Boletim Letras 360º #139

Mataram Pablo Neruda. Um documento do governo chileno admite, oficialmente, pela primeira vez, que o poeta foi, sim, mais uma vítima da Ditadura Pinochet. Mais detalhes ao longo deste boletim.

É sempre com prazer que publicamos essas notícias porque dizem do universo do Letras in.verso e re.verso; mas, gostaríamos de deixar registrado que marca inesquecível ainda no fim de semana passado, foi a celebração de mais um aniversário de Carlos Drummond de Andrade, ou como se tem convencionado, o Dia D. Este ano, ainda mais porque é o primeiro em que o dia dedicado ao poeta, 31 de outubro, foi também Dia Nacional da Poesia. E, por falar num dos nossos mestres da poesia, ainda está aberta à participação dos leitores para concorrer aos dois exemplares da Nova reunião de poesia, uma antologia organizada pelo próprio CDA com poemas de 23 de seus livros; veja aqui.

Segunda-feira, 02/11

>>> Brasil: Toda poesia de Orides Fontela e inéditas mais um livro sobre a poeta

Desde 2009 Gustava de Castro pesquisava sobre inéditos da poeta; no apartamento de Gerda Schoeder, com quem Orides viveu no fim da vida, encontrou alguns textos inéditos. A pesquisa continuou em outras gavetas e em outras conversas, e o resultado virá a público entre meados de novembro e o início de dezembro em duas obras: O enigma de Orides, escrito por Castro com o apoio do Projeto Rumos, do Itaú Cultural, é uma espécie de romance-reportagem-biografia sobre um dos principais nomes da Geração 60, com depoimentos de, entre outros, Antonio Candido e Davi Arrigucci Jr; o outro é um volume com toda sua poesia, incluindo as 23 inéditas garimpadas agora. A edição é da Hedra. O livro chega em boa hora: uma das antologias mais recentes de Orides foi publicada pela Cosac Naify e está há muito fora de circulação.

>>> Portugal: Abriu em outubro um hotel literário em Óbidos, Portugal. Os donos dizem que é único no mundo. Há coquetéis e jantares literários.

The Literary Man tem 45 mil títulos espalhados por todas as partes, sobretudo nos 30 quartos e no restaurante, desde os comerciais aos clássicos, desde os mais comuns às raridades. O lugar é histórico: sua origem data de um convento no século XIX. No restaurante é servido apenas jantares que têm pratos típicos da cozinha portuguesa, mas pratos inspirados em escritores: Virgina Woolf inspirou uma Tarte da Avó, John Steinbeck um Risotto de Cogumelos e Italo Calvino umas Moules Mariniére. No bar, há mais de 30 marcas de gin disponíveis, incluíndo cocktails literários, como um Lolita (Amaretto Sour) ou um Moby Dick (Salty Dog).

Terça-feira, 03/11

>>> Brasil: Novo volume das Lições de literatura, de Vladimir Nabokov

Durante as décadas de 1940 e 1950, o autor de Lolita realizou em universidades estadunidenses uma série de cursos sobre alguns dos pilares da literatura de seu país: Gógol, Turguêniev, Dostoiévski, Tolstói, Tchekhov e Górki. Apenas em 1981 as aulas foram reunidas em livro nos Estados Unidos, graças ao editor Fredson Bowers, que organizou as anotações deixadas por Nabokov. Eram as Lições de literatura russa; mas, tais lições preciosas não estiveram restritas a nomes de seu país de origem. No novo volume, Jane Austen, Charles Dickens, Flaubert, Kafka, Marcel Proust, entre outros, são os nomes da vez.

>>> Brasil: Edição reúne ensaios sobre a obra de Carlos Drummond de Andrade

Editado pelo Instituto Moreira Salles, Drummond: jogo e confissão, de Marlene de Castro Correia, marca seis décadas de dedicação da professora à obra do poeta. É uma edição organizada pelo poeta Eucanaã Ferraz, ex-aluno de Marlene. São sete ensaios – alguns já publicados nos livros Drummond: a magia lúcida (Zahar, 2002) e Poesia de dois Andrades (Azougue, 2010). Mas, há inéditos, como “Amor-humor”. São textos com temas centrais da obra de Drummond, como a família, a terra natal, a política, o amor e a própria poesia.

