Boletim Letras 360º #132

Em outubro as livrarias estadunidenses recebem um conjunto de textos inéditos de Truman Capote; escritos ainda antes da fama, a obra deve ser publicada no Brasil em 2016. Mais informações ao longo deste boletim.

(1) Muito lentamente (e poderia ser diferente com a quantidade de amigos que nos acompanham) vimos chegar novos rostos em nossa página no Facebook. Nunca é demais agradecê-los! Mas, torcemos para chegar logo aos 20 mil e podermos revelar a surpresa que está pronta desde quando atravessamos mais uma milhar. (2) Já revisamos, dentro de nossas possibilidades, mais de 40% do nosso conteúdo (os serviços feitos são principalmente os de correção de imagens e exclusão de alguns materiais que já não são do interesse do blog). Será que até o nosso aniversário conseguimos rever tudo? Muito difícil! Mas, boa parte, sim. (3) E, temos uma nova colunista! Ela já publicou, inclusive, vários textos conosco, mas está oficializada no nosso time e estreia até o final de setembro; ficamos muito honrados com a presença de Neiva Dutra!

Segunda-feira, 14/09

>>> Portugal: Na segunda semana de outubro um novo romance de Mia Couto

A Editorial Caminho anuncia a publicação de Mulheres de cinza romance que é o primeiro da trilogia “As Areias do Imperador”, sobre os derradeiros dias do chamado Estado de Gaza, o segundo maior império em África dirigido por um africano. Ngungunyane foi o último dos imperadores que governou toda a metade Sul do território de Moçambique. Derrotado em 1895 pelas forças portuguesas comandadas por Mouzinho de Albuquerque, o imperador foi deportado para os Açores onde veio a morrer em 1906. Os seus restos mortais terão sido trasladados para Moçambique em 1985. Existem, no entanto, versões que sugerem que não foram as ossadas do imperador que voltaram dentro da urna. Foram torrões de areia. Do grande adversário de Portugal restam areias recolhidas em solo português. A editora prevê publicar em 2016 e 2017 os dois restantes romances desta trilogia.

>>> Brasil: Livrarias recebem inédito de Jack Kerouac

Visões de Gerard foi escrito em 1956, mas só publicado em 1963. Descrito como uma narrativa memorialística em que o escritor estadunidense mescla ilusões, devaneios e poemas, o livro recorda os primeiros anos da sua infância no estado de Massachusetts, onde, aos quatro anos, convive com a grave enfermidade que em breve será responsável pela morte de seu irmão mais velho, Gerard, de apenas nove. É a primeira vez que o livro ganha edição no Brasil; sai pela L&PM Editores com tradução de Guilherme da Silva Braga até o final de outubro.

>>> Brasil: Mais do mesmo: nova edição de Dom Quixote é próximo passo da nova fase do selo Nova Aguilar

Primeiro veio a reedição das obras completas de Machado de Assis; e até novembro deve chegar às livrarias a edição de Dom Quixote em volume único, com capa dura e papel-bíblia. Mas, o título não será uma nova tradução, e sim um resgate da tradução de Sérgio Molina, já publicada pela Editora 34 em dois volumes (2002 e 2007). O diferencial dessa edição é que Molina selecionou também textos de outros escritores sobre a obra que comporão uma seção do livro chamada recepção literária. Haverá ensaios, por exemplo, de Thomas Mann, Pirandello, Dostoiévski e Machado de Assis. Em 2012, o selo Penguin / Companhia das Letras publicou uma edição (também em dois volumes) do Dom Quixote. Mas, com a tradução de Ernani Ssó, introdução de John Rutherford mais textos de José Luis Borges e Ricardo Piglia.

Terça-feira, 15/09

>>> Estados Unidos: Cinquenta anos depois, a famosa personagem de P. L. Travers, imortalizada no cinema por Julie Andrews, vai ter um novo filme

A Disney garante que o novo Mary Poppins não será remake, nem continuação, mas um filme original, um musical. A nova adaptação contará outras aventuras vividas pelas crianças da família Banks e a sua peculiar ama. Agora se isto não é uma continuação... Bem, o projeto foi entregue a Rob Marshall (diretor de Caminhos da floresta). A música e as canções serão de Marc Shaiman and Scott Wittman, responsáveis por trilhas sonoras como as do musical Hairspray. E o roteiro de David Magee, (de As aventuras de Pi). Há décadas que a Disney vinha tentando dar nova vida a Mary Poppins mas foi sempre travada pela oposição de P.L. Travers que nunca se conformou com o tom gaiato das músicas e canções nem com a introdução de passagens animadas no filme. Mas, novamente a Disney parece finalmente ter vencido esta guerra. Segundo a Entertainment Weekly, a nova Mary Poppins mereceu tanto a benção do Acervo de P.L. Travers como de Richard Sherman, o único irmão sobrevivo dos dois compositores da trilha sonora original.

>>> Brasil: Lembrar o pensamento de José Guilherme Merquior

Crítico literário, ensaísta, diplomata e sociólogo brasileiro, JGM é uma das figuras mais importantes da cultura brasileira; do responsável por estudos da obra de nomes como Carlos Drummond de Andrade (na imagem CDA e JGM) e Euclides da Cunha, a É Realizações Editora publica desde 2013 uma reedição de sua obra; o próximo título da biblioteca Merquior é Formalismo & tradição moderna – o problema da arte na crise da cultura, o sexto nesse trajeto. Mas, a grande novidade da editora é apresentação do documentário José Guilherme Merquior – paixão pela razão. Dirigido por Regis Rocha, o filme discute legado de Merquior por meio de depoimentos de seus contemporâneos, como Alberto da Costa e Silva, Celso Lafer, José Mario Pereira, Nelida Piñon e Bolívar Lamounier.

>>> Brasil: Edição reúne quatro novelas de Saul Bellow

É, sem dúvidas, um dos mestres da ficção de língua inglesa. Inspirados pelo seu estilo — que mistura a alta cultura com a esperteza das ruas de Chicago —, autores como Philip Roth, Martin Amis e Ian McEwan fizeram seus primeiros voos literários. No ano de seu centenário, a Companhia das Letras, responsável por outras quatro edições recentes da obra de Bellow no Brasil, edita a reunião de quatro novelas escritas na fase final da vida do autor — 'Um furto', 'A conexão Bellarosa', 'Uma afinidade verdadeira' e 'Ravelstein'; os textos são o testemunho do talento e da vitalidade do maior renovador do romance estadunidense depois de William Faulkner. Com temas como a perseguição ao próprio passado, as tragédias do século XX, o adultério e a comédia da vida intelectual, as histórias são tão divertidas e leves quanto melancólicas e intrincadas. A tradução é de Caetano Galindo e Rogério W. Galindo.

Quarta-feira, 16/09

>>> Brasil: Morreu o escritor Esdras Nascimento

Nascido em 1934, em Teresina, no Piauí, e radicado por muitos anos no Rio de Janeiro, o escritor atuou também como crítico literário; havia concluído a escrita do livro Rerom Novarum — Opus 18, que contava um pouco de sua própria história. Seu título de maior repercussão foi "Lição da noite", lançado em 1998 e premiado como romance do ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). A obra traça um panorama da classe média carioca, com uma narrativa que se alterna entre o ponto de vista de quatro mulheres e três homens. Além desse título, outros são importantes na bibliografia de Esdras: Solidão em família (1963) e Variante Gotemburgo (1978), resultado de sua tese de doutorado em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É autor ainda de um livro de ensaios sobre Henry Miller e do volume de contos Vinte histórias curtas (1960), entre outros.

>>> Rússia: Duas gravações revelam a voz de Liev Tolstói

Mesmo que você não fale russo e não entenda nada do que está o escritor está dizendo (como é nosso caso) vale a pena ouvir esta gravação. Ela data de abril de 1908 e é a voz de Tolstói; a explicação oferecida por quem publicou o material no Youtube é que o autor de 'Guerra e paz' fala sobre sua infância e sua relação com a literatura de Victor Hugo. Feita por um fonógrafo, nos anos 1970 a gravação foi passada para o vinil: aqui. Na outra gravação Tolstói aparece lendo em quatro idiomas (inglês, francês, alemão e russo). É uma gravação de 1909 e foi feita à pedido de Thomas Edison. Ouça aqui.

>>> Brasil: A obra de Maylis de Kerangal chega às livrarias em 2016

E o leitor já deve alimentar suas expectativas. Maylis é autora de uma obra cuja recepção pela crítica em sua terra natal tem sempre sido generosa; e não só isso: até o presente já acumula sete prêmios pela sua escrita. O livro Réparer les vivants será publicado por aqui pela Rádio Londres.

Quinta-feira, 17/09

>>> Brasil: Em São Paulo. Divulgada a programação oficial do Pauliceia Literária 2015

O Pauliceia Literária, Festival Internacional de Literatura de São Paulo, tem por objetivo promover o debate sobre a literatura e os temas que se relacionam com ela, bem como fomentá-la por meio de mesas literárias e grupos de leitura", assim apresenta os organizadores o evento que terá lugar entre os 24 e 26 de setembro e recebe entre outros, nomes como Mia Couto, Carlos Heitor Cony, José Eduardo Agualusa e Leonardo Padura. Na edição de 2015, o festival homenageia o escritor Luiz Alfredo Garcia-Roza. Todas as informações sobre o evento podem ser lidas no site.

>>> Brasil: Cartas a Theo e outros documentos sobre a vida de Van Gogh ou uma introdução à biografia do pintor

A edição preparada pela L&PM Editores reúne as principais fontes fundamentais para a compreensão e o estudo da vida e da obra de Vincent Van Gogh. Num mesmo livro o leitor encontra (1) a correspondência do pintor com o seu irmão, um dos nomes com quem mais ele conversou sobre seu trabalho criativo; são 250 de um total conhecido de 652 cartas. Na sequência da correspondência a obra traz o testemunho de Paul Gauguin sobre o célebre episódio do corte da orelha, no Natal de 1888 e os fac-símiles dos desenhos que geralmente ilustram as cartas e que representam esboços de futuros quadros. Depois (2) o relato biográfico de Van Gogh feito por sua cunhada; e (3) a correspondência de Vincent com o pintor Émile Bernard. Completa e dição os prefácios do sobrinho do pintor; foi Vincent Willem van Gogh que, junto com sua mãe, ficou responsável pela guarda da obra do tio e o idealizador do Museu Van Gogh em Amsterdã.

>>> Brasil: Um dos contos mais conhecidos de Herman Melville ganha outra tradução no Brasil

Em 2005, a Cosac Naify publicou a tradução de Irene Hirsch com o título de Bartleby, o escrivão: uma história de Wall Street; em 2014, foi a vez da Grua Livros, na coleção para a Livraria Cultura publicar a versão de Bruno Gambarotto (Bartleby, o escrevente). Agora é a vez da Autêntica Editora. Bartleby, o escrevente: uma história de Wall Street é a tradução de Tomaz Tadeu. O livro que serviu de leitura a nomes como Gilles Deleuze, Jacques Derrida, e Giorgio Agamben e que influenciou escritores como Jorge Luis Borges é responsável por nos colocar diante de uma das personagens mais enigmáticas da literatura, antevisão do absurdo e da melancolia da vida moderna. A edição é ilustrada por Javier Zabala.

Sexta-feira, 18/09

>>> Estados Unidos: Burroughs lê Edgar Allan Poe

O Beat-poeta tem uma daquelas vozes que lança em qualquer coisa que ele lê em uma nova luz. Não importa quem é o autor ou texto, a voz de Burroughs leva o texto a soar com mais intensidade. Em 1995, ele assumiu o mestre do macabro, Edgar Allan Poe, lendo "A máscara da morte vermelha" e o poema "Annabel Lee" para um pequeno jogo de PC conhecido por The Dark Eye. Ignorado durante seu lançamento, o jogo, desde então, ganhou status de cult. Similar em estilo ao Myst, os jogadores têm de apontar e clicar o seu caminho através de três narrativas baseadas em histórias de Poe; com pouca interação, no final, e claro porque o próprio jogo não fez fama, sobram mais o humor, o design e a fluência da fala arrastada de Burroughs. O poema "Annabel Lee" pode ser visto aqui; e 'A máscara...' aqui.

>>> Brasil: O terceiro volume da coleção Obras completas de José‪ ‎Saramago (Companhia das Letras / Livraria Cultura) está pronto

Quase toda a obra de Saramago está no catálogo da Companhia das Letras; e toda a obra da casa está reunida numa edição conjunta preparada para a Livraria Cultura. Depois da publicação dos dois primeiros volumes (cf. já divulgamos aqui), chega agora o terceiro reunindo A jangada de pedra (primeiro livro de JS publicado pela Cia., em 1988), O evangelho segundo Jesus Cristo, História do cerco de Lisboa, Todos os nomes, além do conjunto de contos Objecto quase. No total, a coleção terá seis volumes.

>>> Brasil: Hereges é o novo livro do escritor cubano Leonardo Padura

O homem que amava os cachorros, publicado em 2013 ganhou destaque no país, além de outros títulos já editados por aqui; agora, as livrarias recebem este título que foi o ganhador da 10ª edição do Prêmio Internacional de Romance Histórico Ciudad de Zaragoza. A edição é novamente da Boitempo Editorial, com tradução de Ari Roitman, Bernardo Pericás Neto e Paulina Wacht. O ponto de partida para Hereges é um episódio da chegada ao porto de Havana do navio S.S. Saint Louis, em 1939, onde se escondiam mais de novecentos refugiados vindos da Alemanha. A embarcação passou vários dias à espera de uma autorização para o desembarque. No romance, o garoto Daniel Kaminsky e seu tio aguardavam nas docas, trazendo um pequeno quadro de Rembrandt que pertencia à família desde o século XVII e que esperavam utilizar como moeda de troca para garantir o desembarque da família que estava no navio. No entanto, o plano fracassa, a autorização não é concedida e o navio retorna à Alemanha, levando também a esperança do reencontro. Quase setenta anos depois, em 2007, o filho de Daniel, Elías, viaja dos Estados Unidos a Havana para esclarecer o que aconteceu com o quadro e sua família.

>>> Brasil: Em 2016, será publicado livro com contos inéditos de Truman Capote 

Dois editores alemães procuravam, na Biblioteca Pública de Nova York, capítulos de um romance inacabado de Truman Capote, quando descobriram algo mais inusitado: contos e poemas que o autor de A sangue frio escreveu entre os 11 e 19 anos. Alguns desses textos descobertos em meados de 2014 haviam sido publicados na revista da escola de Capote. Outros seguiam inéditos, preservados em manuscritos. E, claro, está previsto um livro com esse material – na verdade, com os contos. The early stories de Truman Capote, com mais de uma dúzia de textos em que já se percebe, garantem os editores, o estilo do autor, sairá pela Random House em outubro. Clóvis Marques já começou a tradução para a José Olympio, que promete o livro para abril de 2016.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro