Boletim Letras 360º #114


Uma novidade espalhada em nossas redes sociais é que receberemos já na próxima semana mais uma colunista que escreverá quinzenalmente para o Letras. Ela também vem de Portugal. De além-mar temos o nosso querido Pedro Belo Clara. E passaremos a ter a Maria João, já igualmente, nossa querida. Outra novidade é que em breve anunciamos a promoção que planejamos fazer em parceria com a página Dicas de Leitura. Sortearemos a “Antologia poética”, do Mário Quintana, que chega às livrarias já agora em meados de maio. Com esse sorteio alcançaremos a cifra de 150 livros distribuídos em três anos de promoções. E já foram nomes diversos: Carlos Drummond de Andrade, Manoel de Barros, Adélia Prado, Fernando Pessoa, Angélica Freitas, Vinicius de Moraes, Murilo Mendes, Ana Cristina Cesar, Paulo Leminski, Diva Cunha, Jorge de Lima, Inês Pedrosa, Socorro Accioli, Chico Buarque, Jane Austen, José Saramago, Mia Couto, Alice Munro, Milton Hatoum, Vernaide Wanderley, Pedro Fernandes, Clarice Lispector, Rodrigo Lacerda, F. Scott Fitzgerald, entre outros. Gostaram? A seguir copiamos as notícias que circularam esta semana em nossa página no Facebook.

Esta é a tela mais valiosa na história dos leilões de arte. Mais detalhes ao longo deste boletim.


Segunda-feira, 11/05

>>> Brasil: Julio Cortázar em alta

A Editora Civilização Brasileira, depois de publicar uma edição especial de O jogo da amarelinha e um conjunto de conversas inéditas A fascinação das palavras coloca em circulação outros livros do argentino: as peças de teatro Os reis" e Adeus, Robinson e outras peças curtas. Com eles, saiu a reedição de Os prêmios. Os reis reconta o mito de Minos, Teseu, Ariadne e o Minotauro. É um texto de teatro fortemente permeado pela poesia. Este foi o primeiro livro em prosa publicado pelo argentino. E Adeus, Robinson e outras peças curtas traz 4 peças curtas ao melhor sabor do teatro do absurdo. São peças bem-humoradas, inteligentes e - sobretudo - críticas, escritas em diferentes momentos da vida de Cortázar.

>>> Brasil: Nos 90 anos de Rubem Fonseca, um livro inédito

Depois de Amálgama, título publicado em 2013 e com o qual foi laureado com o Jabuti de Melhor Livro de Contos no ano seguinte, o autor vem agora com Histórias curtas, uma coletânea com 38 contos inéditos. Em seu novo livro, Rubem faz referências aos temas clássicos de sua escrita, como a violência e o erotismo, mas também explora facetas até então não tão recorrentes em sua obra. A velhice e a degeneração da mente, por exemplo, são tratadas em muitos contos do novo livro, ora com irreverência, ora com profundidade dramática.

Terça-feira, 12/05

>>> Estados Unidos: Quanto vale um Pablo Picasso?

Parece que estão buscando um valor para designar o incalculável: uma tela do pintor quebra o recorde mundial de obra mais cara já arrematada num leilão. Agora ele está ao lado de nomes como Francis Bacon e Edward Munch, entre os mais caros. Les Femmes d'Alger (version O), de 1955 [imagem], foi vendida pela Christie’s de Nova Iorque na segunda-feira à noite pela bagatela de US$ 141,28 milhões. Junto com a peça, os pagadores que estavam inspirados, também arremataram L'homme au doigt, de Alberto Giacometti, que se tornou também a mais valiosa escultura alguma vez leiloada e a terceira obra de arte mais cara de sempre no mercado leiloeiro.

>>> Colômbia: Já recuperado exemplar da 1ª edição de Cem anos de solidão, assinada por Gabriel García Márquez, que tinha sido roubada no dia 2 de maio em Bogotá

O livro estava exposto na Feira Internacional do Livro, em Bogotá, e pertence a um colecionador que o tinha adquirido em 2006 e, mais tarde, pedido um autógrafo ao autor. Não tardou colocar as mãos no objeto porque a polícia logo deu com livro à venda numa banca de livros usados, no bairro de La Perserverancia, centro de Bogotá. Foi abandonado aí pelos ladrões quando perceberam que estavam a ser vigiados pelas autoridades. O livro estava numa caixa e não sofreu qualquer dano. A obra rara estava no evento que na edição de 2015 utilizou-se como tema o lugarejo ficcional Macondo.

Quarta-feira, 13/05

>>> Portugal: A obra de António Lobo Antunes no teatro

Maria Rueff é uma atriz portuguesa com vinte anos de carreira e leitora apaixonada da obra do escritor que começou a ler quando tinha só 14 anos. Agora, incorpora um monólogo com vozes femininas trágicas e cômicas com roteiro de Rui Cardoso Martins, escritor e jornalista e profundo conhecedor da obra de Lobo Antunes, de quem também é amigo pessoal. A adaptação bebe em obras como Memória de elefante e Exortação aos crocodilos.

>>> Brasil: A suavidade do vento, de de Cristovão Tezza ganha edição definitiva

Trata-se de um dos principais romances do autor de O filho eterno. J. Matozo é um misterioso professor de português em uma pequena cidade paranaense. Na solidão de seu pequeno quarto no segundo andar de um sobrado, ele gasta suas horas livres naquilo que pode tirá-lo – ou ao menos destacá-lo – da mediocridade circundante: Matozo escreve um livro. A aspiração de Matozo vai levá-lo a enfrentar a difícil escolha entre alimentar o sonho de se tornar um escritor reconhecido e manter sua posição confortável na sociedade local. Publicado em 1991, A suavidade do vento é uma arguta recriação literária de uma sociedade de regras e pequenas pretensões, que equilibra a tradição realista de uma vertente da literatura brasileira com elementos de fantasia de uma fábula moral.

Quinta-feira, 14/05

>>> Portugal: Novos detalhes sobre o filme Cartas da Guerra

Tratará de um retrato de António Lobo Antunes, conforme noticiamos noutra ocasião. Com direção de Ivo Ferreira, o filme já tem data de estreia: março de 2016. A informação é do "Jornal de Angola". O filme acompanha a trajetória do escritor português e sua relação com a guerra colonial em África. Estruturado em duas fases de produção correspondente a dois momentos da narrativa cinematográfica: a primeira é rodada em Cuando Cubango, Angola, onde o escritor esteve no período da guerra; e a segunda em Lisboa, Portugal, onde se deu a Revolução dos Cravos em 1974. O livro de correspondências Deste viver aqui neste papel descripto é a principal fonte para o roteiro da produção.

>>> Japão: Haruki Murakami fechou seu consultório virtual e vai editar livro sobre

Para colocar um ponto final no consultório on-line em que o escritor trabalhou nos últimos três meses, o anúncio de que publicará um livro com uma seleção do conteúdo do portal. A obra deve ter o mesmo título do site (O espaço do sr. Murakami) e contemplará entre 400 e 500 das cerca de 37.500 mensagens que o japonês recebeu desde a abertura da plataforma. O livro sai até o final de julho no Japão, segundo anuncia a mensagem de despedida e terá uma edição em papel e outra digital que incluirá não 400 ou 500 mais de 3000 entradas. Na mensagem de despedida Murakami se diz esgotado como se tivesse corrido uma maratona de 100Km e descarta a possibilidade de repetir novamente essa experiência, uma vez que, sequer conseguiu cumprir com a que agora chega ao fim: ainda restam algo em torno de 4.900 mensagens para leitura. Mas, garante, vai cumprir a palavra de responder a todas.

>>> Brasil: Novas reedições de Caio Fernando Abreu

Já havíamos comentado sobre o rico trabalho de reedição da Editora Nova Fronteira para obra de Caio F. Limite branco, Pequenas epifanias, Os dragões não conhecem o paraíso, Onde andará Dulce Veiga?, Pedras de Calcutá e três volumes de O essencial de Caio Fernando Abreu, correspondentes às décadas de 1970, 1980 e 1990 e Morangos mofados já estão de novo ao alcance dos leitores. A sequência de publicações apresentará Teatro completo e uma adaptação para HQ de Onde andará Dulce Veiga?, assinada por Arnaldo Branco e André Freitas. Já a L&PM Editores que relançará Ovelhas negras, Triângulo das águas, O ovo apunhalado e Fragmentos, além de um volume reunindo as últimas três obras de Abreu.

>>> Brasil: Inédito de Kobo Abe 

Romancista e dramaturgo, o japonês não é um desconhecido entre os leitores brasileiros; aqui, já foi publicado Mulher das dunas (Aliança Cultural) e A mulher da areia (Civilização) entre outros. A Cosac Naify publica agora o romance O rosto de um outro; considerado de matizes surrealistas tem como protagonista e narrador um cientista cujo rosto é irremediavelmente desfigurado por uma explosão. Publicada originalmente em 1964 e transposta para o cinema por Hiroshi Teshigahara em 1966 como O rosto da maldade, esta é a primeira tradução da obra no Brasil.

>>> Estados Unidos: O livro O sentido de um fim será adaptado para o cinema

Com este título Julian Barnes ganhou o Man Booker Prize de 2011. O sentido de um fim narra a história do aposentado Tony Webster que recebe uma herança inesperada e o leva a reavaliar seu passado. Ao retomar contato com uma ex-namorada da adolescência e abrir o baú de lembranças de seu amigo Adrian Finn, Webster descobre que há contas a acertar, sentimentos que não foram esquecidos e fatores surpreendentes que ameaçam a tranquilidade de sua vida. O sentido de um fim aborda, de forma brilhante, a sensação de instabilidade cronológica numa elaborada reflexão sobre o envelhecimento, a memória e o remorso. O papel de Webster será vivido pelo ator Jim Broadbent já vencedor de prêmios como o Oscar, o BAFTA e o Globo de Ouro.

Sexta-feira, 15/05

>>> Brasil: Fãs de Haruki Murakami, atenção!

Depois de publicar o conto Sono que é a história de uma mulher que resolve ficar dias sem dormir, a Alfaguara Brasil prepara os títulos Homens sem mulheres, que reúne contos inéditos, e A crônica do pássaro de corda (título ainda provisório para um catatau com cerca de 600 páginas que há tempos era pedido pelos fãs do autor no Brasil). O primeiro título já está em processo de edição; o segundo em tradução.

>>> Brasil: A febre das HQs chega à obra de Mário de Andrade

Num ano dedicado ao escritor brasileiro, além de eventos, uma biografia e reedições de sua obra (tudo acompanhado com certa atenção por esta página), a Editora Nova Fronteira, ainda a responsável pela obra de Mário de Andrade, lança agora, além do romance inacabado Café, uma seleção de contos e crônicas do escritor, a versão em quadrinhos de Macunaíma. O romance já clássico da literatura brasileira foi publicado em 1938 ganha roteiro de Izabel Aleixo e ilustrações de Kris Zullo.

>>> Estados Unidos: 130 anos depois livro revela o início da escrita de Anton Tchekhov

Se você nunca ouviu falar em Antosha Chekhonte, um parodista brilhante que publicou, persistentemente, esboços hilários em revistas russas humor (como The Alarm Clock e Dragonfly) durante o final dos anos 1870 e início dos anos 1880 - bem, você está perdoado. Chekhonte era na verdade o jovem Anton Tchekhov, e seu primeiro livro de escritos, The Prank (A brincadeira, em tradução livre) nunca foi publicado e agora a New York Review of Books lança o livro. São esboços, paródias, e textos curtos que podem assustar os leitores já familiarizados com o clássico Tchekhov. O livro sai agora, mas há registros de o escritor russo quis publicá-lo. Na introdução à obra especula-se que ele faria do livro um leve romance. Mas, na época o livro foi censurado. E depois o escritor teria desistido da ideia de levar adiante a publicação.

>>> Brasil: Chega às livrarias poemas inéditos de Charles Bukowski

As pessoas parecem flores finalmente foi publicado pela L&PM Editores com tradução de Cláudio Willer. Trata-se de uma antologia de inéditos. A obra é dividida em quatro partes: a primeira reúne versos feitos antes do escritor intensificar suas publicações, na década de 1960; a segunda é de textos sobre mulheres; a terceira, sobre loucuras e o cotidiano de escritor, e a quarta versa sobre a sabedoria segundo o autor.

..........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

Como enfrentar Ulysses

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20