sexta-feira, 25 de abril de 2014

10 filmes essenciais a partir das peças de William Shakespeare


O poeta e dramaturgo inglês William Shakespeare tem sido, mesmo sem saber, um dos maiores roteiristas do cinema. Atende quase pelo epíteto de infinito a quantidade de obras do gênero produzidas a partir de sua literatura: uma contagem recente acusava mais de 400 produções, entre longas e curtas, sendo que entre 2013 e este ano cerca de 12 filmes tendo por base sua obra foram ou estão em produção. Só Hamlet, por exemplo, já mereceu meia dúzia de adaptações, seguido de Romeu e Julieta com cinco releituras; outras obras como, O mercador de Veneza, Otelo, Sonho de uma noite verão, Macbeth, A megera domada já tiveram, aos menos, duas adaptações.

Entre essa leva de títulos, Alfredo Monte indica aos leitores 10 títulos indispensáveis: “tem o indefectível Hamlet, de Laurence Olivier” que não aparece na lista, “não desgosto, muito pelo contrário, da versão completa da peça, dirigida por Kenneth Branagh, mas é ‘estilosa’, amaneirada demais, com seu elenco irregularíssimo” – por isso prefere a versão russa. Mas, “se é, entretanto, para indicar somente 10 filmes entre as centenas de versões cinematográficas (incluindo filmes de fantasia, como o belo Planeta proibido, que evoca A tempestade), escolho os seguintes:”



1. Hamlet (1964), a versão russa de Grigori Kozintsev (com codireção de Iosif Shapiro), até hoje a mais impressionante que tive oportunidade de assistir, a que se parece mais com a ideia que tenho da peça. Que fotografia! Um detalhe: o roteiro teve colaboração de Boris Pasternak (autor de Doutor Jivago). Apesar do nome finneganswakiano, Innokentiy Smoktunovskiy no papel-título eclipsa Oliviers, Branaghs etc;

2. Trono manchado de sangue (1957). Gosto do Macbeth de Welles, gosto bastante da versão “suja” de Polanski, todavia essa apropriação da trama shakesperiana para o universo de Kurosawa é arrasadora, e tem a ligeira vantagem sobre Ran (o Rei Lear do genial diretor japonês) de ser mais seca, desidratado de grandiloquência. Para mim, um dos filmes essenciais da história do cinema;

3. Rei Lear (1971). Peter Brook (que já tinha dirigido Orson Welles numa versão de 1953) encena quase que com um espírito bergmaniano esta belíssima e controversa versão (que parece ter sido filmada nos confins do universo, no território da desolação). E que ator é Paul Scofield, um dos maiores entre os maiores. Listo o de Brook, mas é bom lembrar do filme de Kurosawa (e, claro, da versão do mesmo Konzintsev do Hamlet acima, e que sempre foi muito difícil de ter a oportunidade de assistir);



4. Otelo (1952). A versão de Orson Welles vale mais pelo visionarismo e visceralidade do próprio diretor do que exatamente pela harmonia do conjunto (para a qual contribuiu principalmente a caracterização do próprio e ultranarcisista diretor no papel-título). Ainda assim, um filme grandioso. A versão corretinha de Oliver Parker, de 1995, tem, para mim, a melhor e mais linda Desdêmona do cinema, Irène Jacob;

5. César deve morrer (2011). Ainda que o filme de 1953 de Joseph L. Mankiewcz seja o mais bem-sucedido e equilibrado espetáculo hollywoodiano já levado a cabo utilizando uma tragédia shakesperiana (além de ser um grande momento de James Mason), há muitos anos já não esperava mais nenhuma versão realmente inovadora e brilhante de uma peça do bardo. E eis que os irmãos Taviani resolvem a equação de forma genial e simples: colocando presidiários para interpretar o drama da conspiração romana. Um dos maiores filmes recentes;



6. A megera domada (1967). Não posso dizer que sou muito fã de Franco Zeffirelli. Mas, se algum dia ele já acertou a mão num filme, foi nessa deliciosa travessura do casal Elizabeth Taylor-Richard Burton, inspiradíssimo nos seus arrufos e arrulhos, numa encenação bela de ver, leve, dinâmica, cheia de verve e charme;

7. Como gostais (1936). Um jovem Laurence Olivier (ainda sem aqueles maneirismos canastrônicos que ele foi cristalizando no cinema) atua, nessa adaptação dirigida por Paul Czinner, no papel de Orlando, naquela que é a comédia mais espirituosa e engenhosa de Shakespeare. Apesar do roteiro não dar conta plenamente disso, o filme tem aquele timing dos anos 1930, e pode ser uma boa introdução para quem quer começar a conhecer o lote menos trágico da sua obra;




8. Henrique IV - 2ª. parte (2012). Richard Eyre não é um grande diretor, longe disso, mas ele fez a mais cirúrgica e precisa adaptação de uma peça histórica de Shakespeare, pelo menos em anos recentes. Essa segunda parte é bem mais interessante que a primeira (diga-se a verdade: é impossível entender todos os imbróglios ligados à sucessão real dessas peças). Jeremy Irons, soberbo;

9. O mercador de Veneza (1973). E eis uma interpretação shakespeariana de Laurence Olivier na lista, enfim! Na verdade, incluo este telefilme de John Sichel porque foi a primeira vez, quando eu ainda era garoto, que um texto de Shakespeare me despertou a atenção, siderado que eu fiquei com as cenas de julgamento, as réplicas, a atmosfera toda dessa estranha peça;

10. Sonho de uma noite de verão (1935). Acho que Max Reinhardt deu o toque de classe, o “plus” ao codirigir com William Dieterle uma versão americana da sublime farsa sazonal, muito menos ridícula e forçada (talvez pela pátina nostálgica) que quase todas as versões posteriores das comédias shakespearianas com elencos mais castiços. O elenco é inusitado, indo de James Cagney (não, não, ele não interpreta Puck, papel de Mickey Rooney, mas encarna Bottom, curiosidade que já valeria uma olhada no filme) a Olivia de Havilland (Hermia).

***

Alfredo Monte é professor e leitor, as duas grandes atividades da sua existência. Tem doutorado pelo Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da USP, desde outubro de 2002, com uma tese sobre a obra de Autran Dourado. Desde 11 de abril de 1993, mantém uma coluna semanal no Galeria do jornal A Tribuna de Santos. Volta e meia publica na Folha de S. Paulo. Mantém o blog Monte de Leituras dedicado exclusivamente a comentários sobre as obras que vai lendo e agora integra o corpo de colunistas do Letras in.verso e re.verso.