Quarta-feira, 04/11

>>> Brasil: Verdade ao amanhecer é mais um título de Ernest Hemingway no longo projeto de reedição da sua obra pela Bertrand Brasil

A trama mistura memórias de viagem a passagens ficcionais; o livro nasceu a partir do último safári que Hemingway realizou na África. É sabido de todos do gosto que o escritor tinha pela caça e pela pesca. A obra foi escrita em 1953 e publicada pela primeira vez em 1999 – décadas depois da morte do autor. A narrativa tem início quando uma área de caça no Quênia é deixada aos cuidados de Hemingway por um amigo. Há rumores de que a região possa ser atacada a qualquer momento por africanos que se opõem ao poder colonial dos ingleses, o que deixa Hemingway bastante preocupado. Alheia a tudo isso, Mary, esposa do escritor, tenta caçar um leão pelo qual está obcecada. Ela e Hemingway enfrentam problemas no casamento, ameaçado pela competição e pela infidelidade. Narrado em primeira pessoa, o livro é descrito como peça de um autorretrato do escritor estadunidense.

>>> Brasil: Qual título da poesia turca você já leu? Paisagens humanas do meu país, de Nâzim Hikmet pode ser uma dica

A tradução de Marco Syrayama de Pinto é publicada pela Editora 34. Hikmet é por vezes comparado a Pablo Neruda por sua exuberância lírica e posicionamento político, e a García Lorca por seu enraizamento na paisagem e cultura locais. Trata-se de um dos principais nomes da literatura moderna em todo o mundo, e só a distância entre as línguas justifica seu relativo desconhecimento entre nós. Paisagens... é considerada sua obra máxima; começou a ser escrita na prisão de Bursa, na Turquia, em 1939, como uma enciclopédia dos tipos humanos que o poeta conhecera, e evoluiu para se tornar um verdadeiro épico do século XX.Combinando técnicas do romance, do teatro e do cinema, diálogos epistolares e emissões radiofônicas, trechos de reportagens, canções e contos folclóricos tradicionais, o livro acompanha a vida de homens, mulheres e crianças de diferentes estratos sociais, num entrelaçamento de histórias que têm, entre seus polos de atração, as lutas pela libertação da Turquia na década de 1920 e a experiência da Segunda Guerra Mundial, tratada em muitos planos, dos campos de batalha aos arranjos de bastidores.

Quinta-feira, 05/11

>>> Inglaterra: Uma nova adaptação de Guerra e Paz, de Liev Tolstói para uma série de TV

Situado sobre o pano de fundo de 1812 no período de invasão da Rússia pelas tropas de Napoleão, o romance de Tolstói é uma história de paixão, amor, escândalo e fraude em torno das ascensão e queda do poder de cinco famílias aristocráticas - Bezukhovs, Bolkonskys, Drubetskoys, Kuragins e Rostovs - nos últimos dias da Rússia imperial. A adaptação para TV chega em janeiro de 2016. A produção é da Lifetime, A & E e History em parceria com a The Weinstein Company, BBC Cymru Wales e BBC Worldwide / Lookout Point.

>>> Brasil: Carlos Drummond de Andrade e as cartas de-com uma leitora

O documentário O último poema, da diretora e roteirista gaúcha Mirela Kruel, tem estreia marcada para já. O filme se centra na relação epistolar entre Helena Maria Balbinot Vicari, uma jovem estudante de Guaporé (RS), e o poeta Carlos Drummond de Andrade. No final de 1962, Helena, ainda estudante do ensino médio, decidiu escrever ao poeta falando do entusiasmo que sentia por sua obra e da divergência de opinião com sua professora de português, que preferia Cecília Meireles. Drummond não apenas respondeu a carta como iniciou uma troca de correspondências que durou 24 anos, até meses antes da morte dele, em 1987. A narrativa exibe trechos das cartas e poemas de ambos, mostrando como a afinidade entre os dois, que nunca se encontraram pessoalmente, foi se tornando amizade, numa aproximação gradativa cheia de afeto e cumplicidade.

