Postagens

Mostrando postagens de Junho 16, 2015

A cristalização do universo de Joyce: “Stephen herói” e “Os mortos”

Imagem
Por Alfredo Monte


1
Durante a primeira década do século XX, quando tinha vinte e poucos anos, James Joyce produziu os contos que, publicados somente em 1914, formam a coletânea Dublinenses; por essa mesma época também se dedicava a um imenso manuscrito, Stephen herói [Stephen hero], no qual inovava radicalmente uma das linhas mais fortes da ficção europeia, a do “romance de formação”.
Ao contrário de Goethe (o ciclo Wilhelm Meister) ou Keller (O imaturo Henrique), não se tratava de um autor já vivido meditando e recapitulando o aprendizado de um jovem (geralmente, um artista), e sim do próprio autor em formação relatando esse processo enquanto o vivia. E não através da mera transposição autobiográfica, como é comum (ainda mais em escritores iniciantes), pois a Joyce pouco interessava o anedótico pessoal (pelo menos, nesse período de composição do romance de estreia), planejando que avultasse o lado “épico” da escolha do destino como poeta (daí o altissonante “herói” do título), «uma i…