Boletim Letras 360º #141

Pesquisadores encontram três poemas inéditos de Carlos Drummond de Andrade. Mais detalhes ao longo deste boletim.


Todo sábado, o leitor do Letras in.verso e re.verso tem a oportunidade de re/ver o que noticiamos ao longo da semana em nossa página no Facebook. E o que noticiamos? Sempre assuntos ligados a escritores, obras e temas comuns ao universo do blog. Esta é uma maneira não apenas de organizar o conteúdo disperso na rede social e muitas vezes não alcançado pelo público; é também uma resposta à política de comercialização do publicado no FB. Chamamos essa publicação dos sábados de Boletim Letras 360º; e esta é a edição desta semana.

Segunda-feira, 16/11

>>> Estados Unidos: De Gabriel García Márquez para José ‎Saramago

"José Saramago é um dos escritores grandes deste século e seu Prêmio Nobel é um dos mais justos. A alegria que isto casou nos países de língua espanhola, como se fosse uma vitória nossa, confirma o que alguns escritores vinham dizendo desde há algum tempo: a literatura iberoamericana é uma só. Por isso propusemos tantas vezes que se leve em conta a portugueses e brasileiros para o Prêmio Cervantes", assim, inicia Gabriel García Márquez num breve documento sobre o Nobel de 1998. O datiloscrito pertence aos arquivos do escritor colombiano entregues a Universidade do Texas.

>>> Brasil: A Revista de Estudos Saramaguianos celebra seu primeiro aniversário lembrando aos leitores o conteúdo das duas edições já publicadas

No dia 16 de novembro de 2014, na sede da Fundação José Saramago, foi realizada a apresentação mundial de um periódico cujo interesse é obra do escritor até então o único Prêmio Nobel de língua portuguesa. Era o Dia do Desassossego, data criada pela FJS que assinala o nascimento de José Saramago (16 de novembro de 1922). Durante o mês, e diariamente, a RES lembra texto a texto já apresentado, os dois números publicados do periódico; são textos de leitores como Carlos Reis, Eula Carvalho Pinheiro, Teresa Cristina Cerdeira, Ana Paula Arnaut, Maria Alzira Seixo, Pedro Fernandes e Miguel Koleff, esses dois últimos os editores responsáveis pela ideia. O primeiro número foi publicado impresso pela Editora Patuá e FJS e parte dessa edição está online mais a segunda, esta integralmente digital. A retrospectiva é realizada na página da revista no Facebook.

Terça-feira, 17/11

>>> Inglaterra: Foram encontrados dois manuscritos inéditos de Charlotte Brontë

Os arquivos estavam dentro de um livro que pertencia à sua mãe. Trata-se um conto breve e um poema que a autora de Jane Eyre escreveu quando era adolescente e ficaram guardados todo esse tempo entre as páginas da biografia do poeta Henry Kirke White. O livro guardado com todo zelo por ser uma das poucas relíquias que pertenceu à mãe de Brontë está repleto de notas e rascunhos de gente diversa da casa e agora fará parte do arquivo da Brontë Society. Juliet Barke, grande especialista na obra das Brontë, qualificou a descoberta como extraordinária e que a autoria de Charlotte é inquestionável, dada sua particular caligrafia e o uso de seu pseudônimo masculino favorito Lord Charles Wellesley. Datado de 1833, o fragmento pertencente ao conto foi descrito como uma história satírica da vida em Haworth - são 74 linhas escritas pelo olhar de Lord Charles. Já o poema está incompleto, conta com 77 linhas e se move dentro do mundo de fantasia de Angria, que Charlotte criou junto com seu irmão Branwell durante sua infância.

>>> China: A exposição "Não siga o vento" pode ser a mais inacessível do mundo

No acidente de Fukushima em março de 2011, muita gente pegou os seus carros e fugiram para o norte. Algumas pensaram, pararam seu carro e comprovaram a direção do vento para dirigir na direção oposta a fim de não serem tocados pela nuvem radioativa. Eis a base para o tema de uma exposição única: está na zona de radiação. E colaboraram um total de doze artistas: Ai Weiwei, Taryn Simon, Ahmet Öğüt y Trevor Paglen, entre eles os japoneses Aiko Miyanaga, Nobuaki Takekawa e o grupo Chim-Pom. Nem inauguração, nem críticas na imprensa, nem imagens ou descrição textual alguma; em sua página na web, apenas uma página em branco em que um breve áudio explica o objetivo de que a exibição seja tão invisível quanto a radiação. Só poderá, assim, ser vista num futuro quando os habitantes da região puderem retornar em segurança; o único acesso à mostra é feita pelo Museu Watari de Arte Contemporânea de Tóquio.

Quarta-feira, 18/11

>>> Brasil: O ano de Gonçalo M. Tavares em terras tupiniquim

Dois títulos já estão há muito nas livrarias em momentos diversos de 2015: Os velhos também querem viver, saiu pela Editora Foz (Alfredo Monte comentou aqui); depois, Short Movies, pela Editora Dublinense (comentado pelo Pedro Fernandes aqui). Agora, a Companhia das Letras apresenta Uma menina está perdida no seu século à procura do pai. O romance foi publicado em Portugal em novembro de 2014. Na fragilizada Europa do pós-guerra, Marius encontra Hanna, adolescente de cabelos castanhos e olhos pretos. A menina fala com dificuldades e entende precariamente o que acontece em seu entorno. Tem síndrome de Down e está à procura de seu pai. Marius tem pressa, mas muda o seu percurso para acompanhá-la em sua jornada. A busca leva-os até Berlim, onde os dois circulam entre as obsessões mais sombrias e os escombros do século XX. Com um texto inventivo e emocionante, Gonçalo M. Tavares consegue algo raro na literatura contemporânea: alia uma história forte e com conteúdo humano a uma intensa — mas sempre acessível — busca por novos caminhos na escrita do romance.

>>> Brasil: Três poemas desconhecidos de Carlos Drummond de Andrade foram encontrados por uma aluna do curso de Letras da Universidade Federal de São Carlos

Mayra Fontebasso encontrou os trabalhos quando fazia sua pesquisa de iniciação científica sobre textos literários publicados na revista Raça, editada em São Carlos entre 1927 e 1934, sob orientação do professor Wilton José Marques. Os três poemas foram publicados em junho de 1929. Segundo Mayra, o que chamou sua atenção ao ler os textos pela primeira vez, foi o estilo: escritos em prosa poética, com traços simbolistas e penumbristas e marcados por um tom melancólico, que caracterizam a produção de Drummond na juventude. Após a surpresa inicial, a estudante e Marques consultaram a Bibliografia comentada de Carlos Drummond de Andrade (1918-1934), de Fernando Py e Inventário drummondiano, da Fundação Casa de Rui Barbosa, mas os poemas não constavam em nenhuma das duas publicações. Depois, consultaram Antônio Carlos Secchin, especialista na obra do poeta mineiro. Secchin examinou o material e confirmou que se tratavam de textos inéditos. Apesar de terem saído em 1929, o mais provável é que os poemas tenham sido escritos no início da década de 1920. A revista “Raça” era dirigida pelo jornalista Orlando Damiano (1903-1933) e teve, entre seus colaboradores, nomes como o próprio Mário de Andrade, Cassiano Ricardo e Menotti Del Picchia. Leia um deles aqui.

Quinta-feira, 19/11

>>> Brasil: O Rio de Janeiro de Clarice Lispector

No ano em que ficamos sabendo que a cidade maravilhosa ganhará mais uma estátua da autor de A hora da estrela, chega-nos mais uma notícia que liga o seu nome ao lugar onde viveu grande parte da vida. Teresa Montero prepara para 2016, O Rio de Clarice Lispector, que sairá pela Autêntica Editora. Será um guia para passeios a pé por sete bairros da capital carioca ligados à literatura e à biografia da CL. Com fotos da época e trechos da obra de Clarice, o livro trará curiosidades sobre a cidade.

>>> Estados Unidos: Um bunker para proteger arquivos da vida intelectual estadunidense da segunda metade do século XX

Esse é o interesse da Biblioteca Pública de Nova York que prepara um extenso subterrâneo dotado de alta tecnologia no edifício do Bryant Park, em Manhattan. A princípio a proposta era levar todo o arquivo para Nova Jersey, mas mudaram de ideia. E, essa segurança toda preservará o quê? Basicamente o arquivo recém-comprado da New York Review of Books: um quilômetro de prateleiras que inclui correspondência entre os editores e fundadores da revista, Robert Silvers e Barbara Epstein, bem como colaboradores regulares como Susan Sontag, Oliver Sacks, Noam Chomsky ou Robert Lowell. Trata-se de um arquivo que permite entender melhor, por exemplo, um dos períodos de ouro da revista fundada na década de 1960 quando fez da cobertura da Guerra do Vietnã, um das suas grandes apostas editoriais. Muita da correspondência que então se trocou entre editores, correspondentes, analistas e políticos será pela primeira vez revelada além de muito material nunca publicado. Ainda não há uma data prevista para poder consultar estes documentos, mas sabe-se que subterrâneo situado a quase seis metros abaixo do Bryant Park começará a ser organizado no mês de abril.

>>> Brasil: Prêmio Jabuti 2015

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) divulgou os vencedores das 27 categorias do Jabuti, o mais tradicional prêmio literário do Brasil. Entre os nomes estão Maria Valéria Rezende vencedora com o romance Quarenta dias (leia comentário de Alfredo Monte sobre a obra aqui); e Alexandre Guarnieri com Corpo de festim (lido por Pedro Fernandes aqui)Todas as informações no site do prêmio.

>>> Espanha: Por causa de Scorsese, Pedro Almodóvar muda título do filme que produz a partir da obra de Alice Munro

"Decidimos mudar o título do filme que neste momento está em pós-produção e quando Alberto Iglesias termina de compor a trilha sonora. Ao invés de Silêncio se chamará Julieta - assim começa o cineasta a nota que redigiu para a imprensa. "Quando começamos a pré-produção fiquei sabendo que Martin Scorsese ia rodar um filme com o mesmo título, então não dei importância porque pensava recomendar a todos os mercados o título em espanhol que soa bastante distinto de 'Silence'. Scorsese e eu terminamos as filmagens e já prevemos que coincidiremos com as datas de estreias no mundo todo no próximo ano. Além disso será publicado uma nova edição do romance no qual está baseado o filme Silêncio, de Shûsaku Endô. O filme toma por base três contos da coletânea A fugitiva, de Alice Munro.

Sexta-feira, 20/11

>>> Inglaterra: O que esperar na passagem dos 400 anos da morte de William Shakespeare?

Será em 2016 e os ingleses já estão com tudo na preparação das celebrações em torno da memória e da obra do bardo. Boris Johnson, quem há dois anos publicou uma das biografias mais completas sobre W. Churchill, está escrevendo outra sobre Shakespeare e deve vir a lume no próximo ano. O Globe Theatre grava 37 curtas-metragens sobre cada uma das peças do dramaturgo. E no dia 23 de abril, dia em que morreu WS, haverá um grande festival em sua honra na cidade onde nasceu e morreu, Stratford-upon-Avon, com transmissão ao vivo pela BBC.

>>> França: E Ernest Hemingway o que diria disso?

A comoção com os atentados na capital francesa na sexta-feira, 13 de novembro levaram o livro Paris é uma festa, sobre o tempo em que o escritor estadunidense foi um dos muitos nomes da literatura que escolheu Paris como atmosfera para construir a inspiração para suas obras. O livro está em toda parte: entre os mais vendidos, entre os objetos de homenagem aos mortos, nas mãos de leitores pelas ruas da cidade. Em janeiro, o atentado que matou 17 pessoas na sede do jornal satírico Charlie Hebdo levou Tratado sobre a tolerância, de Voltaire, ao topo da lista dos mais vendidos. E Hemingway o que diria disso

>>> Arábia Saudita: Literatura proíbe-se com morte. Ainda, em pleno século XXI. O poeta saudita Ashraf Fayadh está na mira do Islã

A sentença de pena de morte foi proferida no último dia 17 de novembro e agora o poeta tem 30 dias para recorrer. Segundo o jornal The Independent, ele foi detido desde agosto de 2013, em Abha, na província de Asir, sudoeste da Arábia Saudita pela polícia religiosa do reino saudita. O país do Oriente Médio é regido pela Sharia (Lei Islâmica) e segundo uma fonte da associação Human Rights Watch que teve acesso ao processo, Fayadh é acusado de abjuração e renúncia à fé islâmica. A detenção ocorreu depois de uma denúncia de que o poeta teria injuriado Alá e o profeta Maomé e insultado a Arábia Saudita e distribuído ainda um livro de poemas que alegadamente promovem o ateísmo, completa o jornal The Guardian. Depois da detenção, em maio de 2014, Fayadh foi condenado a quatro anos de prisão e 800 chicotadas pelo tribunal de Abha; recorreu, mas o recurso foi rejeitado e voltou ao banco dos réus no mês passado. Agora, o novo painel de juízes decidiu pela sua execução, apesar de o escritor ter manifestado arrependimento.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236