Perdido em Marte, de Ridley Scott

Por Pedro Fernandes



Parece que, desde a invenção da porta automática, passamos a olhar para os filmes de ficção científica como uma maneira de nos mantermos atualizados sobre a tecnologia ou sobre o que andam pensando os envolvidos com a corrida espacial – sim, esta não foi terminada com a ida do homem à Lua, mas permaneceu no exercício de perscrutação do espaço e tem se concentrado nos últimos anos no enigmático Marte. Foi da remota possibilidade sobre a existência de vida humana nesse planeta que se construiu todo um imaginário hoje lendário de marcianos e extraterrestres. A chegada do homem à sua superfície através de uma sonda que desde então tem se dedicado a enviar fotografias (e mesmo muito antes) serviu para provar que não há vida, ao menos sob forma humana, mesmo depois de, recentemente, constatar a existência de água na sua superfície.

O filme é uma adaptação do livro de Andy Weir e ao que consta, Ridley Scott seguiu muito de perto o enredo modelado pelo escritor, com uma ou outra intervenção no intuito de tornar seu produto bem-quisto aos olhos de Hollywood: como a construção da cena do resgate espacial de Mark Watney. É durante uma grande tempestade de areia que os da equipe de uma missão ao planeta vermelho decidem abortar o início do trabalho de investigação que duraria algum tempo; nesse intervalo entre a vida e a morte, o astronauta é atingido por um equipamento e detectada a possibilidade da vestimenta ter sido furada, todos dão como certa a morte do companheiro de equipe.

A grande diferença do enredo reconstruído por Scott reside numa outra condição agora representada para a humanidade acerca de Marte. Se já esquecemos a lenda sobre a existência de perigosos ou delicados seres marcianos, também parece que vimos perdendo gradativamente o medo sobre a inviabilidade de uma ida ao planeta. Mas, enquanto as agências espaciais trabalham com a possibilidade de uma viagem sem retorno num projeto que levaria adiante a ressurreição dos feitos da colonização construídos estes desde o advento das Grandes Navegações, Perdido em marte ainda aposta na impossibilidade de manutenção de alguma forma de vida que não a criada pelo próprio homem. Agora, parece que estamos mais distantes da viagem como uma tragédia tal como desenhou outras peças cinematográficas; e logo lembramos como exemplo, a de Brian De Palma em Missão: Marte. Neste filme de há quinze anos, o homem conseguia chegar ao planeta, mas uma série de misteriosos fenômenos causa um acidente que mata toda a tripulação.

No caso do filme de Scott, a descoberta de que Watney está vivo levará, primeiro parte do corpo de pesquisadores da NASA, depois, todos a unir esforços pelo seu resgate; daí a narrativa se desmembra em quatro núcleos que vão se aproximando à medida que o enredo ganha corpo: o dia-a-dia do astronauta em Marte, os bastidores na agência espacial na construção do resgate, o dia-a-dia da equipe a qual pertence Watney retornada a estação espacial e a intervenção da agência espacial chinesa, depois que o caso-Watney ganha proporção mundial. Cada um desses núcleos têm natureza e linguagens muito próprias e contribui para o que o filme não finde apenas numa monotonia sobre a sobrevivência de náufrago, digamos assim. 

Embora seja este o núcleo que mais chama atenção do espectador comum, afinal não é apenas um diário de sobrevivência, mas prova de fogo de que, não importa as condições, o homem quererá buscar uma maneira de não perecer à própria sorte. É assim que Watney decide, enquanto buscará a possibilidade de contato com a Terra, calcular milimetricamente o passo a passo de se manter vivo, desfazendo totalmente a ideia de acaso como regência sobre a vida humana e tornando esta um adorável e bem humorado exercício de precisão técnica e racional. Imprevistos acontecem – sim, eles estão por toda parte – mas, uma maneira de resistir é, primeiro, torná-los problemas e decidir-se por resolvê-los rapidamente e, segundo, acreditar que a criatividade humana, a mesma capaz de levar um homem a Marte, deve estar a serviço em ocasiões aparentemente menores, como as dessa natureza.

Chama atenção, a maneira como os protocolos da ciência foram incorporados ao filme com uma propriedade muito realista e bem-humorada; nesse sentido, a atuação de Matt Damon é fundamental para fazer da piada desenxabida do estadunidense em coisa palatável ao gosto diverso do humor. E a construção da fotografia de Marte, certamente marcada pela extensa galeria de imagens reais que agora temos da superfície da atmosfera do planeta. 

Além das questões próprias do enredo de ficção cientifica e das questões técnicas, é notável como Ridley Scott coloca em relevo alguns temas ainda caros ao homem: sua grandiosidade plasmada nos grandes feitos e sua recorrente fragilidade; a impossibilidade de, diante do grandioso, não conseguir se fiar apenas na sua capacidade em encontrar a saída necessária ou a necessidade quase constante de a querença da entidade divina que lhe permita penetrar na sua grandiosidade, tal como um Ulisses entregue ao mar tenebroso e dependente do favor dos deuses; a revisão do tema da coletividade, quando juntos a fragilidade torna-se uma questão acessória; ou, ainda a revalidação da frase “quem tem amigos tem tudo”. 

E são estas últimas características que tornam o filme grandioso porque recobra no interior de toda nossa habilidade a necessidade de não nos descuidarmos do nosso bem maior: o que nos faz o humano que somos não está na capacidade da mera descoberta científica ou da grandiosidade do feito, mas nas atitudes que ora reconhecem nossa limitação ante o desconhecido ora a constatação de que a essência individualista, muito em voga nesses tempos difíceis, representa uma grande destituição de toda capacidade que alcançamos com a ciência.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20