>>> Estados Unidos: Documentário sobre Gabriel García Márquez tem pré-estreia agendada

Como pode um menino de um povoado perdido na costa colombiana ganhar os corações de milhões de leitores, desde os mais simples aos líderes políticos de maior poder, e como conseguiu mudar nossa percepção da realidade através de suas obras? Esta é pergunta que deu origem a Gabo, a criação de Gabriel García Márquez [tradução livre para "Gabo, The Creation of Gabriel García Márquez"] (documentário sobre o qual anunciamos aqui certa vez e que agora começa a vir a lume para os telespectadores). E a resposta é oferecida através de nomes que vão de Bill Clinton a Carmen Barcells num diálogo cuja forma é desvendar ainda um perfil do ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1982. A direção é de Justin Webster.

Sexta-feira, 06/11

>>> Chile: Pablo Neruda não morreu vítima de um câncer. Pablo Neruda foi assassinado.

É o que aponta, pela primeira vez, um documento oficial redigido pelo Programa de Direitos Humanos, do Ministério do Interior chileno. O texto sustenta que o Prêmio Nobel de Literatura de 1971 não morreu em consequência do câncer de próstata que sofria, mas que é claramente possível e altamente provável ter sofrido a intervenção de terceiros. A esse documento soma-se uma extensa investigação (acompanhada desde sua partida pelo Letras, veja aqui e aqui) que reconhece a presença de algo estranho no cadáver do escritor. Neruda morreu às 22h30 do dia 23 de setembro de 1973 na Clínica Santa María de Santiago do Chile. Nesse dia, segundo revela o processo, foi-lhe aplicada uma injeção ou levado a ingerir algum medicamento que o condenaria à morte seis horas e meia depois. Reforça as investigações o fato de que o poeta estava a poucas horas de viajar para o México, onde tinha a possibilidade de encabeçar uma extensa atividade política de denúncia acerca da ditadura do general Augusto Pinochet, que havia dado o golpe de estado no dia 11 de setembro. As revelações estão incluídas numa nova biografia sobre o poeta chegada na sexta-feira, 06, aos leitores de língua espanhola. 

>>> Brasil: Uma edição para celebrar os 80 anos da publicação de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos.

O escritor foi preso em março de 1936 pela Ditadura e até Janeiro de 1937, quando foi libertado, levado a diversos presídios. E foi a prisão a situação que levou GR a escrever essas memórias publicadas postumamente. A edição especial é organizada pela neta, Elizabeth Ramos, e reúne além do texto deixado pelo avô, a fortuna crítica do livro. Sairá pelo Grupo Editorial Record no segundo semestre de 2016, ano em que completa 80 anos da prisão arbitrária do romancista.

>>> Brasil: Duas exposições e um evento em homenagem a Fernando Pessoa

A mostra "Fernando Pessoa: uma coleção" em cartaz no Museu do Estado de Pernambuco. O evento marca os 80 anos da morte do poeta português e reúne a coleção pessoal do advogado José Paulo Cavalcanti. Entre os objetos, exemplares das primeiras edições de Orpheu, um caderno com manuscritos originais do poeta, um óculos e cartas que escreveu ao editor e poeta António Botto e ao escritor Luís de Montalvor. No mesmo local, outra exposição, Fernando Pessoa - vida e obra, no hall do Espaço Cícero Dias; aí são reunidas 50 obras de artistas plásticos inspiradas no poeta português. A iniciativa conta com nomes como José Cláudio, Mane Tatu, Mauricio Arraes, Roberto Ploeg, Pragana, Margot Monteiro, Álvaro Caldas e Rinaldo Carvalho. Já a edição 2015 da Festa Literária Internacional de Pernambuco é dedicada a Fernando Pessoa.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse