Boletim Letras 360º #143


Em 2016, 20 anos da morte de Caio Fernando Abreu. E tem novidades sobre o escritor.

No dia 1º de dezembro iniciamos uma comemoração ousada em nossa página no Facebook: um recital em que leitores podem enviar vídeos e textos com poemas da Adélia Prado. Isso para marcar os 80 anos de nascimento de uma das poetas brasileiras mais queridas. Diariamente sorteamos um poema e publicamos por lá. E os poemas mais compartilhados receberão brindes. Para saber como fazer para participar, basta ir aqui.

Segunda-feira: 30/11

>>> Arábia Saudita: Todos pela liberdade do poeta palestino Ashraf Fayadh

Há uma semana noticiamos aqui que uma corte da Arábia Saudita pediu a pena de morte ao poeta sob a acusação do crime de heresia. Agora, uma rede de autoridades tem se unido em torno da defesa da liberdade de Fayadh. Entre os nomes estão o do poeta sírio Adonis, o escritor britânico David Hare, o romancista egípcio Ahadf Soueif que assinam uma petição com nomes de três continentes e uma dezena de organizações que apelam à liberdade do poeta com base nos princípios de expressão artística. À frente do caso está agora o advogado Raji Sourani, diretor do Centro Palestino para os Direitos Humanos, instituição que, em 2013, recebeu menção ao Prêmio Nobel da Paz pela defesa dos direitos do homem em geral e dos palestinos em particular.

>>> Portugal: Edição reúne correspondência entre Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro

Há muito que os leitores estavam em falta pela ausência desse diálogo, talvez um dos mais importantes e profícuos da literatura portuguesa do século XX. Jerónimo Pizarro e Ricardo Vasconcelos reorganizam as missivas dos dois poetas em Em ouro e alma: correspondência com Fernando Pessoa. Como não há de faltar em trabalhos desse porte, inclui-se aí uma série de textos inéditos, além do restauro da ortografia de Sá-Carneiro e a presença de centenas de fac-similar de timbres, assinaturas e ilustrações.

Terça-feira, 01/12

>>> Brasil: Fomos dormir na noite de segunda-feira, 30 de novembro, com a triste notícia que não gostaríamos nunca de dizer: a Cosac Naify vai fechar

O comunicado veio pelo fundador da editora Charles Cosac que preferiu justificar o fim da editora apenas como "para não ter a linha editorial desvirtuada". A editora foi fundada em 1996 em sociedade com o estadunidense Michael Naify e especializou-se em literatura Cult e livros de arte com alto padrão editorial. Apesar de não citar o termo "falência", Charles entende que não se pode manter uma editora vendendo meia dúzia de títulos, como no caso da coleção de arte da Yale University, lançada no início do seu trabalho como editor. Nos 20 anos, foram mais de 1.600 títulos no catálogo, com clássicos como Tolstói e romancistas estrangeiros como Enrique Vila-Matas e Valter Hugo Mãe, ambos com quase toda a obra lançada pela editora.

>>> Japão: Livro compila a última entrevista de Yukio Mishima

Ainda sem edição no Brasil, o retrato de um homem visto por seu próprio olhar, de um homem que levou uma vida trabalhando até conceber a negação de si ante o mundo, o desapego mesmo da beleza e do amor em torno de um ideal de grandeza, ganha forma de livro. Quando se matou usando a prática japonesa do harakiri tinha 45 anos, a mesma idade de quem muito ele admirava, Oshio Heihachiro. E agora em 2015 cumprem-se 45 anos desse acontecimento. Trata-se de As últimas palavras de Mishima (em tradução livre para o português), uma longa entrevista que o escritor japonês concedeu dias antes de sua morte ao crítico literário Takashi Furubayashi. De formação marxista e muito crítico às posições do romancista, o texto é uma rica conversa e uma premonição do próprio de Mishima ensaiada desde quando começou a se preparar para morte.

>>> Brasil: Inutilezas volta aos palcos treze anos depois e apresenta ao público as relações entre fases e poemas diversos de Manoel de Barros

O sucesso da peça em 2002 e a boa recepção que teve pelo próprio poeta serviu de fôlego para trazer à cena Inutilezas. A primeira temporada da peça estreia hoje,1º de dezembro, às 21h, no Sesc Copacabana, no Rio de Janeiro. Com direção de Moacir Chaves e roteiro de Bianca Ramoneda, que atua com Gabriel Braga Nunes.

Quarta-feira, 02/12

>>> Brasil: Em 2016 cumprem-se 20 anos sem Caio Fernando Abreu

E entre algumas atividades estão a continuidade de reedição de sua obra e as homenagens na próxima edição da Balada Literária, evento idealizado e conduzido pelo escritor Marcelino Freire. Esse último anúncio – de que o autor de Morangos Mofados é o nome da vez na Balada – tece diálogo com a própria escolha de Ana Cristina Cesar para ser a homenageada na Flip - Festa Literária Internacional de Paraty: um momento para ler, reler e debater os autores da geração de 1970 e 1980. A Balada acontece em novembro.

>>> Brasil: Leilão vende primeira edição de Iracema, de José de Alencar

Nos 150 anos de publicação da obra que ganhou uma caprichada edição pela Fortunella Casa Letrice, um leilão disponibiliza sua primeira edição para a venda. Segundo a Casa Dutra, responsável pelo leilão, é este um exemplar raríssimo no país (um desses foi vendido por cerca de 40 mil reais nos Estados Unidos). Descrito como um exemplar bem conservado, com as páginas à moda da época, ainda não separadas, os leiloeiros descrevem-no como "o início da literatura com identidade nacional, em sua forma, cheiro, cor, papel, grafia antiga, linguagem e capa, impecáveis, acondicionado em bela caixa".

>>> Brasil: Os preparativos para o aniversário de Clarice Lispector. Hora de Clarice 2015

A data criada pelo Instituto Moreira Salles - IMS se renova a cada ano no calendário cultural do Brasil; é este um momento de voltar ou ir à obra da autora de "A hora da estrela" para reler, ler e discutir. A programação deste ano inclui vídeo a partir de "O ovo e galinha" dirigido por Eucanaã Ferraz e Laura Liuzzi e a apresentação da peça "Clarice e eu: o mundo não é chato", com Rita Elmôr e direção de Rubens Camelo. Todas as informações mais detalhadas estão aqui.

Quinta-feira, 03/12

>>> Brasil: Uma edição com inéditos de Cacaso

Os cadernos do poeta irão para o acervo da Casa de Rui Barbosa, mas mesmo antes disso, está pronto para vir a lume uma edição que traz prosa e poesia inéditas mais desenhos recuperados de alguns de seus cadernos. A publicação é da Ouro sobre Azul que prepara ainda outro volume com artigos de Cacaso publicados em jornais.

>>> França: Uma simples borracha em PVC permitiu a uma equipe internacional de biólogos, arqueólogos, medievalistas e outros especialistas concluir que o finíssimo pergaminho de que foram feitas, na Idade Média, as páginas das primeiras “bíblias de bolso”, afinal não provém, como especulavam alguns, da pele de fetos de animais

Os resultados foram publicados na última edição da revista "Proceedings of the National Academy of Sciences". Os cientistas recolheram desta forma proteínas animais no velino de 72 bíblias de bolso medievais originárias de França, Inglaterra e Itália – e ainda, de 293 amostras de pergaminho do século XIII. A espessura dos pergaminhos variava de 0,03 a 0,28 milímetros. A seguir submeteram o material recolhido à clássica técnica de espectroscopia de massa e conseguiram determinar, em particular, quais as espécies animais utilizadas para fabricar o velino. Uma primeira conclusão: “Não encontramos qualquer vestígio de animais imprevistos”, diz Sarah Fiddyment, citada no mesmo documento. “Porém, conseguimos identificar mais do que uma espécie de mamífero num mesmo documento, e isso bate certo com a disponibilidade das peles conforme o local de fabrico.” Quanto ao fato de tratar-se de pele de animais abortados, nada indica que esse seja o caso.

>>> Todos os contos de Clarice Lispector num só volume

A edição publicada nos Estados Unidos e eleita esta semana como um dos 100 melhores livros do ano pelo The New York Times chegará ao Brasil em 2016. O anúncio feito pela editora responsável pela obra da escritora no Brasil, Rocco, diz que o livro se chamará Todos os contos e manterá a organização feita por Benjamin Moser, o autor da conhecidíssima biografia Clarice, O livro trará prefácio do biógrafo.

Sexta-feira, 04/12

>>> Inglaterra: Escavações revelam uma das últimas moradas de William Shakespeare

Já dissemos aqui sobre os 400 anos da morte de Shakespeare em 2016 e essa descoberta vem como marca dos eventos em torno de seu nome e sua obra; a fundação que cuida de seu legado em Stratford anunciou que completou as escavações do que foi a cozinha e dispensa da última vivenda que o dramaturgo possuiu. New Place estará aberta ao público que poderá visitar restos de utensílios usados para cozinhar e comer, um poço, e até onde se supõe, um espaço para se fabricar cerveja. Shakespeare, que morreu aos 52 anos por causas desconhecidas, retornou ao seu povoado natal para passar os últimas anos de sua vida com um mulher oito anos mais velha. Comprou a residência em 1597 com o dinheiro que havia ganhado com seu êxito teatral em Londres. Era uma grande vivenda, a segunda maior de Stratford, segundo os estudiosos. Aí compôs suas obras crepusculares como A tempestade.

>>> Brasil: Ouro Preto vista por Manuel Bandeira

Guia de Ouro Preto depois de largo tempo sem contato com os leitores volta às livrarias. É um livro para retirar o leitor habituado aos guias turísticos atuais, geralmente compostos de maneira apressada e às vezes com informações sucintas e sem base histórica sobre as localidades. Escrito numa época de muitas buscas em torno de nossa identidade cultural (os anos 1930 viram nascer no Brasil três importantes guias de cidades. Gilberto Freyre publicou em 1934 um volume dedicado ao Recife e, em 1939, à cidade de Olinda), este guia foi editado pela primeira vez em 1938. O poeta nos conta, de maneira poética e humorada, a história da cidade e os melhores trajetos para serem feitos a pé ou de carro. Apresenta os monumentos religiosos e civis e diversas informações importantes para quem deseja visitar Ouro Preto com um olhar mais atencioso.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse