Postagens

Mostrando postagens de Agosto 26, 2014

Julio Cortázar, o menino de 100 anos

Imagem
Por Juan CruzRuiz


O menino. Cortázar disse a Elena Poniatowska, numa das quatro entrevistas que ela lhe fez, que sentiu mal de menino: “Sim, eu creio que fui um animalzinho metafísico desde os seis ou sete anos. Recordo muito bem que minha mãe e minhas tias – meu pai nos deixou muito pequenos, a minha irmã e a mim – enfim, a gente que me via crescer, se inquietava por minha distração ou devaneio. Eu estava perpetuamente nas nuvens. A realidade que me rodeava não tinha interesse para mim. Eu via as lacunas, digamos, o espaço que há entre duas cadeiras, se posso usar essa imagem. E por isso, desde muito pequeno, me atraiu a literatura fantástica”.
A gente. Seu primeiro livro importante, ou ambicioso, Os prêmios (1960), está pleno de gente, cheio de pessoas que vão num barco de Buenos Aires a Europa. Gente vulgar, todo tipo de gente. Tem essa admoestação de Dostoiévski, nada mais para começar: “Que faz um autor com a gente vulgar, absolutamente vulgar, como colocá-la diante seus leitores e…