Boletim Letras 360º #128

O rosto inconfundível de Clarice Lispector. Imagem faz parte de um extenso arquivo disponibilizado online pelo
Instituto Moreira Salles. Saiba mais detalhes ao longo deste boletim.


Chegamos ao fim de mais uma intensa semana. Aqui os trabalhos andam a todo vapor! Sim, andamos com a revisão e contando a chegada do amigo 20 mil para colocarmos online nossa nova promoção. Agora, sem muita conversa, vamos ver as notícias que fizeram nossa página no Facebook esta semana ficar mais movimentada.

Segunda-feira, 17/08

>>> Brasil: A literatura nórdica em terras tupiniquim

Além da série de livros feita sucesso fenomenal do sueco Stieg Larsson Millennium, que ganha reedição com continuação, e da série Minha luta do norueguês Karl Ove Knausgård, que já vai no terceiro volume editado no Brasil, há dois outros títulos recém-publicados por aqui que merece atenção do leitor sobre as letras dessa parte da Europa. Em Nós, os afogados, o dinamarquês Carsten Jensen constrói uma epopeia marítima que retrata três gerações de uma família de marinheiros entre 1848 e 1945. Já em Rosa cândida, a islandesa Audur Ava Ólafsdóttir narra a busca de um jovem apaixonado por plantas por seu lugar no mundo. As duas obras acabam de chegar às livrarias.

>>> Brasil: No mês em que ocorre o Hora H, evento que celebra a memória do poeta Haroldo de Campos, promovido pela Casa das Rosas (Av. Paulista, 37, São Paulo/SP), será aberta a exposição do Livro-obra Galáxias, de Antonio Dias.

No começo da década de 1970, Dias desenvolveu junto com Campos (1929-2003) o projeto galáxias, a partir do famoso livro experimental de Haroldo. Mais de 40 anos depois, o projeto ganhou a participação da designer Lucia Bertazzo. Numa edição de 93 exemplares, e grande formato – 70cm x 50cm com 7cm de altura, o trabalho de Dias é constituído por um estojo de fibra de vidro em grande formato, revestido em tecido, contendo cerca de 30 objetos, agrupados em caixas de madeira impressas com imagens de peles. O objeto exposto no museu até outubro.

>>> Brasil: Um portal na web para projeto pensado por Mário de Andrade

Quando o escritor foi convidado para fundar o Departamento de Cultura de São Paulo, em 1935, um de seus primeiros projetos foi o de uma discoteca pública, onde seria mantido o acervo de uma das instituições que sonhava criar: uma rádio-escola. Parte desse projeto não saiu do papel; as razões já sabemos: estourou a Ditadura e Mário teve abortar muitos dos planos sobre cultura. Mas a discoteca se tornou um dos seus legados. Hoje vinculada ao Centro Cultural São Paulo (CCSP), a Discoteca Oneyda Alvarenga (nome da amiga de Mário que administrou a instituição desde o início até se aposentar, em 1968) completa 80 anos com um acervo valioso: cerca de 72 mil discos (45 mil de 78 rotações e 27 mil LPs), 62 mil partituras e 5 mil periódicos relacionados à música, além do material coletado pela Missão de Pesquisas Folclóricas, coordenada por Mário em 1938. Para marcar a data, uma série de atividades, entre elas, o lançamento de um portal e a exposição “Discoteca 80: um projeto modernista”, com fotos, documentos, objetos de época e gravações. Acesse aqui

Terça-feira, 18/08

>>> Estados Unidos: A arte de educar as máquinas ou a arte de dar alma aos robôs

Não será por falta de vontade dos humanos que as máquinas, sempre educadas para uma linguagem incapaz de sorver a criação poética, ficarão aí nesse estágio. “Poetry for robots” é o nome de um projeto de “educação poética para ensinar as máquinas a entenderem e apreciarem poesia”. Sua base: um texto do pesquisador estadunidense Norman Cousins (“The poet and the computer”) e o escritor argentino Jorge Luis Borges, quem, numa palestra sobre linguagem humana em Havard nos anos 1960 definiu a metáfora (um dos motores da literatura) como “uma identificação voluntaria, por meio da emoção, entre dois ou mais conceitos diferentes”. A experiência funcionará em duas partes: internautas a enviam poemas para ilustrar uma série de 120 fotos sugeridas pelo site do projeto (http://poetry4robots.com); depois, os mentores da ideia verificam a associação poema-imagem, e testará a criatividade dos robôs, fazendo com que eles escrevam seus próprios poemas a partir dessas informações. Outros projetos semelhantes já se passam na web como o caso do Pentametron (@pentametron), uma conta de Twitter que compõe sonetos a partir de tweets alheios. Com o uso dos algoritmos, ele rastreia publicações aleatórias na rede social e as combina formando pentâmetros iâmbicos. No Brasil, um projeto parecido foi criado pela b_arco, um centro cultural de pesquisa de São Paulo: chama-se Poetweet e permite a qualquer usuário transformar seus tweets em três tipos de composição poética: soneto, rondel e indriso.

>>> Brasil: Uma exposição para lembrar a obra de Décio Pignatari

Tem abertura no próximo dia 20 de agosto, data em que o escritor faria 88 anos, "Arquivo Décio Pignatari: um lance de dados", que acontece no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000, São Paulo/SP) até o dia 25 de outubro. O objetivo do evento é homenagear o autor que, juntamente com os irmãos Haroldo e Augusto de Campos, fundou o Concretismo. A exposição, que tem curadoria de Maria Adelaide Pontes e Marcio Harum, reúne itens do espólio do intelectual – que está sendo catalogado e digitalizado com a supervisão do seu filho, Dante Pignatari. A mostra busca contextualizar a obra poética e teórica de Pignatari, por meio de debates, palestras e da exibição de livros, datiloscritos, áudios, partituras e correspondências, entre outros.

>>> Brasil: Uma edição com 165 cartas escritas por Van Gogh

Várias ações ao redor do mundo (algumas já apresentadas por aqui) compõem os 125 anos do pintor holandês. Em breve chega às livrarias uma edição de Fábula. Editado pela Editora 34, a obra publica um conjunto de pouco mais de uma centena de missivas de Van Gogh. A tradução é de Jorge Coli e Felipe Martinez. E o foco desta seleção é sua formação e desenvolvimento como artista (uma espécie de biografia indireta do autor); são peças para diversos destinatários: desde o irmão Theo, seu maior interlocutor, a outros nomes da pintura como Paul Gauguin. Enquanto o título não chega, o leitor pode perscrutar parte desse acervo no site.

>>> Brasil: Chega às livrarias uma reedição da obra completa de Machado de Assis

A ação reabre os trabalhos do selo Nova Aguilar, agora sob custódia da Global Editora, e será apresentada durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro. O projeto é reeditar com uma acurada revisão alguns de seus títulos da série "Obras completas" (cf. já havíamos noticiado certa vez por aqui). O primeiro resultado desse esforço é o trabalho cuja supervisão coube a Jiro Takahashi: uma caixa com a obra completa do autor de “Memórias póstumas de Brás Cubas”. Poemas, contos, crônicas, romances e outros textos estão reorganizados em quatro volumes. A edição conta ainda com uma extensa pesquisa bibliográfica organizada pelo professor Samuel Titan Jr., que reúne textos escritos por críticos antes e depois da morte de Machado de Assis.

Quarta-feira, 19/08

>>> Brasil: Obra de Mark Twain está entre os novos títulos que integrarão a coleção A arte da novela editada pela Grua Livros para a Livraria Cultura

Na primeira remessa (o leitor mais atento deve lembrar quando comentamos por aqui) foram títulos de Herman Melville, Cervantes, Flaubert, Joseph Conrad, Balzac, Gogol, entre outros. A ideia parece ter dado muito certo e, para outubro, a editora planeja uma segunda remessa de obras; entre os novos títulos estão A pedra de toque (Edith Wharton), O homem que queria ser rei (Rudyard Kipling), O homem que corrompeu Hadleyburg (Mark Twain) e Ubirajara (José de Alencar).

>>> Inglaterra: Estreia nova adaptação de O amante de Lady Chatterley

Já em maio de 2014 noticiamos sobre a proposta divulgada pela BBC de Londres em repaginar alguns dos clássicos adaptados para a TV. Pois bem, chegou a vez: no próximo mês, a emissora britânica dá luz à proposta com a exibição de uma nova leitura do romance de D. H. Lawrence que abalou o puritanismo inglês. Por falar em puritanismo, ao que parece o sexo ainda será colocado em segundo plano na trama que se concentrará mais no tema da guerra como vilã na destituição da família.

>>> Inglaterra: A imagem de Anne Hathaway como Jane Austen está com os dias contados; é que está em preparação um novo filme sobre a vida da escritora britânica

A autora de Orgulho e preconceito é tema de Jane by the sea, um longa baseado no romance de Carolyn V. Murray. Segundo o jornal The Guardian, o filme examinará as relações importantes na vida de Austen e como elas influenciaram suas principais obras; ou seja, a narrativa fílmica deve mesclar cenas da vida da escritora com as de seus livros. O roteiro é escrito também por Murray. Em Amor e inocência Anne Hathaway fez o papel da escritora.

Quinta-feira, 20/08

>>> Brasil: Uma série para internet baseada na obra Senhora, de José de Alencar ou até onde pode ir os limites de criação a partir da literatura

Chama-se Dona Moça e já são 10 episódios que, juntos, têm pouco menos de uma hora de duração. A ideia foi inspirada noutra websérie de sucesso nos Estados Unidos, Emma Approved. E o intuito é ventilar a história publicada em 1875 e muitas vezes colocada muito distante do leitor contemporâneo. Exibida entre maio e julho, a série não se fechou no mundo do Youtube, mas espalha-se em redes como Twitter e Instagram que funcionam como perfis pessoais das personagens. Fuçando mais as redes, o leitor encontra ainda Dona Moça no 8tracks, onde as personagens compartilham playlists, e o blog oficial, que completa com textos os assuntos abordados na adaptação. Bom, o canal no Youtube com a 1ª temporada pode ser o começo de tudo.

>>> Brasil: Uma nova edição do Livro do desassossego chega às livrarias. E o leitor brasileiro tem agora três opções da obra

A novidade da edição organizada pela Teresa Rita Lopes é que o texto preserva a assinatura dos que escreveram a obra: Vicente Guedes, Barão de Teive e Bernardo Soares. São figuras criadas por Fernando Pessoa e que a pesquisadora prefere chamar de "semi-heterônimo"; o poeta português, defende alguns estudiosos (entre eles Rita Lopes) só teria três heterônimos – os já conhecidos Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis. A edição sai pela Global Editora. As outras duas edições ao alcance dos brasileiros é uma organizada por Richard Zenith e a mais conhecida (Companhia das Letras) e outra organizada pelo Jerónimo Pizarro (Edições tinta-da-china, sobre a qual dedicamos uma resenha em nosso blog).

>>> Argentina: Inédito de Fogwill chega às livrarias e editora se prepara para editar volume com sua poesia completa

Polêmico, provocador, promotor de novos escritores, o escritor segue vivo na construção de uma obra única entre os principais nomes da literatura latino-americana. Esta semana, a editora Alfaguara anunciou que, para breve, deve chegar às livrarias de seu país, Argentina, a edição de um romance inédito no qual trabalhava o escritor antes de sua morte em 2010. Junto com o anúncio, outra boa notícia, tão logo deve ser publicado um volume com sua poesia completa. Os pesquisadores também trabalham na catalogação de uma extensa quantidade de papéis e os inéditos possíveis de publicação sairão a partir de 2016.

Sexta-feira, 21/08

>>> Brasil: O título mais recente de Patrick Modiano chega às livrarias em setembro

O francês foi o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 2014. Depois dessa ocasião sublime na carreira de qualquer escritor, duas editoras no Brasil têm trabalhado para popularizar sua obra por aqui. A Grupo Editorial Record (que já publicou uma trilogia sobre a qual comentamos edição a edição no blog) e a Editora Rocco. Esta última reeditou numa box mais uma trilogia de Modiano e agora se prepara para trazer Para você não se perder no bairro. Além do título, a casa coloca online gratuitamente o discurso do escritor realizado na Academia Sueca. O novo romance tem tração de Bernardo Ajzenberg, e conta a história de um escritor obrigado a se envolver com estranhos e a rever fatos da infância depois que sua solitária rotina é alterada.

>>> Portugal: A 39ª edição da Revista Blimunda, mensário da Fundação José Saramago, está online

Este número traz como tema Lanzarote, onde viveu José Saramago desde 1992. Traz excertos dos Cadernos de Lanzarote, diários que o escritor compôs depois que se mudou para a ilha; um texto de Pilar del Río sobre a relação de Saramago com a terra das Canárias, e ainda uma reportagem publicada originalmente em 1997 na extinta revista Bravo! Completa a edição uma entrevista com Carlos Reis que conta como foi o encontro que teve com o escritor para as entrevistas que resultaram no livro "Diálogos com José Saramago", reeditado este ano. A revista é eletrônica e gratuita e pode ser acessada aqui.

>>> Brasil: O Instituto Moreira Salles colocou online sua base de dados sobre fotografia. Grande parte de imagens raras sobre escritores estão agora ao alcance de um clique.

De início, são nove os autores cujos arquivos se apresentam descritos e disponíveis para consulta na internet: Ana Cristina Cesar, Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Maurício Rosenblatt, Paulo Mendes Campos, Rachel de Queiroz e Roberto Piva. O total é de 21.564 documentos. Segundo esta mesma nota divulgada no site do IMS, está prevista para setembro a disponibilização das descrições dos arquivos de Decio de Almeida Prado e Erico Verissimo. Um dos destaques é a série Produção na Imprensa (Pim) de Paulo Mendes Campos, em que se encontram os recortes de jornal com crônicas do autor publicadas em periódicos e digitalizadas pelo recém-criado Núcleo de Digitalização (ND) do IMS. Basta acessar aqui.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A atualidade da tragédia grega

É urgente redescobrir a poesia de Hilda Hilst

Ernesto Sabato, algum testamento

Dezesseis obras imprescindíveis ganhadoras do Prêmio Pulitzer

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

Boletim Letras 360º #216

A violência como produto humano

Café Society, de Woody Allen

A genial arte de escrever em pé

Mães de tinta e papel: onze livros