Café Society, de Woody Allen

A genial arte de escrever em pé

Mães de tinta e papel: onze livros